Capital Inicial: intenção de algo musicalmente diferente

Resenha - Das Kapital - Capital Inicial

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Paulo Finatto Jr.
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Com o acidente de Dinho Ouro Preto – em outubro de 2009 –, o futuro do CAPITAL INICIAL parecida incerto. O cantor, que caiu de uma altura de três metros durante um show, precisou ficar internado por mais de um mês para se recuperar de um traumatismo craniano e de uma fratura na costela. No entanto, a banda surpreendeu a todos e entrou em estúdio em novembro de 2009, para iniciar as gravações do disco “Das Kapital”, que chegou às lojas no último mês de junho, via SONY/BMG.
Dinho: roqueiro pode ser escroto e pagodeiro um grande sujeitoSlayer: fãs hardcore dão (literalmente) o sangue pela banda

Depois de vinte anos com a assinatura de Marcelo Sussekind, o CAPITAL INICIAL escolheu um novo produtor para “Das Kapital”: David Corcos (MARCELO D2 e PLANET HEMP) foi encarregado de encontrar uma nova sonoridade para a banda. O fraco desempenho de “Eu Nunca Disse Adeus” (2007) motivou a troca – assim como a intenção de criar um álbum musicalmente diferente – com influências do pop/rock britânico e com um menor sentido comercial. Embora seja evidente a intenção de agradar os fãs e as rádios do Brasil, a maioria das faixas de “Das Kapital” não perdeu a essência e a consistência rock n’ roll – praticamente subjugada em discos anteriores.

De maneira bastante inovadora, Dinho Ouro Preto (vocal) acompanhou os ensaios e os primeiros registros em estúdio do CAPITAL INICIAL via Skype, enquanto permanecia internado, em recuperação. O cantor – que não se distanciou da construção de “Das Kapital” um momento sequer – colaborou com Yves Passarel (guitarra), Flávio Lemos (baixo) e Fê Lemos (bateria) diretamente do hospital. O resultado de toda essa dedicação e comprometimento é um disco genuinamente coeso – com faixas diretas e dotadas do espírito rock n’ roll – em exatos trinta e cinco minutos de duração.

Embora “Das Kapital” não reproduza nenhuma referência mais agressiva, sobretudo que remeta à sonoridade do primeiro álbum da banda, o disco conta com uma série de composições interessantes. Entre elas, “Ressurreição” é possivelmente a melhor. Nessa faixa, o CAPITAL INICIAL conseguiu aliar rock n’ roll básico e melodias mais cadenciadas e diversificadas, sem abrir mão de um refrão extremamente bem elaborado e convincente. Com um andamento mais simples, “Depois da Meia Noite” – o primeiro hit de “Das Kapital” – possui qualidades, apesar do formato evidentemente radiofônico.

“Como Se Sente” – outro grande momento do disco – mostra nitidamente a nova perspectiva musical do CAPITAL INICIAL. Com uma sonoridade menos intensa, o quarteto brasiliense apresenta um instrumental essencialmente mais bem elaborado se comparado com o álbum “Atrás dos Olhos” (1998), que marcou o retorno às atividades da banda após um recesso de poucos anos. Claramente, a nova fórmula capitaneada por David Corcos trouxe um novo fôlego para a música do CAPITAL INICIAL, bastante desgastada desde o CD “Acústico MTV” (2000). Até mesmo as indefectíveis baladas, como “Eu Quero ser Como Você” (muito boa), “Não Sei Porquê” e “Vivendo e Aprendendo” (a mais parecida com os sucessos anteriores do grupo) ganharam uma nova cara na mão do produtor.

“Das Kapital” – uma referência direta ao livro “O Capital”, de Karl Marx – ainda traz outros destaques. “Melhor”, talvez a faixa mais acelerada e pesada do material, conta com um arranjo interessante de teclado e influências notáveis do punk rock. “Vamos Comemorar”, por outro lado, é uma balada que evidencia, pela primeira vez, a face mais emotiva da voz de Dinho Ouro Preto – vive um invejável grande momento. Embora tenha uma intenção mais comercial, essa música deverá agradar até mesmo os fãs mais adeptos ao rock n’ roll do quarteto brasiliense.

De certo modo, o CAPITAL INICIAL encontrou a sua ressurreição – como a música que abre o material indica (?!) – em “Das Kapital”. A banda, que esteve muito próxima de encerrar a sua trajetória dentro do rock brasileiro, certamente encontrou um novo caminho, distante da simplificação e da falta de inspiração do álbum anterior. O CAPITAL INICIAL mostra que o rock n’ roll está mais vivo do que nunca.

Track-list:
01. Ressurreição
02. Depois da Meia Noite
03. Como Se Sente
04. Eu Quero ser Como Você
05. A Menina que Não Tem Nada
06. Não Sei Porquê
07. Melhor
08. Vamos Comemorar
09. Eu Sei quem Eu Sou
10. Marte em Capricórnio
11. Vivendo e Aprendendo

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Capital Inicial
O roqueiro pode ser um escroto e o pagodeiro um grande sujeito

Todas as matérias e notícias sobre "Capital Inicial"

Dinho Ouro Preto
Parar de fumar foi pior que parar com cocaína

Cinco contra um?
Roqueiros comentam como a revista Playboy os marcou

Batanga
Seis roqueiros que fizeram do rock nacional uma decepção

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Capital Inicial"

Slayer
Fãs hardcore dão (literalmente) o sangue pela banda

Metallica
Dave Grohl responde sobre carta aberta à banda

Teoria da conspiração
Teria The Rev do A7X cometido suicídio?

Separados no nascimento: sou só eu, ou eles são parecidos?Iron Maiden: curiosidades sobre o "The Number Of The Beast"Justin Bieber: "Baby" em versões Hard, Metal e ExtremoGuns N' Roses: uma versão de Sweet Child O' Mine encharcada do espírito de New OrleansLars Ulrich: revelando ser o maior e melhor fã do mundoDJ Ashba: "não me vejo voltando ao Guns N' Roses nunca mais"

Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre Paulo Finatto Jr.

Mais matérias de Paulo Finatto Jr. no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online