Matérias Mais Lidas

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemMax Cavalera revela como "selou a paz" com Tom Araya, vocalista do Slayer

imagemO grave problema do refrão de "Eagle Fly Free", segundo Fabio Lione

imagemPink Floyd: Gilmour nega alegação de Waters sobre "A Momentary Lapse of Reason"

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemLobão explica porquê todo sertanejo gostaria, no fundo, de ser roqueiro

imagemEdu Falaschi descobriu que seu primo famoso tem mais seguidores que ele no Instagram

imagemGregório Duvivier: "Perto de Chico Buarque, Bob Dylan é uma espécie de Renato Russo!"

imagemDave Mustaine cutuca Kiss e bandas "preguiçosas" que usam playbacks

imagemAC/DC: Angus Young conta como é para ele o antes, o durante e o depois de um show

imagemIggor Cavalera diz que reunião da formação clássica do Sepultura seria incrível, mas...

imagemMax Cavalera diz quais foram os dois discos mais difíceis que já gravou

imagemA categórica opinião de Dave Mustaine sobre religião "abusiva e falsa" de sua mãe

imagemRush: Geddy Lee comenta as dificuldades da gravação de "Hemispheres"

imagemBenny Anderson toca música do Foo Fighters por ter visto Dave Grohl homenageando Abba


Stamp

Concrete Blonde

Por Allan Jones
Em 06/04/06

Formada em 1982, a banda consistia na bela Johnette Napolitano como baixista e vocalista e James Mankey como guitarrista. No começo eles atendiam pelo nome Dream 6. Com este nome até chegaram a lançar um EP na Europa, mas que não teve nenhum resultado significativo. Após um tempo rodando pelos clubes Californianos, eles adicionaram o baterista Harry Rushakoff.

Em 1987, surgiu o tão sonhado contrato com a I.R.S. Nesta época eles já estavam pensando em mudar o nome da banda. Procuravam algo mais forte e significativo, e escolheram o nome "Concrete Blonde".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O Concrete Blonde era híbrido, suas influências eram diversas, desde o punk rock até o movimento hard que vinha crescendo assustadoramente nos EUA. A banda agradava aos jovens pois Johnete além da beleza tinha um visual rebelde que instigava os homens. No começo a banda era tachada de gótica, mas esse estigma foi se perdendo com o tempo.

O primeiro álbum levou o nome da banda e misturava as suas influências, músicas pesadas e com letras fortes entre outras mais sombrias, e algumas com uma levada pop.

A banda demorou um pouco até conseguir emplacar no cenário, afinal sua música não era nem um pouco convencional.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O próximo disco chamou-se "Free" e nele o Concrete Blonde mostrava sua cara. Neste álbum Johnete se concentrou apenas nos vocais e passou o baixo para Alan Bloch. O disco traz a mais forte canção da banda, "Gos is a Bullet", além de agradáveis surpresas como "Run, Run, Run" e a bela "Happy Birthday". Apesar do bom resultado conseguido no álbum, a banda ainda não tinha nenhum hit nas FM’s.

O feito só veio em 1990, com o lançamento do aclamado "Bloodletting" que trazia o primeiro hit do Concrete Blonde, a balada "Joey"... "Joey" era uma música simples mas com uma melodia muito bonita, e a letra também era bastante interessante. Neste álbum, Harry e Alan não estavam mais na formação, a banda havia voltado a ser um trio, pois Johnete e James haviam se juntado a Paul Thompson (Ex-Roxy Music).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A banda começava a ter problemas relacionados à vocalista que estava se excedendo nas drogas.

Em 1992, entraram em estúdio novamente com o baterista Harry Hushakoff e gravaram "Walking in London" que além da excelente faixa título trazia um cover de Jame´s Brown chamado "It's A Man's Man's Man's World". O disco teve boa repercussão, mas notava-se que a banda havia caído em relação ao disco anterior.

Em seguida a banda daria um passo ousado com o disco "Mexican Moon", que continha muitas influências hispânicas. O disco emplacou o hit "Heal it up" que agradou em cheio aos fãs que esperavam por um disco ruim, já que a imprensa divulgava que a banda estava em crise e Johnete tinha constantes crises de overdose.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Já prevendo o pior, a gravadora soltou no mercado "Still in Hollywood", que era uma compilação de seus sucessos junto de canções que foram lado B de seus singles.

Em 95, o pior aconteceu, a banda anunciou o seu fim. James e Harry se afastaram do cenário musical, enquanto Johnete passou por diversas parcerias, a primeira com a guitarrista Holy Vincent. A união rendeu boatos na imprensa de que elas eram mais do que amigas e parceiras de trabalho. O projeto batizado de Vowel Movement foi totalmente desprezado pelos fãs e pela crítica.

Logo depois viria outra parceria com Marc Moreland do Wall Of Voodoo (uma das mais fortes influências de Johnete) mas a dupla também não rendeu muito.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Enquanto Johnete dava cabeçadas, a gravadora jogava uma coletânea que continha canções como "Caroline", "Heal it up", além de um cover de "Mercedez Bens" de Janis Joplin.

Em 1997, Johnete, que estava precisando de dinheiro, procurou James Mankey para participar de seu projeto com uma banda mexicana. Para conseguir um impacto, ela queria usar o nome Concrete Blonde. James aceitou a proposta e eles gravaram "Concrete Blonde Y Los Illegals". O disco não passou de uma mancha na bela carreira que a banda havia construído.

O retorno oficial veio em 2002, com o disco "Group Therapy". O resultado foi apenas razoável, já que na época as tendências eram outras. Neste disco podemos reparar que a banda já não exibe a energia e o vigor de outrora, e Johnete limita-se a fazer o básico. O disco está mais próximo do som psicodélico que a banda fazia no início da carreira do que do rock melodioso que lhes deu notoriedade.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Airbourne 2022
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Exodus: "Rick Rubin é uma verdadeira fraude", diz Gary Holt


Sobre Allan Jones

É carioca, tem 23 anos e ouve rock desde pequeno. Suas principais influências são dos anos 70 e 80. Fez vários trabalhos relacionados ao rock, desde programas de rádio até promoção de eventos. Além disso, é músico e também faz trabalhos relacionados ao teatro. Oficialmente trabalha para a secretaria de fazenda de uma prefeitura de um município do Rio. Atistas prediletos: Kiss, Alice Cooper, Van Halen, Todd Rundgren, Asia, Kansas, Journey e as bandas do cenário do hard oitentista.

Mais matérias de Allan Jones.