O Ano do Blues

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Carlos Augusto de Oliveira
Enviar correções  |  Ver Acessos

Salve, salve, blues fãs! Estou aqui assumindo esta coluna exatamente no ano que foi declarado o "Ano do Blues" lá nos Estados Unidos da América do Norte. Quem conseguiu esta proeza foi a Senadora Blanche Lincoln, do Arkansas, cuja foto oficial está por aí. Ela é advogada, foi eleita em 98 e tornou-se a mais jovem mulher a ser escolhida para o Senado norte-americano. É advogada e sempre defendeu os pequenos agricultores do Delta do Mississippi.

Bandas extremas: 10 álbuns que causaram surpresaBlind Faith: uma das capas mais polêmicas da história

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


O "Ano do Blues" começou oficialmente no dia 1º de fevereiro, data em que, há exatos 100 anos, William Christopher Handy (cuja foto também está por aí) viu pela primeira vez um negro tocando um blues em seu violão com uma faca. W. C. Handy é chamado com algum exagero de "pai do blues" e é hoje em dia o nome do principal prêmio no mundo do blues.

E já que devezemquandamente nos encontraremos por aqui, vou me apresentar. Meu nome é Carlos Augusto de Oliveira, me chamam de Carlão graças a meus 190 cm. Sou musicômano, rockólatra e blues maníaco. E isso há muito tempo, desde minha distante adolescência. Sempre que me deixam, vou divulgando o blues pelas ondas de rádio de Curitiba. Já freqüentei as extintas Estação Primeira e Alternativa. Estou atualmente na Educativa FM. E acho que este tal de "Ano do Blues" pode significar o início do fim de uma grande injustiça, pode trazer alguma luz sobre o trabalho dos verdadeiros pais do rock. E, se tudo der certo, devolver aquele tal de Elvis Presley pro limbo de onde jamais deveria ter saído.

Voltemos ao "Ano do Blues". O primeiro evento aconteceu em Nova York, no início do mês, com um show do B. B. King produzido pelo Martin Scorsese. Durante o ano acontecerão exposições e palestras em escolas, as redes públicas de rádio e TV mostrarão séries que vão contar a história do blues. 7 (eu disse - sete) longas-metragens falando sobre o blues estrearão nas emissoras públicas de TV. Filmes dirigidos por talentos como o próprio Scorsese e mais Wim Wenders, Mike Figgis e Clint Eastwood. Será editado um livro de referência com material de arquivo pouco conhecido. Tudo isso tem como objetivo declarar o blues como "patrimônio cultural dos Estados Unidos". E eu espero que algumas destas coisas respinguem em nosso país tropical, que também produz blues de boa qualidade - mas este é assunto pra outras Colunas.


Mas, vamos voltar à Senadora Blanche Lincoln. Ela nasceu em Helena, Arkansas, cidade que fica às margens do Rio Mississippi, bem próximo de Clarksdale, que fica do outro lado do Rio, no Estado do Mississippi. Em Clarksdale nasceram, por exemplo: John Lee Hooker, Earl Hooker, Junior Parker, Sam Cooke, Ike Turner, Johnny B. Moore e Johnny "Big Moose" Walker. O dono de uma das plantações onde nasceu boa parte destes monstros sagrados foi entrevistado e quando perguntado se ele conhecia estas pessoas, respondeu: "nunca ouvimos essas pessoas cantarem. Nunca fomos o tipo de fazendeiros que convidavam essas pessoas a entrar e cantar nas festas".

Talvez o "Ano do Blues" ajude a mudar este tipo de mentalidade. Pena que vai ser muito difícil tirar da cabeça do Bushinho que este é o ano da guerra.


Blues Before Sunrise

Nuno Mindelis - BiografiaNuno Mindelis - Biografia

Nuno Mindelis - Ao VivoNuno Mindelis - Ao Vivo

Lembrando WillieLembrando Willie

Mayall ou Korner?: Quem foi o verdadeiro pai do blues branco inglês?Mayall ou Korner?
Quem foi o verdadeiro pai do blues branco inglês?

Confusões em relação a Sonny Boy WilliamsonConfusões em relação a Sonny Boy Williamson

Antes da banda: Existia um Pink como também existia um FloydAntes da banda
Existia um Pink como também existia um Floyd

Como fazer um bom Blues: Um manual práticoComo fazer um bom Blues
Um manual prático

Son House: deve haver algo especial na água do MississippiSon House
Deve haver algo especial na água do Mississippi

A tristeza de Buddy GuyA tristeza de Buddy Guy

Blues Brasil em 2003Blues Brasil em 2003

Piá de bosta: Garotos imberbes que se atrevem a tocar BluesPiá de bosta
Garotos imberbes que se atrevem a tocar Blues

Robert Johnson: Eu e o Diabo Que Me CarregueRobert Johnson
Eu e o Diabo Que Me Carregue

Todas as matérias sobre "Blues Before Sunrise"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Blues Before Sunrise"


Bandas extremas: 10 álbuns que causaram surpresaBandas extremas
10 álbuns que causaram surpresa

Blind Faith: uma das capas mais polêmicas da históriaBlind Faith
Uma das capas mais polêmicas da história


Sobre Carlos Augusto de Oliveira

Carlos Augusto de Oliveira é musicômano, rockólatra e blues-maníaco. Esta loucura o levou a ser dono de loja de discos durante a última década do século passado. E na tentativa de arrastar mais seres humanos para este abismo de insanidades, produziu e apresentou programas sobre blues e heavy-metal entre 1989 e 2004 nas FMs Estação Primeira, Alternativa e Paraná Educativa, todas em Curitiba.

Mais matérias de Carlos Augusto de Oliveira no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336