Eric Clapton: o mestre além do bem e do mal

WHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal!

Eric Clapton: o mestre além do bem e do mal


  | Comentários:

O texto representa a opinião do autor, não do Whiplash.Net ou de seus editores.

“Conheci” ERIC CLAPTON em 1991 assistindo às apresentações do então recém lançado “24 Nights”, a série de shows registradas naquele ano no Royal Albert Hall. Havia um certo frisson em torno do guitarrista - um ano antes ele havia se apresentado pela primeira vez no Brasil em vinte e poucos anos de carreira, e toda a mídia esteve voltada para o evento - que teve algumas músicas transmitidas pela Globo em uma época pré - You Tube.

Se eu tentasse descrever aqui o impacto desses eventos em minha vida eu não conseguiria nem começar. CLAPTON foi para mim a descoberta que realmente me fez entender que música é muito mais do que algo que se escuta trancado no quarto. A partir dali, entrei em um caminho sem volta – louco, em meio a toda uma nova perspectiva com relação ao blues e rock n´roll - voltando toda a minha atenção (e grana) para discos, livros e qualquer outra tralha que envolva esse universo.

Me lembro perfeitamente de uma foto que saiu de CLAPTON em um jornal de grande circulação: de paletó e camiseta, barbudo com o cigarro entre as cordas das guitarra. Recortei aquele foto e colei atrás da minha porta: era o meu guia ou qualquer coisa do gênero. Comecei a tocar guitarra e tentei - em vão - copiar seus licks até a exaustão. Passei a vasculhar o passado de CLAPTON em busca de suas influências e me deparei com um mundo bem mais alcoólico, louco e criativo do que o mundinho que eu até então reconhecia.

Primeiramente comprei “Slowhand” em uma loja de departamentos - provavelmente na seção ”Jazz-blues” (é mole?). O primeiro blues que ouvi conscientemente está lá- “Mean Old Frisco”- e a primeira resenha que escrevi na vida foi sobre esse disco. O fato de minha pura inocência não perceber que haviam várias guitarras gravadas no solo de “Cocaine” só serviu para aumentar minha angústia – como ele fazia aquilo?

As coisas começaram a fazer mais sentido quando me deparei com “Disraeli Gears” um tempo depois. Até então não conseguia enxergar além do blues como componente no som de CLAPTON: jazz, funk e rock n´roll estavam tão misturados, tão indistinguíveis que passei a compreender que WES MONTGOMERY e JAMES BROWN eram tão decisivos para aquele som quanto MUDDY WATERS ou ELMORE JAMES. As maravilhosas jams daqueles três caras me abriram a cabeça e criaram um interesse muito mais profundo para o som do LED e HENDRIX - aquela fusão toda agora começava a ter um significado muito mais amplo, e aguçou meus ouvidos para o modelo de construção sonora de caras como SLASH e JOE PERRY.

Ainda havias baladas: antes de “Bell Bottom Blues” ou “Wonderful Tonight” eu simplesmente ignorava qualquer coisa que fosse melódico ou falasse de amor – afinal eu sou da geração da pauleira grunge do começo dos anos 90. Não foi fácil entender que o meu tão amado blues falava das mesmas coisas em tons menos líricos – acordar de manhã, procurar pela mulher que foi embora, tomar uma garrafa de Bourbon e escrever uma letra dolorosa, sofrida.

Como todo egresso dos anos setenta, CLAPTON experimentou de tudo – e de todas, passou por períodos medíocres em termos de criatividade, se separou e perdeu um filho. Nunca foi do time dos mais simpáticos: é fato que o sucesso lhe subiu a cabeça em muitas fases de sua vida. Mas, em várias de suas declarações ele deixa claro que o que o salvou foi sua música, seu amor por tocar guitarra. De todas as lições que aprendi, essa foi a mais importante.

Criado em 1996, Whiplash.Net é o mais completo site sobre Rock e Heavy Metal em português. Em março de 2013 o site teve 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas e 8.590.108 pageviews. Redatores, bandas e promotores podem colaborar pelo link ENVIAR MATERIAL no topo do site.


  | Comentários:

Todas as matérias da seção Opiniões
Todas as matérias sobre "Eric Clapton"

Eric Clapton: parcerias memoráveis do Guitar God
Eric Clapton: os 50 melhores momentos do guitarrista
George Harrison: veja o manuscrito original de Here Comes The Sun
Eric Clapton: em carta emocionada, começa a se despedir dos fãs
Clapton, Beck e Malmsteen: homenagem aos 60 anos da Stratocaster
Ultimate Classic Rock: as dez melhores duplas de guitarristas
Eric Clapton: autobiografia do músico é um "livro de dor"
Stones, Led, Nazareth e outros: rockers que já gravaram Reggae
Blind Faith: o lendário concerto no Hyde Park em Londres, 1969
Eric Clapton: vídeo de jam com os Allman Brothers do novo Blu-ray
Derek and the Dominos: "Layla" é um disco que desperta paixões
Eric Clapton: reedição expandida do "Unplugged" em outubro
JJ Cale: morre autor de clássico gravado por Eric Clapton
Eric Clapton: veja trailer do longa-metragem Crossroads
Eric Clapton: votado como melhor guitarrista pelos fãs de corrida

Os comentários são postados usando scripts do FACEBOOK e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Pense antes de escrever; os outros usuários e colaboradores merecem respeito;
Não seja agressivo, não provoque e não responda provocações com outras provocações;
Seja gentil ao apontar erros e seja útil usando o link de ENVIO DE CORREÇÕES;
Lembre-se de também elogiar quando encontrar bom conteúdo. :-)

Trolls, chatos de qualquer tipo e usuários que quebram estas regras podem ser banidos sem aviso. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n´roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: [email protected]

Mais matérias de Paulo Severo da Costa no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

QUEM SOMOS | ANUNCIAR | ENVIAR MATERIAL | FALE CONOSCO

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em março: 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas, 8.590.108 pageviews.


Principal

Resenhas

Seções e Colunas

Temas

Bandas mais acessadas

NOME
1Iron Maiden
2Guns N' Roses
3Metallica
4Black Sabbath
5Megadeth
6Ozzy Osbourne
7Kiss
8Led Zeppelin
9Slayer
10AC/DC
11Angra
12Sepultura
13Dream Theater
14Judas Priest
15Van Halen

Lista completa de bandas e artistas mais acessados na história do site

Matérias mais lidas