Matérias Mais Lidas

Supertramp: A bizarra coincidência entre o 11 de setembro e o álbum de 1979 da bandaSupertramp
A bizarra coincidência entre o 11 de setembro e o álbum de 1979 da banda

Jimmy Page: quando o guitarrista arregou para Pepeu Gomes em canja no BrasilJimmy Page
Quando o guitarrista arregou para Pepeu Gomes em canja no Brasil

Cannibal Corpse: vocalista não entende interesse dos internautas por seu largo pescoçoCannibal Corpse
Vocalista não entende interesse dos internautas por seu largo pescoço

Lista: 20 músicas de bandas de rock e metal que valem por um álbum inteiro - Parte 3Lista
20 músicas de bandas de rock e metal que valem por um álbum inteiro - Parte 3

Inesquecíveis: 20 músicas que marcaram os anos 1990- Parte 1Inesquecíveis
20 músicas que marcaram os anos 1990- Parte 1

Joey Ramone: veja como Globo, SBT e Record noticiaram morte dele há 20 anosJoey Ramone
Veja como Globo, SBT e Record noticiaram morte dele há 20 anos

Pitty: cantora publica foto nua na internet e bate recorde de curtidasPitty
Cantora publica foto nua na internet e bate recorde de curtidas

Morrissey: Cantor detona Os Simpsons, após ser retratado como racistaMorrissey
Cantor detona Os Simpsons, após ser retratado como racista

Guns N' Roses: ex-guitarrista está trabalhando com cantora pop Debbie GibsonGuns N' Roses
Ex-guitarrista está trabalhando com cantora pop Debbie Gibson

Alice Cooper: a luta do cantor e da esposa contra a COVID-19Alice Cooper
A luta do cantor e da esposa contra a COVID-19

Iron Maiden: por que Jimmy Page recuou e não tocou com eles no Rock in Rio 2001Iron Maiden
Por que Jimmy Page recuou e não tocou com eles no Rock in Rio 2001

Metallica: 10 músicas menos conhecidas que todos precisam ouvir, segundo a Kerrang!Metallica
10 músicas menos conhecidas que todos precisam ouvir, segundo a Kerrang!

Jimmy Page: pediam toca Raul ao desleixado Jimmy Lama, morando na BahiaJimmy Page
Pediam "toca Raul" ao desleixado Jimmy Lama, morando na Bahia

Black Sabbath: da magia negra até o pó brancoBlack Sabbath
Da magia negra até o pó branco

Yngwie Malmsteen: Mark Boals diz que gostaria de desouvir os vocais deleYngwie Malmsteen
Mark Boals diz que gostaria de "desouvir" os vocais dele


Stamp

Viper Day: Uma celebração do clássico "Evolution"

Resenha - Viper Day (Manifesto Bar, São Paulo, 08/04/2017)

Por Eduardo Simoes Neto
Em 13/04/17

O Viper tem uma "mania" que realmente deveria ser imitada por outras bandas: uma vez por ano comemoram o aniversário do seu primeiro show, nesse caso no dia 08 de abril, em função de um show nos anos 80 no Lira Paulistana nesta data. Embora a banda suba no palco e toque dois set lists, não se trata de um show, mas de uma festa na qual a formação da banda muda praticamente a cada música. E tema desta festa neste ano foi comemorar os 25 anos do grande disco Evolution.

É claro que é impossível reunir todos que já passaram quase 35 anos de banda. André Matos, por exemplo, não pode comparecer por estar fora do país. Yves Passarell estava em outra cidade, tocando com o Capital Inicial. Mesmo assim foram mais de 20 músicos celebrando a obra. A abertura ficou a cargo da banda Skyscraper. Abriram com a excelente Happier Than I Am, com um refrão que fez todo o manifesto cantar junto (você pode conferir essa música abaixo). Seguiram tocando músicas próprias e um excelente cover para A Little Time do Helloween.

O Skyscraper foi excelente escolha em função da sua qualidade e forte influência do Viper. O guitarrista Marcos Nazareth chegou a comentar no microfone que uma das músicas da banda era uma tentativa de criar algo tão genial como a música Crime do Viper. Recomendo que procurem a banda!

Após o Skyscraper chegou a hora do Viper.

Como introdução, foi projetado no telão da casa o depoimento de fãs e músicos, comentando sobre a sua admiração pela banda e contando histórias ligadas ao disco Evolution. Um depoimento chamou a atenção: Julia Hardy comentou às lágrimas que o pai, que a proibia de ouvir heavy metal, quebrou o seu vinil do Evolution, impedindo que ela ouvisse a sua música preferida: The Spreading Soul. Como o seu aniversário era naquela semana, ela iria comemorar ouvindo aquele CD ao vivo.

Após o vídeo o radialista Beto Peninha entra no palco e apresentou a banda. Comentou que tocou a primeira demo da banda no rádio nos anos 80 e que muitos ouvintes ligaram perguntando se realmente era uma banda brasileira. Sim... Era uma banda brasileira e de meninos de 14 a 18 anos! Mas o talento já estava lá.

A banda entra no palco com Coming From The Inside, que abre o Evolution, com o que seria a primeira de muitas formações do dia: Leandro Caçoilo (voz), Felipe Machado e Hugo Mariutti (guitarra), Rob Gutierrez (baixo) e Guilherme Martin (bateria). Havia um clima realmente amistoso no local. Os músicos estavam se divertindo e realmente gostam de tocar juntos. Tudo sem vaidade ou formalismo. Pit Passarell, que só deveria entrar no palco na segunda música entra no palco começa a fazer backings na música.

Na sequência tocaram Dance of Madness, Evolution e The Shelter, todas do Evolution, com Pit dividindo os vocais com Leandro. O baterista Renato Graccia, que gravou o Evolution, assumiu as baquetas para executarem Dead Light, que como muitas do CD, teve ampla execução na MTV na época. Interessante ver o clipe da música no telão e reparar como todos mudaram.

Todos sabem que Pit Passarell é um dos melhores compositores do Brasil, que escreveu a maioria das músicas do Viper e hits de várias outras bandas, como por exemplo, Capital Inicial (O Mundo, Depois da Meia Noite e várias outras). Pit é um gênio que sabe como poucos compor canções em vários estilos diferentes! Mas a dobradinha The Shelter, composta por Felipe Machado e Dead Light, composta por Yves Passarell, hoje no Capital Inicial, lembrou que Pit não era o único bom compositor da banda.

Os próximos convidados foram Sergio Facci, baterista do Vodu e Nando Machado, do Toyshop e Exhort. Tendo gravado o CD Theatre of Fate, foi natural que Facci tocasse uma música desse disco, e a escolhida foi To Live Again, que contou com uma performance inspirada de Leandro Caiçolo. O vocalista tem uma agressividade natural na voz, que em alguns momentos lembra Savatage, mas nessa música ele soou como uma mistura de André Matos com Bruce Dickinson, dois monstros. Uma interpretação realmente marcante (clique no vídeo abaixo e adiante para 2min).

A próxima música, The Spreading Soul seria originalmente cantada pelo Pit, mas ele chamou duas convidadas ao palco. A primeira, Natacha Cersosimo, competente vocalista do Toyshop e já cantou essa música em outros shows do Viper. A sua voz combina com a música e acaba trazendo um novo clima, afinal, o Viper teve vários vocalistas, mas em nenhum dos seus CDs há uma voz feminina. A segunda convidada foi a aniversariante da semana, Julia Hardy, que no vídeo de abertura comentou que teve o seu vinil do Evolution quebrado. Visivelmente emocionada, ela pode ouvir a sua música preferida no palco e ainda cantar algumas estrofes com a banda.

Fechando o primeiro bloco o Viper homenageou os primórdios do metal nacional, bandas que os influenciaram. Rubens Góia, da Chave do Sol, executou com Felipe, Rob e Guilherme a música Luz, da sua antiga banda. Na sequência tocaram o clássico Um Minuto Além, também da Chave do Sol, dessa vez com uma poderosa interpretação de André Góis do Vodu. Impressionante como a bela canção continua com uma letra atual mesmo 35 anos após a sua primeira execução.

Ainda com Góis no vocal Felipe Machado chamou o baterista Paulão (Kamboja e ex-Centurias) para tocar Portas Negras, gravado pelo Centurias em um dos primeiros discos de heavy metal do Brasil: SP Metal Vol I, lançado pela Baratos & Afins em 1984.

Leandro, Pit, Felipe, Hugo, Rob e Guilherme fecharam o primeiro bloco com o clássico absoluto Rebel Maniac, com seu refrão que levantou o Manifesto. Nessa música o guitarrista Valdério, do Toyshop, invadiu o palco para contribuir com backings.

No intervalo era comum ouvir pessoas comentando como a banda estava afiada e como o clima estava bom. Foi uma festa na qual todos se divertiam, dentro e fora do palco, sem vaidade e sem competição. Uma celebração do disco Evolution, do Viper e de tantas outras bandas que fizeram história no rock brasileiro.

No segundo bloco a banda executou mais Knights of Destrution, A Cry From the Edge, Nightmares, Wings of the Evil, Coma Rage, 8 de Abril, Prelude to Oblivion, We Will Rock You, Living For The Night, The Number of the Beast e HR.

Para quem não sabe, o Pit Passarell possui um CD solo que ainda não foi lançado, "Pit Passarell and the Lucratives", e tive o prazer de ser convidado pelo músico para gravar as guitarras desse CD. Você pode conferir algumas das músicas desse CD no Youtube, a última com solo de Yves Passarell:

Em função de ter sido um dos Lucratives tive a honra de ser convidado para subir no palco e tocar Nightmares com a banda. Fui anunciado como ex-guitarrista do Chakal, banda com quem gravei alguns Cds nos anos 90. O guitarrista Marcos Klein, virtuose que hoje toca no Ultraje a Rigor, também tocaria nessa música, mas não pode comparecer por problemas familiares.

Um ponto interessante foi a interpretação do Pit Passarell na música 8 de abril, deixando a impressão de que a letra realmente tem algum sentido especial para ele. Além de ter no título, obviamente, uma menção ao surgimento da banda.

O cover de The Number of The Beast não estava originalmente no set list, mas antes da música HR alguém falou em tom de brincadeira que seria tocada um clássico dos anos 80. Hugo Mariutti começou a tocar riffs de músicas como Seek and Destroy e, ao tocar o rifff inicial de The Number of The Beast Leandro começou a cantar e, de improviso, a música foi tocada com o carismático Pit Passarell invadindo o palco para andar como se fosse o Eddie. Espere o inesperado...

Nesse momento ficou claro como o Hugo foi uma boa escolha. Com fisionomia tranquila e visivelmente se divertindo, ele reproduz com competência e precisão as linhas de guitarra do antecessor, Yves Passarell. Isso é sempre importante em uma banda de heavy metal, na qual os fãs conhecem não apenas as letras, mas também os solos. Quem não conhece com detalhes a carreira do músico procure a versão do Shaman para Painkiller, na qual ele reproduz com facilidade as duas guitarras da música.

Fechando a noite HR com Valdério do excelente Toyshop e que gravou o CD All My Life do Viper, assumindo as baquetas.

Depois do show os músicos atenderam o público. Hugo era informalmente entrevistado respondendo sobre os próximos passos do seu trabalho com o André Matos, Felipe autografava o seu CD solo, FM, Guilherme autografava o CD do Toyshop, Pit tirava fotos com os fãs e todos autografavam vinis e CDs do Viper.

Uma grande festa comemorando os 25 anos do Excelente Evolution! Que venham mais comemorações!

Texto: Eduardo Paulista Simões
Fotos: Dener Ariani

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

💬 Ler e postar comentários