Symphony X: grande espetáculo e técnica extremamente apurada

Resenha - Symphony X (Carioca Club, São Paulo, 12/04/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Diego Camara
Enviar correções  |  Ver Acessos

Um grande espetáculo e uma técnica extremamente apurada. Foi o que os fãs do Symphony X puderam ver nesta última sexta-feira no Carioca Club em São Paulo. Com as perfeitas orquestrações já conhecidas dos fãs e uma vontade apurada nas belas guitarras, Russell Allen comandou o show e mostrou novamente porque é um dos melhores vocalistas da cena atual do metal.

Freedom of Expression: o tema do Globo RepórterDeuses do Rock: o tempo passa para (quase) todos eles

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Entraram no palco no horário exato, nem um minuto a mais, nem um a menos, regados ao som da bela introdução de "Iconoclast", um dos vários sucessos de seu novo álbum de mesmo nome. A plateia estava bastante animada, e acompanhou firmemente o vocalista durante a primeira sequencia musical do álbum "Iconoclast", quando tocaram ainda "The End of Innocence" e "Dehumanized".

O Carioca Club estava novamente bastante lotado, um público grande na pista se apoiava sobre a grade de proteção do palco, até com bastante espanto dada a sequencia interminável de shows que São Paulo andou recebendo neste início de abril. A banda mostra assim que tem um grande número de fãs fieis que preferiram o Symphony X ao invés da grande concorrência.

E não seria por menos, pois já no início dava as caras do que aconteceria durante todo o show, conforme haviam prometido anteriormente: uma série do novíssimo álbum e os grandes sucessos dos anteriores.

Foi assim cumprindo esta promessa que lançaram dois dos grandes sucessos da banda: "Sea of Lies" e "Evolution (The Grand Design)". Ambas foram recebidas com grande animação, o refrão cantado exaustivamente pelo público e uma apresentação impecável nas guitarras de Michael Romeo.

Após as músicas, Russell Allen agradece a presença de todos os fãs. Diz ele que gostam do que fazem, e que são uma banda de sucesso há tanto tempo especialmente por causa dos fãs. Diz que os brasileiros são dos melhores fãs, parece realmente estar bastante emocionado com a disposição inicial da plateia. Ainda adicionou que não se recusariam a voltar ao Brasil, apesar dos problemas com o baterista Jason Rullo.

Abre então a música seguinte, "When All Is Lost", com um momento intimista junto ao público, apenas acompanhado pelo tecladista. A plateia fica calada, apenas apreciando o som da voz de Russell Allen ecoar pelo Carioca Club, em um dos momentos mais lindos da noite, que foi finalizado com um belo solo de guitarra de Michael Romeo.

Outro ponto alto do show foi "Smoke and Mirrors". A orquestração se escondeu vagarosamente por um som alto e pesado que animou o público. Allen apresentou o guitarrista Michael Romeo, que completou a música com um belíssimo solo de guitarra. A plateia não ficou de fora e cantou junto o refrão.

No bis, Russel Allen e companhia retornaram bem rápido - pareciam com pressa - e trouxeram uma pequena sequencia das músicas do grande álbum "Paradise Lost". A primeira foi "Eve of Seduction", onde Allen comandou o público mais uma vez. Seguiram ela "Serpent's Kiss" e "Set the World on Fire (The Lie of Lies)", igualmente perfeitamente tocadas. Na primeira, Allen apresentou o baterista John Macaluso, que substitui durante a turnê Jason Rullo. Com os holofotes sobre ele, fez um ótimo solo de bateria, que arrancou aplausos e chifres da plateia.

Sobre as luzes, foi sem dúvida o ponto fraco do show. Uma apresentação de grande técnica dos membros do Symphony X muitas vezes não pode ser vista pela iluminação que toda a hora retornava para a face dos espectadores. Os holofotes, inclusive, pareciam mal posicionados - ou eram os membros da banda? - que muitas vezes prejudicavam mais a visão do que iluminavam os músicos.

O repertório foi muito bem trabalhado e escolhido a dedo pela banda, cumprindo o prometido em entrevistas anteriores à turnê. Claro que, dada a grande quantidade de sucessos e o pequeno tempo para tocar a todos, muitos acabaram sendo deixados de lado, porém em um show como o do Symphony X é muito difícil reclamar quando todas as músicas são tão bem executadas.

Setlist:
1. Iconoclast
2. The End of Innocence
3. Dehumanized
4. Sea of Lies
5. Evolution (The Grand Design)
6. Children of a Faceless God
7. When All Is Lost
8. Inferno (Unleash the Fire)
9. Smoke and Mirrors
10. Of Sins and Shadows

Bis:
11. Eve of Seduction
12. Serpent's Kiss
13. Set the World on Fire (The Lie of Lies)

Foto da chamada: Igor Soares




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Symphony X"


Prog Metal: os 10 discos essenciais segundo o TeamRockProg Metal
Os 10 discos essenciais segundo o TeamRock

Metal Progressivo: os dez melhores álbuns do estiloMetal Progressivo
Os dez melhores álbuns do estilo


Freedom of Expression: o tema do Globo RepórterFreedom of Expression
O tema do Globo Repórter

Deuses do Rock: o tempo passa para (quase) todos elesDeuses do Rock
O tempo passa para (quase) todos eles


Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.

adGoo336