Amon Amarth: Hinos de guerra, canções de amor

Resenha - Jomsviking - Amon Amarth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collector's Room
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Há um problema sério com "Jomsviking", décimo álbum da banda sueca Amon Amarth: a partir do momento em que você decide dar o play em “First Kill”, primeira faixa, é praticamente impossível pausar a audição até chegar em “Back on Northern Shores”, a última do disco.

Amon Amarth e Abbath: extensa tour pela América LatinaMetallica: James dividido sobre uso de suas músicas em torturas

Imagem

Produzido por Andy Sneap, um dos maiores e mais prolíficos produtores do metal contemporâneo, "Jomsviking" é o primeiro álbum conceitual do Amon Amarth e tem como tema a história de um guerreiro apaixonado por uma garota já casada com outro cara. No meio do caminho o personagem principal mata acidentalmente um homem e precisa fugir para longe, mas jura retornar e reconstruir sua vida ao lado de sua paixão. Uma trama que caberia muito bem em um filme meloso da Sessão da Tarde, mas que aqui ganha a leitura e abordagem de uma das mais importantes bandas do death metal melódico atual, e o principal nome do que podemos chamar de metal viking.

Cachoeiras de melodia são despejadas em cada uma das onze faixas, sempre acompanhadas por riffs grudentos, linhas vocais inspiradas e refrãos feitos na medida para serem cantados juntos pela apaixonada e crescente legião de fãs do grupo.

No geral, trata-se de um disco muito homogêneo, com uma sonoridade até certo ponto acessível para quem já amaciou os ouvidos pelos caminhos da música pesada. Vou correr o risco de ser apedrejado e mal entendido, mas vamos lá: o Amon Amarth faz em "Jomsviking" algo meio parecido com o que os seus conterrâneos do Arch Enemy fizeram a partir do momento em adicionarem Angela Gossow ao line-up. Disco a disco, um passo de cada vez, o Arch Enemy foi aprimorando uma fórmula sonora eficiente que conseguiu manter as características intrínsecas do death metal ao mesmo tempo em que inseria elementos que tornavam a sua música mais palatável para uma parcela maior do público. O Amon Amarth segue raciocínio semelhante.

Esse elemento apaziguador é o mesmo: a melodia, responsável por tornar a sonoridade tanto do Amon Amarth quanto do Arch Enemy mais degustáveis de maneira imediata para quem nunca teve contato com o trabalho de ambas as bandas, mas com sutileza suficiente para não afastar os admiradores já conquistados nos anos anteriores. E, convenhamos, conseguir equilibrar esses dois lados da balança é uma tarefa dificílima.

O fato é que "Jomsviking", como dito lá no primeiro parágrafo, é um disco inspirado e contagiante, repletos de hinos de guerra e canções de amor, daqueles que você começa ouvindo no volume 10 e encerra no 40. Uma audição não apenas gostosa, mas capaz de transmitir um entusiasmo genuíno nos corações e mentes de todo fã de heavy metal.

Discos assim são raros. E "Jomsviking" é um deles. Aproveite!

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Jomsviking - Amon Amarth

Amon Amarth: Os Vikings ficariam orgulhosos com esse novo álbum

Amon Amarth e Abbath: extensa tour pela América LatinaTodas as matérias e notícias sobre "Amon Amarth"

Amon Amarth
Banda virá ao Brasil em maio; Abbath abre os shows

Death Metal
As 10 melhores bandas de acordo com a AOL

Metal Hammer
As melhores músicas da história do Death Metal

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 01 de julho de 2016

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Amon Amarth"

Metallica
James dividido sobre uso de músicas em tortura

Jon Bon Jovi
Queiram ou não, ele é o CEO do rock

Angra
Show no Rock In Rio 2011 é "Triste de lembrar"

Lemmy: Bill Ward, Kiko Loureiro, Zakk Wylde e Lita Ford comentam morteDeuses do Rock: o tempo passa para (quase) todos elesSlipknot: Joey Jordison diz que foi demitido por telegrama cantadoIron Maiden: assista crianças tocando "The Trooper"Van Halen: As melhores músicas segundo a Ultimate Classic RockDimmu Borgir: "Não sou fã do Korn, mas respeito-os..."

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online