Hangar 110: noite memorável para fãs do Metal Oitentista

Resenha - Nervosa, Hellsakura, Artillery e Exumer (Hangar 110, São Paulo, 02/06/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Fuganti
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O sábado 02/06/2012 foi nostálgico para os Thashers Paulistas que lotaram o Hangar 110, afinal duas lendas oitentistas do Thrash Metal iriam tocar juntas na capital.

Nervosa: Fernanda se emociona ao falar de escalação para Wacken 2020Rhythm: os bateristas mais influentes de todos os tempos


Da Dinamarca, O ARTILLERY, banda que dispensa apresentações, tendo participado do desenvolvimento do estilo, desde sua fundação, em 1982. Após ter terminado duas vezes, retornarm em 2007 e estão até agora na ativa, gravando e fazendo turnês.


Já o EXUMER, se não figurou como uma das principais bandas alemãs de Thrash dos anos 80, com certeza tem um dos principais discos do estilo, o seminal "Possessed by Fire". A banda tocou no Brasil num show antológico em 1988, no Ginásio da Portuguesa, e encerrou as atividades no ano seguinte, tendo retornado só em 2009.


Pontualmente às 19h30 o trio feminino NERVOSA entrou em cena, mostrando um ótimo Trash Metal com bastante influência da velha guarda. Em 30 minutos, Fernanda Lira (Vocal/Baixo), Prika Amaral (Guitarra) e Fernanda Terra (Bateria) despejaram no ouvido dos bangers músicas como "Invisible Opression", "Just Be Done", "Urânio em Nós" e a já conhecida por conta do vídeo clipe, "Masked Betrayer". É inegável que o trio merece todo o reconhecimento que vem conquistando, pois é no palco que vemos o quão boa uma banda é, e nesse quesito, as meninas estão de parabéns.


A próxima banda foi a HELLSAKURA, banda da ex OKOTO Cherry Sickbeat. Entraram no palco usando máscaras cirúrgicas e já de cara mandaram "Mel pros ouvidos". A banda faz uma interessante mistura de Hard Core, Punk e Metal, e tem em sua frontwoman uma figura única, pois além de ter uma presença de palco arrebatadora, ainda toca guitarra e é responsável por todos os solos.


Tocaram músicas principalmente do disco "Bloody To Water", de 2011, como "Distorted Mirror", "Bombs Away", Quem é Você? e "My Motorhead". Mesmo sendo de esilo um pouco diferente do tradicional Trash Metal do restante das bandas, o HELLSAKURA foi muito bem recebido por todos os presentes. A banda é formada ainda por Napalm (Baixo), Pitchu Ferraz (Bateria) e com o guitarrista Marco Donida (Matanza e Enterro).


Era chegada a hora da primeira das lendas da noite. Por volta de 21h00, o ARTILLERY fez a casa vir abaixo com a música "When Death Comes", do último disco de estúdio dos caras, de mesmo nome.


O "novato" vocalista Søren Adamsen, além de ter um vocal muito potente, exbanjou simpatia durante todo o show, demonstrando satisfação de tocar para o público brasileiro. O mesmo pode ser dito do restante da banda, que mesmo mesmo tendo a muito passado dos 40, agitavam como adolescentes. "By inheritance", clássico do disco de mesmo nome, de 1990 deu continuação.


Com o público ganho e berrando pelo nome da banda, Søren Adamsen anuncia "Death is an illusion", seguida por "Into the universe", com direito a paradinha pro público berrar o refrão. Os guitarristas Michael e Morten Stütze intercalam solos e bases de modo impecável, sendo devidamente "escoltados" pelo baixista "Peter Thorslund". Já o baterista Carsten Nielsen, a exemplo do vocal, deu um show de humildade, sempre levantando da bateria pra tirar fotos da galera, sem falar no seu visual, estava com um boné meio virado, no melhor estilo Sérgio Malandro.


"Mi Sangre (The Blood Song)" e "The Challenge" foram as próximas. Antes da música "10.000 Devils" Søren Adamsen puxa ao palco um menino, dizendo que ali estava o futuro do Heavy Metal, sendo é claro muito aplaudido por todos.


Pra fechar, o ARTILLERY detonou 3 clássicos: "Khomaniac", "Terror Squad" e "The Almighty", encerrando um show intenso de 1 hora de duração. Podem ter demorado 30 anos pra pisar aqui, mas a certeza agora é que depois deste show se depender deles, voltarão muito mais vezes.

E após 24 anos sem dar as caras por aqui, era hora do EXUMER! Ao som de "Ave Satani" de Jerry Goldsmith, trilha sonora do filme A Profecia, a banda entrou no palco causando uma catarse coletiva no público que ansiou anos pra rever a banda. "Winds Of Death", do disco "Rising from the Sea" foi a primeira de uma série de legítamas pauladas Thrash Metal Made in Germany!

O vocalista Mem V. Stein entrou no palco com "sangue nos olhos", pois é dono de uma perfomance no mínimo demoníaca! E do famigerado "Possesed by Fire" veio "A Journey to Oblivion", seguida por "The Weakest Limb", música que faz parte do último disco dos Alemães, "Fire & Damnation". O guitarrista Ray Mensh - que ao lado de Mem V. Stein fez parte da formação clássica da banda -, agitava sem parar, alternando entre riffs e solos matadores. "Fallen Saint", "Vermin of the Sky" (essas duas também do último disco) deram continuidade ao massacre. "Agora nós vamos levá-los de volta ao álbum Possessed by Fire. Quando esse disco saiu, saiu em vinil.

Eu odeio CDs, e eu sei que Old Schol Thrashers gostam é de vinil! É a primeira música, do lado B". Com essas palavras, Stein introduziu mais um clássico: "Sorrows of the Judgement".

Além dos dois membros já citados, completam a banda o Estadunidense T. Schiavo no baixo, o guitarrista H.K. e o baterista Matthias Kassner, sendo que os três entraram na reformulação do grupo, em 2009.

"A Mortal in Black" e a também nova "A New Morality" foram as próximas. A galera se comportou de forma insana durante toda a apresentação, berrando o nome da banda ou na roda de mosh que persistiu durante quase todo o show. A próxima música, "I Dare You" teve a performance filmada para o primeiro vídeo clipe da banda, que sabiamente escolheu o Brasil para tal feito. O show seguiu para o final com "Destructive Solution", "Xiron Darkstar" e "Fire and Damnation". A famosa intro que precede o maior clássico dos Alemães começou a tocar nos PA's do Hangar.

É claro que todos sabiam que era hora de "Possessed by Fire" - música homônima do disco mais conhecido da banda -, e o que se viu foi um verdadeiro pandemônio na pista, com a galera acabando com as últimas reservas de enregia que porventura ainda tinham.

Sem dúvida foi uma noite memorável para todos os fãs do velho e bom Metal Oitentista que compareceram em peso ao Hangar 110.

Setlist Nervosa
Time of Death
Invisible Oppression
Justive be Done
Uranio em Nós
Morbid Courage
Marked Betrayer

Setlist HellSakura
Mel pros Ouvidos
Leave my Skull
Distorted Mirror
Bombs Away
Crow of Fire
Very Dark Sunday
Hate
Death Rock
Quem é Você?
My Motorhead (Give me your blood)

Setlist Artillery
When Death Comes
By Inheritance
Death is an Illusion
Into the Universe
Mi Sangre (The Blood Song)
The Challenge
10.000 Devils
Khomaniac
Terror Squad
The Almighty

Setlist Exumer
Winds of Death
A Journey to Oblivion
The Weakest Limb
Fallen Saint
Vermin of the Sky
Sorrows of the Judgement
A Mortal in Black
A New Morality
I Dare You
Destructive Solution
Xiron Darkstar
Fire and Damnation
Possessed by Fire

Créditos das fotos: Pierre Cortes




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Nervosa"Todas as matérias sobre "Hellsakura"Todas as matérias sobre "Artillery"Todas as matérias sobre "Exumer"


Nervosa: Fernanda Lira se emociona ao falar de escalação para Wacken 2020Nervosa
Fernanda Lira se emociona ao falar de escalação para Wacken 2020

Nervosa: banda é atração do Wacken 2020

Nervosa: ouça Freakshow, a nova música da banda brasileiraNervosa
Ouça "Freakshow", a nova música da banda brasileira

Metal SP: documentário sobre Heavy Metal em São PauloMetal SP
Documentário sobre Heavy Metal em São Paulo

Metal Calcinha: onze bandas lideradas por mulheresMetal Calcinha
Onze bandas lideradas por mulheres

Galeria - Musas do rock/metal nacional (Blog Sutil Como Uma Granada)Galeria - Musas do rock/metal nacional (Blog Sutil Como Uma Granada)
Galeria - Musas do rock/metal nacional (Blog Sutil Como Uma Granada)


Rhythm: os bateristas mais influentes de todos os temposRhythm
Os bateristas mais influentes de todos os tempos

Separados no nascimento: James Hetfield e o Leão ValenteSeparados no nascimento
James Hetfield e o Leão Valente

Playback.FM: saiba qual a música mais tocada nas rádios no dia que você nasceuPlayback.FM
Saiba qual a música mais tocada nas rádios no dia que você nasceu

Top 5 Metallica: About.com elege os cinco melhores álbunsQueen: as 10 melhores músicas da banda segundo a UCRGuns N' Roses: qual a música que Axl Rose mais gosta de cantar ao vivoOrtografia: como deveriam realmente se chamar as bandas?

Sobre Thiago Fuganti

Catarinense, mas vive atualmente em São Paulo 'Chaos City'. Começou no metal com Iron Maiden, que até hoje acha a melhor banda do mundo, porém descobriu o lado extremo (black, death, doom) e não parou mais. Hoje em dia ouve muitos estilos, desde música clássica a death metal - passando pelas clássicas bandas de metal -, mas a ênfase mesmo fica com o Black Metal.

Mais matérias de Thiago Fuganti no Whiplash.Net.