Nuno Mindelis - Ao Vivo

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Paulo Haroldo
Enviar correções  |  Ver Acessos


Choperia do SESC Pompéia/SP. Depois de realizar um excelente show no dia anterior, Nuno Mindelis novamente encheu a choperia do SESC, na Pompéia, lugar com capacidade para 800 pessoas. Apesar da lotação, logo vem à mente a situação do blues no Brasil, onde um dos maiores expoentes mundiais deveria estar se apresentando nas grandes casas, normalmente ocupadas pelas estrelas do rock.

Sexo e Rock and Roll: músicas com conotação sexualMulheres no Rock: resistência em um meio machista

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Por incrível que pareça, é Chris "Whipper" Layton, ex-baterista da banda de Stevie Ray Vaughan, que vem insistindo para Nuno ir ao Texas gravar novo cd, e não o contrário. Porque o desconforto financeiro para quem pratica o blues puro no país chega a desanimar, a ponto de vários guitarristas, incluindo Nuno, já pensarem em enveredar por outros estilos. Não é por outro motivo que nomes conhecidos passaram a mesclar o fraseado do blues com ritmos e melodias tipicamente brasileiros, como fizeram André Christovam e Big Gilson (Big Allambik), e esse pode ser o próximo passo de Mindelis.

Nada disso, entretanto, tira da estrela da noite o ímpeto de debulhar nas cordas de sua Fender Strat o gênero musical que corre em seu sangue e purifica sua alma. Nuno foi influenciado desde cedo pelos pioneiros do blues americano, mas seu estilo remete à velocidade moderna de Johnny Winter. Abre o show com uma "intro" animada e ataca em seguida com "Shake It", do gaitista texano Paul Orta, companheiro de Nuno pelas excursões européias. Em seguida emenda um dos hits da noite, "Spinning Wheel", de David Clayton-Thomas (vocalista do Blood, Sweat & Tears), brindado por um belo solo de gaita de Thiago Cerveira. "Dirty Little Toy", blues de dinâmica lenta e progressiva, mais uma faixa tirada do cd "Blues On The Outside", novamente recebe solo extenso e inspirado da gaita de Cerveira. Na sequência vem "I Know What You Want" e "In Trouble" (ambas de "Blues On The Outside", disco mais recente de Nuno) e "Play The Paris Blues", de Merl Saunders, mostrando boa coesão da banda, que também contou com Maurício Perdoza nos teclados, Andrei Ivanovic no baixo e Richard Vega na bateria. Ao tocar a música seguinte, uma belíssima cover de "Castles Made Of Sand", de Hendrix, surge o inesperado e a 1ª corda da guitarra se rompe, o que não impede Nuno de continuar a execução até seu final. Como recompensa ao público que espera pacientemente a troca da corda (o bluesman diz que não gostaria de usar a guitarra-reserva, uma Schecter), Nuno manda mais uma cover de Jimi, "Hey Joe". Na sequência, em nova roupagem, a única música em português da noite - "Eu Sou Menino" - de seu primeiro disco, "Blues & Derivados". Antes do bis, mais um clássico, "Pride And Joy", de Stevie Ray Vaughan. Fica provado que de melancólico o blues não tem nada, apenas a lenda.

Para arrematar a noite, Nuno e banda voltam ao palco para o medley de "You Don't Have To Go" (Jimmy Reed) e "Before You Accuse Me" (Bo Diddley). Grand finale para uma grande noite, apesar da insatisfação parcial do guitarrista ("os solos ficaram muito longos, por isso acho que o público não reagiu tão bem como na 6ªf"). Bobagem... ninguém reclamou.

Completando uma trilogia sobre Nuno Mindelis, será publicada nesta coluna, em breve, uma grande entrevista com o guitarrista. Aguardem!


Blues Before Sunrise

Nuno Mindelis - BiografiaNuno Mindelis - Biografia

Lembrando WillieLembrando Willie

Mayall ou Korner?: Quem foi o verdadeiro pai do blues branco inglês?Mayall ou Korner?
Quem foi o verdadeiro pai do blues branco inglês?

Confusões em relação a Sonny Boy WilliamsonConfusões em relação a Sonny Boy Williamson

Antes da banda: Existia um Pink como também existia um FloydAntes da banda
Existia um Pink como também existia um Floyd

Como fazer um bom Blues: Um manual práticoComo fazer um bom Blues
Um manual prático

Son House: deve haver algo especial na água do MississippiSon House
Deve haver algo especial na água do Mississippi

O Ano do BluesO Ano do Blues

A tristeza de Buddy GuyA tristeza de Buddy Guy

Blues Brasil em 2003Blues Brasil em 2003

Piá de bosta: Garotos imberbes que se atrevem a tocar BluesPiá de bosta
Garotos imberbes que se atrevem a tocar Blues

Robert Johnson: Eu e o Diabo Que Me CarregueRobert Johnson
Eu e o Diabo Que Me Carregue

Todas as matérias sobre "Blues Before Sunrise"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Blues Before Sunrise"Todas as matérias sobre "Nuno Mindelis"


Sexo e Rock and Roll: músicas com conotação sexualSexo e Rock and Roll
Músicas com conotação sexual

Mulheres no Rock: resistência em um meio machistaMulheres no Rock
Resistência em um meio machista


Sobre Paulo Haroldo

Ex-comerciante, divorciado (liberdade ainda que tardia). Preferências musicais: Hard Rock (principalmente anos 70), Blues, Heavy Metal sem podreira, Progressivo (não confundir com ProgMetal), e todo bom rock/pop feito sem samplers, computadores e outros artifícios eletrônicos que só servem para mascarar falsos músicos. Exterminador de hip-hoppers...

Mais matérias de Paulo Haroldo no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336