David Axelrod e The Electric Prunes: missa pop-psicodélica cristã

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Aline Luz, Fonte: All Music
Enviar correções  |  Ver Acessos

"Quase tudo na velha catedral parecia, ao jovem rapaz, intencionalmente feito para que ele se sentisse menor. A sua frente, figuras remotas em roupões brilhantes se moviam advertidamente em seus postos, celebrando um ritual estranho. Ele simplesmente não conseguia entender.

Demonstrações de afeto: fotos de rockstars que já se beijaram, parte 1Slayer: fãs hardcore dão (literalmente) o sangue pela banda

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ao seu redor, nas fileiras quase vazias, estavam sentadas mulheres idosas, curvadas, concentradas em seus colares de contas pretas, sem nenhuma curiosidade alheia voltada sobre elas. De um lado, um coro de túnica, entoando um canto gregoriano medieval, tão antigo que ele não poderia se lembrar nem mesmo de ter ouvido o seu avô cantando.

Ninguém para conversar, ou tocar. Pouco para se ouvir. Um museu para outras almas, não a dele.

Ele voltou para a porta da rua. A cidade lá fora pulsava um novo ritmo. Aquilo - as Hondas, as guitarras, os risos, as manchetes, os comerciais, os gritos, as crianças, a sua bela e feia cacofonia - aquilo o fisgou. Ele foi atingido em cheio.

O lado de fora da catedral - novas cores, novos cortes, novas modas - movendo-se numa antecipação vívida. Os olhos vidrados, assistindo às aspirações dos transeuntes.

Então, de algum rádio barato ele ouviu o ritmo do ultimo sucesso. Aquela música tinha seu próprio tempo, seu próprio ritmo. Uma canção enérgica e colorida tomou seu coração e suas vísceras. Ela o golpeou e ele caiu.

O ofício cristão foi esculpido em granito e entronizado em túnicas brilhantes e dançado nas florestas e compartilhado às margens dos lagos e cantado em trincheiras e afixado nas portas das igrejas e tocado em ritmo de jazz e apresentado na Broadway e letargizado nas catedrais.

O culto cristão possui formas tão numerosas quanto as energias criativas do homem. A Missa em Fá Menor é uma delas."

(Stan Cornyn - capa da "Missa em Fá Menor") - tradução livre.

Nascido em Los Angeles na década de 1930, DAVID AXELROD se tornou um grande produtor musical e um dos mais criativos compositores dos anos 60. Suas primeiras produções foram discos de músicos de jazz, dentre os quais "Why Am I Treated So Bad?" (1967), de The Cannonball Adderley Quintet, e também "Live At the Club" (1966) que contém o clássico "Mercy, Mercy, Mercy".

Na metade da década, David Axelrod se debruçou sobre o rock psicodélico, produzindo os dois últimos álbuns da banda garage ELECTRIC PRUNES: "Mass in F Minor" (1968) e "Release of an Oath"(1968).

The Electric Prunes
The Electric Prunes

Produziu ainda outros discos para bandas do underground lisérgico como HARDWATER - "Hardwater" (1968) e THE COMMON PEOPLE - "Of the People/By The People/For The people From"(1969).

Lançado em 1968, "Mass in F Minor" (Missa em Fá Menor), é um álbum-conceito cujas canções foram inspiradas na missa cristã em latim, misturando canto gregoriano com rock psicodélico, o que combinou muito bem! Outro ponto a ser destacado são as faixas, que também foram gravadas em latim, pois a letras das músicas são as orações originalmente utilizadas na missa.

Os ELECTRIC PRUNES (procurem pelo hit "I Had Too Much to Dream Last Night") eram uma excelente banda para seu contexto, o garage rock, mas não chegavam a ser experimentais. Garage rock é um dos primeiros estilos de psicodelia, também tido como primórdio do punk rock devido a enfase na simplicidade urgente do rock n' roll da década de 50 e na crueza das gravações independentes. DAVID AXELROD foi chamado para trabalhar com a banda por um de seus produtores, Dave Hassinger, que estava descontente com a falta de um hit no segundo álbum lançado pelos Prunes: "Underground"(1967). Um fato, amplamente citado por variadas fontes internéticas, é que a banda não conseguiu gravar todo o álbum "Mass in F Minor", com exceção dos vocais.

Algumas fontes citam que o inventivo DAVID AXELROD consumiu grande parte do valioso tempo-mercadoria do show business na elaboração conceitual de "Mass in F Minor", restando à banda pouco tempo de gravação. Em pouco mais de três dias não conseguiriam dar forma aos complexos arranjos idealizados por Axelrod. Então, foi contratada uma banda de apoio canadense para ajudar a terminar o trabalho: THE COLLECTORS. Outras fontes citam que a banda de apoio seria uma desconhecida WRECKING CREW. Polêmicas a parte, no final das contas o estilo sonoro dos ELECTRIC PRUNES, derivado de seu garage rock psicodélico-primata, conferiu uma qualidade especial ao trabalho, tornando-o único em meio a febre de discos experimentais inaugurada pelo "Sgt. Pepper's" dos BEATLES(1967) e "The Piper at the Gate's of Dawn"(1967) do PINK FLOYD, talvez encontrando algum paralelo com o "Tommy"(1969) do THE WHO.

De um disco de 6 músicas, 3 foram inteiramente gravadas pelos Prunes e as outras três pela outra banda porém com contribuições dos Electric Prunes. Dentre essas três faixas totalmente gravadas pelos Prunes está "Kyrie Eleison", que entrou para a trilha sonora do filme EASY RIDER (1969). "Kyrie Eleison"(do grego "Senhor, tende piedade") evoca a atmosfera mística e meditativa própria dos climas criados pelo canto gregoriano aliada a cáusticos solos de guitarra e à versão popular dada pelo vocalista JAMES LOWE ao canto erudito dos monges cristãos.

A ideia de missa pop psicodélica surge da colagem entre sagrado e profano que acontece durante o cotidiano, vislumbrada por Axelrod: um mesmo cristão ouve os sons da rua ao mesmo tempo em que está imerso no silêncio contemplador de uma antiga catedral medieval, acabando por se dar conta disso dentro da referida catedral enquanto observa o exterior. Isto está retratado num texto de apresentação contido no encarte do disco. As transformações tecnológicas que vem ocorrendo desde a segunda metade do século XX, têm sido propícias à este embate de dualidades como sagrado/profano, erudito/popular, que se encontram cada vez mais híbridas.

O resto do disco apresenta ainda a forte presença do órgão, um instrumento clássico da música sacra mas que também foi utilizado na música popular, estando presente no rock principalmente através das explorações progressivas. A experimentação em "Mass in F Minor" também está unida ao groove profano e ao rhythm and blues que permeia o disco do começo ao fim.

Seguindo as explorações que havia iniciado em seu trabalho com os Prunes, especialmente no ultimo disco da banda: "Release of an Oath", que deu prosseguimento ao conceito iniciado em "Mass in F Minor", David Axelrod compõe, produz e lança seus dois álbuns autorias mais aclamados: "Songs of Innocence" (1968) e "Songs of Experience"(1969).

Passeando pelo jazz, psicodelia, música instrumental e demais rótulos cabíveis, o resultado é uma produção altamente viajada, espiritualizada e única, impossível de nomear. Ambos os álbuns foram inspirados nos poemas e pinturas simbolistas/visionárias de WILLIAM BLAKE(1757-1827). Também foram comparados à "Bitches Brew"(1970) de MILES DAVIS, pela crítica da época, que na verdade não os tinha em tão alta conta. Posteriormente estes álbuns foram aclamados como obras-primas.

Em 1970, David Axelrod lança mais um disco pioneiro chamado "Earth Rot", que tem como tema central questões ambientalistas.Segundo a Wikipedia, "Earth Rot" se encaixa nos gêneros pop barroco, jazz, rock e soul jazz. Algumas letras são inspiradas no livro bíblico de Isaías e em lendas do povo indígena Navajo. Neste mesmo ano os Electric Prunes chegam ao fim, após uma série de instabilidades criadas a partir do disco "Underground" e da missa em fá menor.

David Axelrod, com 81 anos, ainda está vivo e atuante. Durante os anos 90 e 2000 teve sua extensa obra redescoberta por artistas do Rap e R&B, como LAURYN HILL e do BritPop, como o ex-vocalista do The Verve, RICHARD ASHCROFT. Já os ELECTRIC PRUNES realizaram alguns revivals além de lançarem, nos anos 90, um disco ao vivo cujo material foi retirado de uma apresentação em Estolcolmo, em 1967. O disco se chamou "Stockholm '67" e contém a performance de canções dos dois primeiros álbuns da banda, em sua melhor forma garage. Recentemente a formação original do grupo sofreu um baixa: o falecimento do baixista MARK TULIN, no ano de 2011.

Mass in F Minor - faixas:

Lado A

1. Kyrie Eleison
2. Gloria
3. Credo

Lado B

1. Sanctus
2. Benedictus
3. Agnus Dei

Algumas fontes:

http://canadianchristianity.com/bc/bccn/0710/20mass.html

http://www.redtelephone66.com/2010/08/the-electric-prunes-ma...

http://venenosdorock.blogspot.com.br/2011/03/electric-prunes...

http://shadwell.tripod.com/mass.html - site oficial da banda

http://blog.aporias.com.br/post/744789287/the-electric-prune...




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "The Electric Prunes"


Demonstrações de afeto: fotos de rockstars que já se beijaram, parte 1Demonstrações de afeto
Fotos de rockstars que já se beijaram, parte 1

Slayer: fãs hardcore dão (literalmente) o sangue pela bandaSlayer
Fãs hardcore dão (literalmente) o sangue pela banda


Sobre Aline Luz

Formada em Artes Visuais e fã de rock desde pequena.

Mais matérias de Aline Luz no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336