U2: Grandes acertos e pequenos erros em estréia de nova turnê

Resenha - U2 (Vancouver, Canadá, 14/05/2015)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Guilherme Silva
Enviar correções  |  Ver Acessos

A "i+e Tour" finalmente fez sua grande estreia em solo canadense. Um show completamente reformulado para os padrões atuais, tanto tecnicamente, musicalmente e visualmente, impressionou os fãs que estiveram na Rogers Arena (até os mais "durões"), e os que acompanharam via stream de fãs (muito obrigado!).

Elvis Presley: De que ele morreu?MTV: experts indicam as maiores bandas de Heavy Metal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Um show pensado tanto para os fãs da "inocência" quanto para os novos fãs. Teatral, o mais conceitual desde a ZooTV. O telão não é apenas telão. É ponte, palco, cortina, Cedarwood Road.

Impossível não falar dele. Seu tamanho até de certo modo "atrapalha" quem quer ver a banda (quem já foi em show, sabe que é fácil se distrair com aquelas telas laterais, imagina um que vai de ponta a ponta da arena?!). Tirando o fato da distração, sua qualidade de vídeo é impecável, criando com realidade cenários que interagem com a banda.

Algo que chamou atenção também (e uma ótima coisa) foi a altura do palco. O publico do U2 nunca esteve tão próximo da banda, principalmente em seu palco "A". As luzes que formam o I-e são extremamente vivas e cada parte acende nas horas certas, em perfeito sincronismo com o conceito que o show esta seguindo. O caminho para a experiencia não existem sem vivermos a inocência... o bom do palco ser baixo também foi pelo fato de no fim do show o Edge se emocionar, e enquanto tocava o fim de I Still caiu no fim da passarela.

A "Inocência" começa com a "tal luz" que relembra os primeiros ensaios da banda em Dublin. Um pequeno grande detalhe, bem sentimental. Passa por Iris, passeia por Cedarwood, sente em Sunday, explode em Raised e acaba com Until the End.

E a "Experiencia"? Bem, não tinha jeito melhor de retrata-la. A transição ocorre com um vídeo de uns 5 minutos, para então começar a grandiosa e profunda Invisible, com a sequencia "futurista" que Adam comentou recentemente. Dentro do Telão, a banda ainda performa parte de Even Better, em versão parecida com a da 360ºTour, até que na segunda parte da música, finalmente encontram o "e" para tocar clássicos novos (como Every Breaking Wave, antigos (como Desire) e Bono finalmente voltar a tocar piano em Sweetest Thing, que inclusive contou com um momento bem ZooTv, em que Bono chamou uma garota da plateia para filma-los no palco.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O ápice dessa parte do show, com certeza é a volta de Bullet, e a inédita em turnês, The Hands That Build America (que não é apenas um trecho). O tema da canção nesta nova "roupagem" é o dinheiro, poder, desejo e descontrole. Unica "critica" construtiva para esse set é colocar Pride depois da novíssima (e bela) The Troubles, assim, encerra de forma mais concreta o conceito. O novo discurso de "orgulho" que Bono adotou agora é sobre o apoio ao casamento de pessoas de mesmo sexo, algo que ele vinha se mantendo neutro há anos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Para o fim do show, a escolha das músicas não obteve a química necessária, apesar das canções serem hinos. Juntas, uma acabou ofuscando a outra. Isso é algo que com certeza vai mudar muito no decorrer da viagem mundial que a banda fará esse ano. O ponto mais negativo mesmo foi o U2 ter ignorado totalmente o #U2Request, em que Acrobat foi a música MAIS PEDIDA PELOS FAS para ser tocada na turnê. Quem sabe nos próximos....

Nota para o show: 8,0

Apesar das "falhas", não podemos esquecer que foi só o primeiro de muitos (mais de 70 só esse ano). As 2 partes principais do show correspondem além das expectativas, tanto pela produção quanto para a banda. Não há como negar: Essa será a melhor.

Set 1:

The Miracle (Of Joey Ramone)
Out of Control
Vertigo
I Will Follow
Iris (Hold Me Close)
Cedarwood Road
Song for Someone
Sunday Bloody Sunday
Raised By Wolves
Until The End Of The World

Set 2:

Invisible
Even Better Than the Real Thing
Mysterious Ways
Desire
Sweetest Thing
Every Breaking Wave
Bullet the Blue Sky
The Hands that Build America
Pride (In the Name of Love)
The Troubles
With or Without You

Encore

City of Blinding Lights
Beautiful Day
Where the Streets Have no Name
I Still Haven't Found What I'm Looking For

Texto escrito por 'Mateus Flores' do site U2Wolves.com




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "U2"


U2: perante 100 mil, banda dedica música para Chris CornellU2
Perante 100 mil, banda dedica música para Chris Cornell

Ozzy: Sharon se sentiu terrível após levar lição de moral do U2Ozzy
Sharon se sentiu terrível após levar lição de moral do U2


Elvis Presley: De que ele morreu?Elvis Presley
De que ele morreu?

MTV: experts indicam as maiores bandas de Heavy MetalMTV
Experts indicam as maiores bandas de Heavy Metal


Sobre Guilherme Silva

Membro do site U2Wolves. Apaixonado por Oasis, Muse, Pink Floyd, U2 e etc. Música é vida!

Mais matérias de Guilherme Silva no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280