Guns N' Roses: o primeiro passo na conquista do mundo

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Em 1987, com três shows na lendária – e agora defunta – casa de shows londrina THE MARQUEE CLUB, o GUNS N’ ROSES dava o primeiro passo para sua conquista do mundo.

928 acessosGuns N' Roses: visita dos músicos a Jerusalém é cancelada5000 acessosAxl Rose: sugerindo prática oral sexual a Paul Stanley

À época ninguém sabia ainda, mas o que aquelas três apresentações nas noites dos dias 19, 22 e 28 de junho numa casa com capacidade máxima de 700 pessoas representaria seria o contrafluxo do maremoto de bandas britânicas que haviam se sedimentado firmemente na cultura dos EUA desde os Beatles na TV estadunidense em 1964. Com nomes do peso e significância dos ROLLING STONES, LED ZEPPELIN, DEEP PURPLE, AC/DC [escoceses], THE CLASH, SEX PISTOLS e THE POLICE brotando como cogumelos no Império Britânico, bandas do outro lado do Atlântico Norte como RAMONES, THE DOORS, AEROSMITH e NEW YORK DOLLS faziam-se pronunciadas, mas tinham ressonância bem limitada na cultura inglesa – e em comparação a ela também.

Isso mudou a partir da conturbada [desculpe a redundância] turnê da formação clássica do Guns N’ Roses pela terra da Rainha, onde a gravadora Geffen pretendia que o grupo gravasse seu primeiro LP [ideia arquivada logo após essa viagem, quando o staff do selo começou a temer que alguém fosse encarcerado ou morresse de overdose em território estrangeiro entremeio ao processo]. Foi nessa sequência de três shows que o Guns N’ Roses deixou de ser ‘apenas outra banda de Los Angeles’, uma atração local, e tornou-se um competidor de nível mundial, trazendo seu nome – e toda a cena de Sunset Strip – para cartazes e luminosos do centro cultural do mundo, London Town.

Os EUA e a Inglaterra vivem uma interessante simbiose desde que o rock foi criado nos anos 50, e travam uma relação de desdém e admiração pela produção fonográfica um do outro desde então. Para as bandas a Oeste de Nova Iorque, o reconhecimento do público e da crítica inglesa as torna dignas e respeitáveis; para os músicos da ilha, o sucesso na antiga colônia os reestabelece como metrópole. Essa relação é tão latente que chega a ser tangível na mídia especializada e nos bastidores das gravadoras.

O furdúncio causado por W. AXL ROSE e seus asseclas – dentre eles o britânico SLASH – repercutiu muito na intensa e esnobe imprensa musical do Reino Unido, e graças à espontaneidade sincericida e, justiça seja feita, competência da Geffen, fez com que a maré voltasse do Oeste e desembocasse do Tâmisa, marcando o início de uma cadeia de eventos que faria do GN’R a maior banda dos últimos vinte anos daquele século.


Ainda que o frescor e o clima de perigo eminente daqueles shows tenham sido perdidos totalmente nos dois anos seguintes, dando lugar a um ambiente corporativo e semi-pasteurizado, restaram a lembrança e a repercussão do que outrora foi ‘a maior banda de garagem do mundo’.

Abaixo, o setlist da performance do dia 28 de Junho, . As faixas um, quatro e cinco seriam depois incluídas no EP “Live From The Jungle”, lançado somente no Japão].

Welcome to the Jungle
Out Ta Get Me
Rocket Queen
Nightrain
My Michelle
It’s So Easy
Mr. Brownstone
Don’t Cry
You’re Crazy
Paradise City
Whole Lotta Rosie
Knockin’ on Heaven’s Door
Move to the City
Mama Kin

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 26 de janeiro de 2017
Post de 19 de junho de 2017

Guns N RosesGuns N' Roses
Visita dos músicos a Jerusalém é cancelada após ataque terrorista

1430 acessosLoudwire: em vídeo, os 10 maiores riffs de metal dos 80's1574 acessosFabio Lima: 13 músicas pelo Guns N' Roses0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Guns N' Roses"

Guns N RosesGuns N' Roses
As melhores músicas segundo a Ultimate Classic Rock

Guns N RosesGuns N' Roses
Bumblefoot estava irritado, amargurado e frustrado quando saiu

Guns N RosesGuns N' Roses
A variação do vocal de Axl Rose com o passar dos anos

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Guns N' Roses"

Axl RoseAxl Rose
Sugerindo prática oral sexual a Paul Stanley

LuxúriaLuxúria
Uma lista de alguns dos clipes mais sexys da história

Corey TaylorCorey Taylor
"Não comprem a playboy da Lindsay Lohan"

5000 acessosSeparados no nascimento: Lady Gaga e Eddie5000 acessosOs Headbangers não praticantes5000 acessosChris Cornell: relatório policial descreve últimas horas e morte5000 acessosJoão Gordo: Ed Motta tem razão, brasileiro não tem noção mesmo!5000 acessosMetal: os dez melhores guitarristas da atualidade5000 acessosSteven Adler: ele queria ser um Rockstar desde os treze anos

Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online