Quem foi o verdadeiro pai do blues branco inglês?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Márcio Ribeiro
Enviar Correções  

John Mayall ou Alexis Korner? Muitos consideram Alexis Korner. Outros mais consideram John Mayall. A história ainda proporciona questionar se o precursor não teria sido Chris Barber. Então, não poderia ele ser considerado o verdadeiro pai de todos? O que acham? Vamos olhar essas histórias?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

John Mayall
John Mayall
Dos três, o mais famoso, e portanto o que mais influenciou diretamente um público maior foi John Mayall, que durante toda a década de 60 encantou a Europa e os Estados Unidos com sua qualidade de blues. Quando Eric Clapton entrou para sua banda, "The Bluesbreakers", em 1965, sua popularidade explodiu na Inglaterra e Europa. Quando Mick Taylor se juntou à banda em 1967, Mayall e seus Bluesbreakers passaram a cavar um mercado nos Estados Unidos.

Durante a década de 70 em diante, John Mayall passou a viver mais da própria fama, seus discos perdendo a aura de inovadores. Mas o mercado, assim como o mundo, já havia mudado. O blues já não era mais um mistério a ser conferido. O blues se tornara finalmente "mainstream".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Então você deve estar pensando, qual a dúvida? Se John Mayall e sua banda foram os que fizeram toda uma geração conhecer e amar o blues, então é ele o pai do blues branco inglês! Não é? Contudo, para Mayall criar o seu Bluesbreakers, ele procurou se espelhar na banda Blues Incorporated, de Alexis Korner.

Alexis Korner
Alexis Korner
Alexis Korner passou a tocar o blues em uma época em que ninguém se interessava pelo gênero. Música negra americana para o inglês era o jazz. Até mesmo na América o blues era mal visto entre a maioria branca, ainda legalmente segregada. Korner, com a ajuda de outro inglês, Cyril Davies, montou uma banda que perduraria até meados da década de 60, a Blues Incorporated, e com ela despertou uma legião de músicos para o potencial do blues. Entre estes músicos novos a assistirem Alexis Korner e ser influenciado diretamente por sua música, está o próprio John Mayall. Se não fosse Korner conversar e convencê-lo que indo a Londres ele poderia viver de música, é possível que John Mayall passasse a vida trabalhando em uma agência de publicidade em Manchester, dando aulas de música para ajudar no orçamento e tocando só nos fins de semana, como ele vinha fazendo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Percebem então agora que há razão para o tamanho respeito empregado a estes dois músicos? Se perguntar para John Mayall quem é o pai do blues branco inglês, ele é capaz de dizer "Alexis Korner". Ao fazer a mesma pergunta a Korner, ele nomearia Chris Barber.

The Chris Barber Tradicional Dixieland Jazz Band não é exatamente o primeiro lugar que se pensaria para procurar blues. Difícil acreditar que tal banda poderia ser cogitada como um precursor deste gênero. Todavia, na década de 50, Barber, ao visitar Chicago, voltou bastante interessado nele. Passou a contratar artistas negros para cantar entre sets de sua banda de jazz. Barber diria claramente que queria mesmo ampliar o conhecimento de seu público quanto à diversidade da música negra. Com isto, muito garoto que foi para seu show assistir Dixieland jazz acabou conhecendo gente como Muddy Waters e Sonny Boy Williamson - o segundo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Estes cantores eram acompanhados por uma formação diminuta da Jazz Band, que inevitavelmente contava com cinco músicos, três dos quais seriam diretamente responsáveis pela horda de músicos de blues e rock que viria a nascer até o final da década. São eles Alexis Korner, Cyril Davies e Lonnie Donnegan. Lançam um disco de jazz que inclui quatro faixas de um gênero criado por Donnegan, chamado "skiffle". Em dois anos, haveria cerca de cinco mil bandas de skiffle espalhadas pela Inglaterra. Cada criança do país passou a querer se envolver com música de uma forma ou de outra. Foi o skiffle que fez garotos como John Lennon ou Roger Daltry a quererem levar um som, evoluindo naturalmente os interesses para rock 'n' roll. Donnegan seguiria uma rentável carreira solo pouco depois.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


A onda de skiffle abriu mercado para todo o mundo e Alexis Korner e Cyril Davies acabariam montando uma para ajudar no orçamento. Trabalhando bem como um duo, e ambos tendo grande amor pelo blues, acabariam em 1959 montando um grupo que viria a ser batizado depois de The Blues Incorporated.

Então, de fato, Chris Barber plantou a grande semente, mostrando que havia um mercado para o gênero dentro da Inglaterra. O que difere ele dos demais é que Barber permaneceu na sua especialidade, o jazz. Mas Korner e Cyril abriram mão do certo e investiram no duvidoso. Os primeiros shows da banda mal conseguiam trazer público para competir em número com a quantidade de músicos tocando no palco. Ao entrarem no ano de 1962, já havia público vindo até da Escócia para assistir ao Blues Incorporated. Músicos da banda acabavam saindo para formar suas próprias bandas e sendo substituídos por outros, igualmente ansiosos por aprender com o mestre. Por volta de 65 já havia tantas bandas de blues na Inglaterra que começava a ficar mais difícil renovar valores como antes. Até mesmo porque John Mayall e seus Bluesbreakers também se tornara um pólo para atrair talentos.

publicidade

Neste quesito, o de nomear os participantes de cada banda, a lista é extensa e aparentemente sem fim. Por isto vamos nos prender basicamente à década de 60 e às bandas Blues Incorporated e Bluesbreakers.

Na Blues Incorporated esteve primeiro o talento de Cyril Davies, que iria montar o Cyril Davies & The All Stars, banda muito popular em Londres, mas que acabaria em '64 com a morte de Cyril, que sofria de leucemia. Se ele tivesse vivido a tempo de gravar mais material, talvez ele também estivesse apto a galgar o título de pai do blues branco inglês.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Geoff Bradford, um guitarrista purista de blues, que também esteve na formação embrionária dos Rolling Stones, formando depois a banda Blues By Six, cuja vida foi encurtada, uma vez que seu baterista Charlie Watts a deixou para se juntar aos Rolling Stones.

Long John Baldry, um dos primeiros cantores de blues na Inglaterra. Sua pouca fama não faz justiça à sua farta carreira. Baldry, embora não sendo o vocalista mais carismático do Reino Unido, conseguiu a difícil dádiva de ser amigo de todo mundo no meio. Teve também a sorte e o instinto de reconhecer talento instintivamente, quando o via. Foi Baldry quem, em '64, descobriria Rod Stewart dormindo em uma estação de trem e convidá-lo a cantar em sua banda. Seria ele também um dos maiores incentivadores para o talento de Elton John, cujo "John" de seu nome artístico é uma homenagem ao próprio John Baldry.

Charlie Watts, Brian Jones e Mick Jagger são três que se conheceram dentro dos Blues Incorporated. Charlie era o baterista da banda, Brian tinha um set com Paul Jones e Mick cantava três canções com o grupo. Brian formaria os Rolling Stones tentando trazer Paul Jones para os vocais. Este recusou e Mick Jagger acabaria entrando para o lugar. Charlie Watts tocaria com Bradford no Blues By Six, seguindo depois para os Stones, que começariam a ficar famosos.

Paul Jones, depois de perder a chance de cantar para os Rolling Stones, iria seguir carreira cantando para o Manfred Mann.

Dick Heckstall-Smith é um saxofonista de primeira linha. Depois de tocar com os Blues Incorporated passou para o Cyril Davies & The All Stars, que depois se tornaria Long John Baldry & the Hoochie Coochie Men. Smith iria então tocar para o Graham Bond Organization, seguindo depois para os Bluesbreakers de John Mayall.

Jack Bruce e Ginger Baker são dois músicos que vieram a se conhecer no Blues Incorporated. Ginger Baker foi o baterista que veio a substituir Charlie Watts no final de 1962. Seguiria com Jack Bruce e Dick Heckstall-Smith para o Graham Bond Organization no ano seguinte. A dupla ficaria mundialmente famosa ao formar o Cream em 1966.

Graham Bond é um talentoso tecladista, muito respeitado, que em 1963 formaria a Graham Bond Organization, banda que teria certo apelo comercial na Inglaterra. A formação inclui, além de Graham Bond, John McLaughlin, Jack Bruce, Dick Heckstall-Smith e Ginger Baker.

Art Wood, cantor que substitui Baldry no Blues Incorporated formaria depois a banda Artwoods, outra banda com certo status cult na Inglaterra em meados de ‘60. Entre seus membros estão Keef Hartley e Jon Lord.

Agora vejamos os Bluesbreakers de John Mayall. Notem que, diferente de Alexis Korner, tido como boa praça e de papo fácil, John Mayall é tido como uma pessoa bem mais exigente e de temperamento mais explosivo. Suas regras dentro da banda são impostas e inflexíveis. Assim, há um rodízio consideravelmente maior na formação de sua banda. The Bluesbreakers é seguramente uma das bandas que mais tiveram formações diferentes entre todas as bandas existentes.

Em sua primeira encarnação, teve como baterista o Hugie Flint, que, ao deixar a banda, tocaria com Alexis Korner, quando este já não usava mais o nome de Blues Incorporated. Depois tocou por pequenos períodos em bandas como Chicken Shack, Savoy Brown, Georgie Flame & the Blue Flames e Manfred Mann, antes de formar sua própria banda McGuinness Flint com Tom McGuinness no final de 1969.

Ricky Brown, que já tinha uma carreira como baixista dos Savages, se juntou à primeira formação dos Bluesbreakers quando os Savages acabaram. Ele ficaria por pouco tempo, indo se juntar ao Cyril Davies & The All Stars com Carlo Little e Bernie Watson.

John McVie seria o baixista que mais tempo iria ficar nos Bluesbreakers, embora Mayall o fosse despedir pelo menos três vezes, desistindo na última hora ou recontratando depois. Eles se desentendiam em relação a uma das rígidas regras impostas por Mayall, a de não poder se intoxicar. McVie tinha o hábito de beber muito, o que resultava invariavelmente em sua dispensa. Mas de uma forma ou de outra, McVie conseguiu continuar até 1967, e é o músico com maior durabilidade na história da banda. Deixou o grupo para se juntar ao Fleetwood Mac.

Davey Graham seguira uma carreira tocando folk-blues, esticando o gênero para horizontes sem precedentes. Experimentaria misturando folk e blues com elementos como raga indiano, instrumentações do oriente médio, e jazz, sendo respeitado com um inovador.

Bernie Watson, outro ex-Savage que, depois de tocar com Cyril Davies & The All Stars, passa um ano nos Bluesbreakers. Depois se tornaria um violonista clássico muito respeitado. Após Bernie deixar os Bluesbreakers, Mayall passaria um pequeno período com uma maior rotatividade de guitarristas. Isto mudaria quando Eric Clapton deixou os Yardbirds.


Eric Clapton, que deixaria os Yardbirds assim que eles ficaram populares, ainda era largamente desconhecido na Inglaterra. Com seu trabalho com os Bluesbreakers, gravou o terceiro álbum da banda. Este disco, junto com algumas excursões pela Europa, colocaria John Mayall & The Bluesbreakers no seu apogeu, como também conferiria ao blues inglês o status de legitimidade. Eric Clapton também passaria a ser um nome mais conhecido em seu país, sendo a ele conferido o título popular de Deus da guitarra. Ao sair no verão de 1966, ele passa um tempo estudando seu instrumento antes de formar o Cream com Bruce e Baker.

Jack Bruce, já respeitado como um exímio baixista, depois de deixar o Graham Bond Organization entrou no Bluesbreakers em agosto de ‘65, substituindo John McVie, mandado embora novamente por aparecer bêbado. Bruce entrou durante o período em que os Bluesbreakers voltaram a ficar sem guitarrista fixo, uma vez que Clapton sumiu, indo passar o verão na Grécia com amigos. Tocou com Mayall por seis semanas, tempo suficiente para Clapton voltar e os dois se conhecerem musicalmente. Bruce seguiria depois para tocar com Manfred Mann antes de formar o Cream. John McVie seria convidado a voltar aos Bluesbreakers.

Peter Green seria o substituto de Eric Clapton em 1966, sendo o segundo de três guitarristas fora de série que os Bluesbreakers teriam na década de 60. Com um estilo inteiramente diferente de Clapton, Green conseguiu se ajeitar bem na lacuna deixada pelo seu antecessor. Formaria depois o Fleetwood Mac mantendo a fama de guitarrista excepcional até ficar doente, passando boa parte das décadas de 70 e 80 fora do circuito.

Ansley Dunbar seria em 1966 o baterista que substituiria Hughie Flint. Ficaria apenas seis meses, antes de ser substituído por Mickey Waller enquanto não encontravam alguém que ficasse permanentemente. Dunbar iria se juntar ao Jeff Beck Group e depois aos Mothers of Invention, de Frank Zappa. Sua carreira o levará a ser um dos mais prestigiados bateristas de estúdio da década de 70.

Mick Fleetwood seria outro baterista a ficar por pouco tempo na banda, um mês mais ou menos, quando foi expulso por bebedeira. Seria o tempo apenas de gravar três canções, entre elas um tema de co-autoria dele e John McVie que permaneceria inédito, chamado "Fleetwood Mac". Ao deixar a banda, Fleetwood levou com ele Peter Green, com McVie se juntando a eles três meses depois. Acabaram por formar a banda Peter Green's Fleetwood Mac.

Mick Taylor seria então o terceiro guitarrista do triunvirato fora de série dos Bluesbreakers. Com Taylor, Mayall consegue finalmente entrar no mercado americano. Como Clapton antes dele, é nos Bluesbreakers que Mick Taylor ficaria conhecido em seu país. Em 1969 Mick Taylor deixaria Mayall, se juntando aos Rolling Stones, que buscava nele um substituto para Brian Jones. Ele então passa a ter fama mundial.

Dick Heckstall-Smith, Jon Hisman e Tony Reeves entram na banda em um período que Mayall experimentava com uma formação mais jazzista. Ficariam por quase um ano, antes de juntos, deixarem os Bluesbreakers em setembro de 1968, para formarem a banda Colosseum. Smith passa a ser um prestigioso músico de estúdio durante a década de setenta. Reeves seguiria para formar Greenslade enquanto Hisman formaria Colosseum II.

Colin Allen e Steve Thompson, respectivamente bateria e baixo, tocariam juntos em uma das últimas formações dos Bluesbreakers, pouco antes de John Mayall abandonar o nome. Eles seguiriam para tocar no Stone Crow.

John Mayall
John Mayall
John Mayall, assim como Alexis Korner, continuaria a gravar durante as décadas de 70 e 80, Korner vindo a falecer em 1984. John Mayall continua vivo, gravando e ocasionalmente tocando pelo mundo afora. Cada vez com um grupo diferente de músicos, todos excelentes.

Quem é o grande pai do blues branco inglês? Par ou ímpar? Um, dois, três, e já!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Blues Before Sunrise

Nuno Mindelis - BiografiaNuno Mindelis - Biografia

Nuno Mindelis - Ao VivoNuno Mindelis - Ao Vivo

Lembrando WillieLembrando Willie

Confusões em relação a Sonny Boy WilliamsonConfusões em relação a Sonny Boy Williamson

Antes da banda: Existia um Pink como também existia um FloydAntes da banda
Existia um Pink como também existia um Floyd

Como fazer um bom Blues: Um manual práticoComo fazer um bom Blues
Um manual prático

Son House: deve haver algo especial na água do MississippiSon House
Deve haver algo especial na água do Mississippi

O Ano do BluesO Ano do Blues

A tristeza de Buddy GuyA tristeza de Buddy Guy

Blues Brasil em 2003Blues Brasil em 2003

Piá de bosta: Garotos imberbes que se atrevem a tocar BluesPiá de bosta
Garotos imberbes que se atrevem a tocar Blues

Robert Johnson: Eu e o Diabo Que Me CarregueRobert Johnson
Eu e o Diabo Que Me Carregue

Todas as matérias sobre "Blues Before Sunrise"




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Bruce Dickinson: ex-Metallica mostra foto rara do peludo vocalista na piscinaBruce Dickinson
Ex-Metallica mostra foto rara do peludo vocalista na piscina

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1990Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1990


Sobre Márcio Ribeiro

Nascido no ano do rato. Era o inicio dos anos sessenta e quem tirou jovens como ele do eixo samba e bossa nova foi Roberto Carlos. O nosso Elvis levou o rock nacional à televisão abrindo as portas para um estilo musical estrangeiro em um país ufanista, prepotente e que acabaria tomado por um golpe militar. Com oito anos, já era maluco por Monkees, Beatles, Archies e temas de desenhos animados em geral. Hoje evita açúcar no seu rock embora clássicos sempre sejam clássicos.

Mais matérias de Márcio Ribeiro no Whiplash.Net.

CliIL Cli336 Cli336 Cli336 Cli336 WhiFin Cli336 Cli336