RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemO grande amor de Renato Russo que durou pouco mas marcou sua vida para sempre

imagemThiago Bianchi explica sucessão de problemas durante show de Paul Di'Anno

imagemMustaine tentou fazer hit radiofônico e acabou escrevendo a "música mais idiota" do Megadeth

imagemO clássico da banda Evanescence que a vocalista Amy Lee odiava

imagemOs 4 fatores determinantes que levaram Renato Russo a dependência química

imagemA opinião de Paul McCartney sobre a música dos Sex Pistols

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemOs 10 maiores vocalistas de heavy metal de todos os tempos, em lista do Ruthless Metal

imagemA opinião de Slash sobre Dave Mustaine e "Rust In Peace", clássico do Megadeth

imagemIron Maiden, RATM e Soundgarden são indicados ao Rock And Roll Hall Of Fame

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger

imagemO dia que João Gordo xingou Ayrton Senna por piloto se recusar a dar entrevista a ele

imagemPara John Lennon, os Beatles poderiam ter acontecido sem George e Ringo

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemMike Portnoy escolhe os álbuns preferidos de sua adolescência


Stamp

Resenha - Ira! e Golpe de Estado (Carioca Club, São Paulo, 08/12/2019)

Por Daniel Abreu
Postado em 11 de dezembro de 2019

Com mais de 35 anos de estrada, o Ira! continua sendo uma das bandas mais legais que surgiram nos anos oitenta e seguem na ativa. Com onze discos de estúdio no currículo, a banda paulista coleciona sucessos e fãs por todo o país. Com um hiato de cerca de sete anos, a banda voltou em 2014 apenas com Nasi e Edgard Scandurra da formação que solidificou o grupo entre os principais do Brasil. No último domingo os caras fizeram seu penúltimo show do ano, o último na capital paulista, no Carioca Club com abertura da banda Golpe de Estado.

Por volta das 19 horas e 30 minutos, a banda Golpe de Estado subiu ao palco do Carioca com boa parte da casa já cheia. Com uma apresentação de uma hora, o grupo liderado pelo baixista Nelson Brito estava encerrando a turnê de divulgação do CD e DVD de 30 anos do quarteto. Influenciados por bandas como Led Zeppelin, Black Sabbath e Judas Priest, o Golpe fez uma apresentação direta, honesta e muito pesada. Com João Luiz nos vocais, Marcelo Schevano na guitarra e Robby Pontes na bateria, além, claro, de Brito no baixo, os caras encerraram o show com "Noite de Balada", música do segundo disco, Forçando a Barra de 1988. Ótimo show de abertura!

Com o fim da apresentação do Golpe, o público aproveitou para ir até banheiro e para o bar para pegar mais uma cerveja gelada. Antes dos relógios atingirem 21 horas, Marcos Valadão, mais conhecido por todos como Nasi, subiu ao palco com uma linda camiseta do The Clash. Em seguida, veio Edgard Scandurra empunhando uma guitarra Rickenbacker, na qual lembra muito a que Pete Townshend usava no The Who durante os anos sessenta.

Dentro da casa a expectativa era alta para a apresentação do Ira!. Por se tratar da última performance do quarteto na cidade de São Paulo nesse ano, obviamente que os fãs aguardavam um ótimo show. E a banda correspondeu. A apresentação começou com o riff clássico de "Longe de Tudo", do disco de estreia dos caras, Mudança de Comportamento, que ano que vem completa 35 anos de lançamento. Em seguida eles mandaram "Flerte Fatal" e uma das canções mais icônicas da história do grupo, "Dias de Luta", com o público cantando em coro, "só depois de muito tempo comecei a refletir, nos meus dias de paz, nos meus dias de luta".

O show seguiu por mais uma hora e meia. Edgard e companhia cantaram provavelmente todos os hits do grupo. Era visível que músicas como "Tarde Vazia" e "Eu Quero Sempre Mais", imortalizadas no acústico MTV de 2004, eram as mais celebradas, além do hino "Envelheço na Cidade". Porém talvez a que mais se identifique com o momento atual brasileiro seja "Núcleo Base". Quando Nasi canta "eu quero lutar, mas não com essa farda", uma referência clara ao regime militar, já que a música foi escrita nos anos oitenta, é impossível não se lembrar do atual nacionalismo extremo que corre por várias ruas brasileiras. Ainda rolaram algumas pérolas menos conhecidas, como "Rubro Zorro", do subestimado Psicoacústica de 1989, e homenagens para James Brown ("I Got You [I Feel Goo])" e Jimi Hendrix ("Foxy Lady").

Fechando a apresentação, quando o relógio já apontava para às 22 horas e 30 minutos, Edgard mandou mais um riff icônico, porém esse não foi ele que escreveu. "My Generation" dos mods do The Who, encerrou mais um grande show da principal banda mod do Brasil.

Nos últimos anos a banda passou seu tempo na estrada divulgando o ao vivo Ira! Folk, com as músicas do grupo em formato voz e violão apenas. A iniciativa é legal, deu certo e passou por todo o país com shows lotados. Porém o Ira! elétrico é algo único na música. A conexão de Nasi com Edgard, vocalista e guitarrista, está sem sombra de dúvidas entre as mais icônicas da história do rock nacional. Com quase 60 anos, Nasi continua com aquela voz rouca, com aquele toque de blues que emociona, além de ser um grande frontman, o nosso Roger Daltrey tupiniquim. Edgard, o nosso Pete Townshend dos trópicos, continua a tocar guitarra de forma magistral. O cara consegue mandar Hendrix e Johnny Ramone com a mesma genialidade. A banda que acompanha eles atualmente, Evaristo Pádua na bateria e Johnny Boy no baixo, também é de alto nível, executando as partes que foram originalmente gravadas por André Jung e Ricardo Gaspa de forma perfeita.

Apesar de não lançarem um disco de inéditas desde 2007, portanto há quase 13 anos, a banda prometeu que no começo do ano que vem os fãs podem ficar tranquilos, vem álbum novo do Ira! por aí, e com certeza mais shows do grupo em São Paulo e, claro, pelo Brasil todo. 2020, vai demorar para chegar?

[an error occurred while processing this directive]

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps



Edgard Scandurra: "Os cinco guitarristas que mais me influenciaram" (vídeo)

Rock Brasil: 10 discos clássicos lançados em 1985

Nasi: "Chorão foi o maior roqueiro de sua geração"


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Daniel Abreu

Jornalista formado pela Universidade Paulista (UNIP). Apaixonado por cultura desde moleque, começou a escrever sobre música na internet em 2014. Anos depois fundou o Literatura do Rock no Instagram, Facebook e Youtube, tratando apenas de livros sobre rock. Em 2019 fundou o Geleia Mecânica com a proposta de falar sobre cinema, arte e, principalmente, música da melhor qualidade. Atualmente, trabalha com levantamento de dados na Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. Também é redator do Whiplash.Net, o maior site de rock e heavy metal do Brasil.
Mais matérias de Daniel Abreu.