Matérias Mais Lidas

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemStjepan Juras retruca comentário de Regis Tadeu sobre reencontro de Di'Anno e Harris

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemFãs protestam contra Claustrofobia após banda fazer versão de música do Pantera

imagemComo era a problemática relação do Angra no "Aurora Consurgens", segundo produtor

imagemA banda de forró que uniu Nenhum de Nós, Legião, Titãs e Paralamas na mesma música

imagemZakk Wylde relembra ídolo: "tão relevante quanto Bach, Beethoven e Mozart"

imagemMorre Andy Fletcher, tecladista e membro fundador da banda Depeche Mode

imagemBlind Guardian divulga vídeo oficial de "Blood Of The Elves"; veja aqui

imagemGene Simmons diz que Trump fomentou racismo e teorias da conspiração

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?

imagemAC/DC: Angus Young recorda como fazia para ouvir rock em seus tempos de garoto

imagemA apaixonada opinião de Elton John sobre "Nothing Else Matters", clássico do Metallica

imagemEncontro entre Paul Di'Anno e Steve Harris resultou em "algo que será discutido"


Gogol Bordello: A immigraniada fazendo a confusão em São Paulo

Resenha - Gogol Bordello (HSBC Brasil, São Paulo, 25/09/2013)

Por Diego Camara
Em 26/09/13

Gostem ou não gostem, o Rock in Rio sempre traz suas surpresas e novidades. O festival que consegue ser o mais amado e odiado dos fãs do rock, sempre traz algumas bandas que nos divertem, marcam presença e conquistam espaço e o orgulho do público brasileiro. Após as belas resenhas publicadas pela internet sobre o show do GOGOL BORDELLO, coube um desafio a quem nunca ouviu a banda: saber o que é esse tal de gypsy punk que eles tocam e porque eles saíram como destaques no Rock in Rio.

Fotos: Fernando Yokota

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O show começou britanicamente as 22h00min, um horário bastante tarde para um show no meio de semana. O público não era dos maiores, especialmente nas áreas mais nobres do HSBC Brasil: a pista premium mesmo chegava num ponto de estar até meio "deserta", o que é uma tristeza e empurrou a maioria dos fãs da banda – os mais animados, diga-se de passagem – para a parte de trás do HSBC. Não foi legal, não foi bom, mas foi o que parece que sobrou com essa enxurrada de shows que assolaram o bolso do público este mês.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A plateia era bonita: mulheres, homens, jovens, velhos, um misto que é difícil de ver em shows. A diversidade do público ficaria ainda mais a cara da banda quando eles entraram no palco depois de "Intro", pois o que se via ali eram os mais diversos credos e raças unidos em prol da boa música. O público já mostrava grande animo, e se agarravam nas grades gritando pela banda a cada integrante que entrava no palco.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

As primeiras músicas foram extremamente animadas. O palco era uma grande bagunça, com os integrantes indo de um lado para o outro enquanto faziam as mais diversas performances. Divertido, alegre e cheio de melodia era o show da banda, especialmente em músicas como "We Rise Again" e "Wonderlust King", cantado em plenos pulmões pelos fãs presentes.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Era quase um show de rua, uma trupe daquelas que se apresentam pelas praças da cidade. A confusão era a cara do punk, com a melodia cigana, o uso dos instrumentos inusitados para o rock, uma melodia folk que nos remonta mesmo as caravanas e ao clima da vida na estrada.

Ao invés das rodas de bate cabeça, o show parecia ter rodas de dança. E com uma música como "The Other Side of Rainbow" isso era bem claro, o público dançou, a banda dançou, tinha até alguns funcionários dançando – eu mesmo vi um segurança soltando alguns passos divertidos ali na entrada da pista.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A variação do som também era outro ponto interessante. Da calmaria de um show acústico, só com o violão e o vocal, a banda então tinha a cara de trazer guitarras e baixo para tocar um som com a cara do punk rock. Em outros momentos o som partia para o lado folk, os instrumentos tradicionais abriam espaço para o acordeão, o violino e os tambores. O instrumento vivo no show inteiro foi a bateria, e com uma pancada fantástica em músicas como "My Companjera" e um dos pontos mais divertidos do show com "Dig Deep Enought" e "Immigraniada".

"Amamos o Brasil, viemos aqui comemorar a imigração!", gritou o vocalista Eugene Hütz, recebendo palmas do público. A conexão da banda com o público foi algo fantástico e surpreendente.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Outro destaque do show foi a música "Sally", com um ânimo fantástico da plateia e uma resposta mais que positiva do palco. As vezes o show chega ao patamar de ser tão punk que parecia que uma roda poderia se abrir em qualquer momento na plateia, coisa que infelizmente (e obviamente) não ocorreu. O fim do set principal veio com "Sacred Darling", mais melódica que as anteriores serviu para finalizar o show com uma bela apresentação de toda a banda feita por Eugene.

A saída do palco foi rápida, porém efetiva, e a plateia gritou durante todo o tempo o nome da banda. Não demorou sequer dois minutos e os integrantes voltaram um a um ao palco tocando "Lost Innocent World", que começa extremamente calma e domina o público com as pancadas rápidas em seu ápice. A plateia aplaude novamente, já meio cansada, mas com ainda bastante ânimo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O bastante pra ainda dançar insanamente em "Think Locally, Fuck Globally". Cantam junto o refrão, dançam conforme a música e as palmas sincronizam com o som da banda, difícil não se espantar com o show que, no final, parecia mais uma grande festa de amigos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Muito obrigado a todos e esperamos ver vocês novamente!", disse Eugene, antes de finalizar o show com a balada "Alcohol" e "Baro Foro", que finalizou genialmente o show com uma bela onda de violino e som cigano.

Gogol Bordello é:
Eugene Hütz – Vocal, Violão, Percussão
Sergey Ryabstsev – Violino, Segunda Voz
Elizabeth Sun – Percussão Segunda Voz, Dança
Thomas "Tommy T" Gobena – Baixo, Segunda Voz
Pedro Erazo – Percussão , Segunda Voz
Oliver Charloes – Bateria
Michael Ward – Guitarra, Segunda Voz
Pasha Newmer – Acordeão, Segunda Voz

Setlist:
1. Intro
2. We Rise Again
3. Not a Crime
4. Wonderlust King
5. The Other Side of Rainbow
6. My Gypsy Auto Pilot
7. My Companjera
8. Dig Deep Enough
9. Immigraniada
10. Break the Spell
11. Sun Is on My Side
12. Pala Tute
13. Malandrino
14. Start Wearing Purple
15. Sally
16. Sacred Darling

17. Lost Innocent World
18. Think Locally, Fuck Globally
19. Alcohol
20. Baro Foro

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre

Mais matérias de Diego Camara.