Elvis Presley: De que ele morreu?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por João Pedro Andrade
Enviar correções  |  Comentários  | 

Quando se fala na morte de Elvis Presley, muito se especula a respeito. O que é conhecido de fato é que bem antes de seu falecimento, o rei estava tomando muitos remédios e em doses generosas.

1063 acessosDavid Bowie e Elvis Presley: um encontro épico que quase aconteceu5000 acessosHeavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1984

No dia 16 de agosto de 1977, no banheiro da mansão Graceland, no Tennessee, o coração de Elvis parou de bater. O cantor foi encontrado por sua noiva - na época, Ginger Alden, em frente ao vaso sanitário, de barriga para baixo e calças arriadas, por volta das 14 horas. A causa oficial foi arritmia cardíaca, uma condição que só pode ser identificada em pessoas vivas. Por outro lado, a família Presley possuía um histórico de doenças coronárias. Em sua autopsia, foram encontrados 15 medicamentos diferentes em seu corpo, dos quais 10, em quantidades perigosas (dez vezes a quantidade terapêutica do anestésico codeína, à base de morfina).

Quando os paramédicos chegaram, o corpo já estava ficando azul e frio. No caminho para o Baptist Memorial Hospital, tentou-se sem sucesso uma reanimação, afinal "era o Elvis". Ele foi declarado morto às 15:16, sem qualquer investigação na mansão, fotos do banheiro ou consideração pelo fato de que Elvis Presley tomava remédios como se fossem M&Ms.

A saúde do rei não era das melhores. Ele pesava quase 160 quilos e precisava de assistência constante de uma enfermeira. Em seus últimos shows, já praticamente não se movimentava mais do que o suficiente para chegar até o microfone, e quando chegava, se agarrava ao pedestal como se não tivesse forças para se manter de pé.

Seus intestinos e coração tinham o dobro do tamanho dos órgãos de um homem de 42 anos saudável e ele apresentava problemas nas veias coronárias, aorta e artérias cerebrais. O pulmão tinha sinais de enfisema, mesmo sendo o cantor não fumante.

Em seus anos de glória, Presley havia consumido metanfetaminas para, alegadamente, melhorar sua performance no palco, mas nunca foi um grande adepto do álcool, pois esse lhe despertava o lado violento e agressivo. Sua saúde, até seus 32 anos, exceto pela pressão alta, era perfeita. No entanto, a partir daí ele passou a sofrer de fortes dores no peito, insônia, hipertensão e grande ganho de peso.

Seu comportamento irracional também passou a chocar seus amigos e familiares, como quando atirou com uma arma no telefone porque não queria ser incomodado, quando arremessou uma televisão pela janela porque o programa não o agradou e quando correu pelo jardim com uma metralhadora porque achou que alguém perseguia sua filha Lisa. Em determinada ocasião, foi repreendido por Ginger pelos seus nocivos hábitos alimentares, o que resultou em uma taça de sorvete sendo arremessada na direção da moça.

Em um inquérito sobre a conduta do médico que acompanhava o rei, descobriu-se que ele havia receitado, entre o dia 1º de janeiro e 16 de agosto de 77, 8.805 medicamentos a Elvis Presley. Isso pode parecer absurdo e impreciso, mas é resultado de uma vasta investigação de um time experiente em mais de 150 farmácias.

O médico, Doutor George Nichopoulos, ou Doutor Nick, assumiu o ocorrido e disse que o fazia devido às fortes dores no peito que Elvis sentia. Seria, de acordo com o médico, um modo de mantê-lo longe de drogas ilícitas e traficantes nas ruas. O excesso de codeína foi o que de fato causou um infarto e matou o rei. E como Presley havia conseguido o remédio com um dentista local, Dr. Nick foi inocentado do homicídio culposo de seu paciente.

Mas, ainda assim, o que houve? Como pode Elvis ter tido uma recaída tão grave e tão súbita em sua saúde? Hoje, graças aos estudos do Dr. Forrest Torrent, testemunha de defesa que ajudou a inocentar Dr. Nick, podemos especular uma resposta.

Em 1967, aos 32 anos, Presley estava em Los Angeles gravando o filme O Barco do Amor, quando tropeçou na fiação elétrica do estúdio, caiu e bateu fortemente com a cabeça em uma banheira, uma pancada que o deixou inconsciente e o mandou direto para o hospital. Dr. Forrest investigou ainda, pelo menos, outros três episódios no mesmo período nos quais o rei sofreu acidentes que resultaram em pancadas na cabeça.

Acredita-se que Elvis Presley tenha desenvolvido traumatismo cranioencefálico, um tipo de traumatismo craniano causado por pancadas na cabeça, que levam ao desligamento de tecidos cerebrais, muito comum entre boxeadores e jogadores de futebol americano ou pessoas que sofreram acidentes automobilísticos.

E adivinhem quais são os sintomas dessa doença, que na época da morte de Elvis ainda era desconhecida! Dor crônica, comportamento irracional e mudanças corporais, como obesidade e crescimento anormal de órgãos vitais.

Ao longo de 10 anos, o vício em analgésicos para aliviar a dor no peito, somado a péssimos hábitos alimentares e um ritmo implacável de shows e compromissos, acabaram por, acidentalmente, liquidar o rei do rock, um homem ferido e doente, que padeceu sem saber o motivo de sua queda.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 27 de julho de 2017

David Bowie e Elvis PresleyDavid Bowie e Elvis Presley
Um encontro épico que quase aconteceu

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Elvis Presley"

Elvis PresleyElvis Presley
Biografias apontam casos de estupro, misoginia e efebofilia

Michael FrancisMichael Francis
O guarda-costas de Elvis Presley, Bon Jovi e outros

Elvis PresleyElvis Presley
E se o rei tivesse gravado Nirvana e AC/DC?

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Elvis Presley"

Heavy MetalHeavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados no ano de 1984

O Clube dos 27O Clube dos 27
17 roqueiros que sucumbiram à idade fatídica

Não é JesusNão é Jesus
Imagem de David Gilmour aparece no pescoço de Fernanda Souza

5000 acessosMetallica: Falha geral no sistema de som durante show no RIR5000 acessosA morte das grandes bandas: vá a todo show grande que puder5000 acessosSarcófago: Wagner fala da banda, radicalismo, Ghost e muito mais5000 acessosRobert Trujillo: a diferença entre tocar com o Metallica e com Ozzy5000 acessosFaroeste Caboclo: e se o ex-presidente Lula fosse o protagonista?5000 acessosMax Cavalera: de onde vem tanta inconveniência?

Sobre João Pedro Andrade

Paulista, Beatlemaníaco, a pessoa por trás do jmescuta.wordpress.com, uma das pessoas por trás do canal Jornal Musical e do podcast BarbalhadaCast. Produtor audiovisual de formação, jornalista musical de vocação. Guitarrista e ukulelista da banda de skacore Nokaos.

Mais matérias de João Pedro Andrade no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online