Mark Knopfler: sonoridade cada vez mais focada no blues

Resenha - Privateering - Mark Knopfler

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Mark Freuder Knopfler completou 63 anos no último 12 de agosto. A banda que o tornou famoso, o Dire Straits, encerrou as atividades há 17, em 1995. Desde então, o vocalista e guitarrista gravou diversos álbuns solos e trilhas para filmes, distanciando-se cada vez mais do som que o consagrou e o tornou conhecido em todo o mundo.
"Sultans of Swing": e se fosse outro guitarrista?Slipknot: "mash-up com Justin Bieber ficou foda", diz Corey

"Privateering" é o sétimo disco solo de Knopfler. O trabalho é duplo e traz generosas vinte faixas. A sonoridade é calcada no folk blues e no country, com a inclusão de instrumentos como sanfona, banjo, violino e órgão, entre outros. Esse direcionamento é até certo ponto surpreendente, visto que a música do trabalho é profundamente inspirada e calcada no universo sonoro norte-americano, e Mark Knopfler, pra quem não sabe, é escocês (ele nasceu em Glasgow). Porém, desde a dissolução do Dire Staits, Knopfler tem caminhado para uma sonoridade cada vez mais focada no blues.

Um ponto que chama a atenção é o quanto a voz de Mark Knopfler adquiriu um timbre mais grave e sombrio nos últimos anos. Em algumas canções, parecemos estar ouvindo faixas de algum disco de Leonard Cohen ou de Bob Dylan. Para efeitos de comparação, para situar o ouvinte, há uma similaridade entre as composições de Privateering e o disco gravado por Bruce Springsteen em homenagem a Pete Seeger, "We Shall Overcome: The Seeger Sessions" (2006). O clima é interiorano, bucólico, com canções contemplativas e meditativas, que trazem um Knopfler avaliando a sua própria vida.

O principal mérito de "Privateering" é agregar elementos da música celta ao blues, fazendo surgir um som diferente e único. Em certos aspectos um trabalho que aproxima-se de um esforço arqueológico, as vinte composições de "Privateering" revelam um Mark Knopfler muito mais completo e profundo do que o que conhecemos através do pop do Dire Straits. Esse contraste, essa diferença, entre universos sonoros tão díspares pode fazer com que os ouvintes casuais do Dire Straits não curtam ou não entendam "Privateering", julgando-o, apressada e equivocadamente, como “monótono” e “caipira”. Azar deles, pois estarão deixando de curtir um dos discos mais interessantes dos últimos anos.

Um bluesman escocês apaixonado por country: essa é a nova cara de Mark Knopfler, e "Privateering" traduz de maneira certeira o atual momento do músico. Surpreendente, em todos os (bons) sentidos.

Faixas:

CD 1
Redbud Tree
Haul Away
Don’t Forget Your Hat
Privateering
Miss You Blues
Corned Beef City
Go, Love
Hot or What
Yon Two Crows
Seattle

CD 2
Kingdom of Gold
Got to Have Something
Radio City Serenade
I Used to Could
Gator Blood
Bluebird
Dream of the Drowned Submariner
Blood and Water
Today is Okay
After the Beanstalk

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

"Sultans of Swing"
E se fosse outro guitarrista?

Dire Straits: O que significa o nome da banda?Todas as matérias e notícias sobre "Dire Straits"

Rock Hall Of Fame
25 bandas que ainda precisam ser nomeadas

Kiss Fm
As 500 mais pedidas na programação em 2008

Mega-hits Manjados
10 clássicos que se tornaram clichês

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 17 de setembro de 2012

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Mark Knopfler"Todas as matérias sobre "Dire Straits"

Slipknot
"Mash-up com Justin Bieber ficou foda", diz Corey

Megadeth
"Magia negra arruinou minha vida", diz Mustaine

Steve Perry
Cinco fatos curiosos sobre o ex-vocal do Journey

Dave Mustaine x Metallica: entenda a complicada relaçãoCradle of Filth: Chimbinha, do Calypso, usando camiseta?Fora do Armário: Ex-membros do Death se assumem como gaysEm 28/08/1993: Bruce Dickinson faz sua última apresentação com o Iron MaidenMarilyn Manson: ex-tecladista chateado porque cantor não morreu em janeiroOzzy Osbourne: "Eu não me lembro de nada dos anos 90"

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online