Opeth: Deixando muita gente boquiaberta em São Paulo

Resenha - Opeth (Carioca Club, São Paulo, 01/04/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Julio Feriato
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Ao longo dos anos a banda sueca OPETH construiu uma carreira sólida na cena musical devido aos seus trabalhos sempre cheios de ousadia e experimentalismo, com nitidas influências de rock progressivo e setentista munido ao poder do death/doom metal (pelo menos nos primeiros álbuns). A obra mais recente chama-se 'Heritage' (2011) e torceu o nariz de uma parcela de fãs mais radicais, mas para a grande maioria dos que seguem esse grandioso grupo, 'Heritage' é mais uma obra fenomenal feita por músicos competentes que não se restringem à um estilo específico. E três anos após uma apresentação memorável que eles fizeram em São Paulo, a banda retorna à terra da garoa para mais um espetáculo que deixou muita gente boquiaberta. Mas no meu caso, foi boquiaberto de sono mesmo.

5000 acessosMudanças: bandas que não soam mais como em seus primeiros discos5000 acessosSlipknot: Qual é o significado e a tradução do nome da banda?

Por Julio Feriato
Fotos: Irisbel Mello

Ao chegar no local, já deu para perceber que o público seria grande devida aglomeração de pessoas em frente ao Carioca, e realmente foi. O lugar simplesmente ficou lotado de bangers, inclusive os camarotes (que geralmente ficam vazios). Para aquecer os fãs sedentos, um dvd ao vivo do AT THE GATES rolou no telão e por incrível que pareça, a maioria não conhecia a banda, que é uma das mais importantes da cena sueca, tendo influenciado várias bandas como In Flames e Dark Tranquility!

O inicio do espetáculo estava marcado para começar às 20h, porém houve um pequeno atraso de vinte minutos a pedido dos próprios músicos, que alegaram estar exaustos do show de Buenos Aires que ocorrera na noite anterior, e da viagem.

Finalmente o quinteto entra no palco ovacionado pela plateia, que estava impaciente com a demora e iniciam com "The Devil's Orchard", excelente música de 'Heritage', cantada em uníssomo pelo público e a emendam com "I Feel the Dark", também do novo álbum, música que tem um videoclipe maravilhoso feito com animação totalmente viajante, que lembra algo do Pink Floyd.

Finalmente o vocalista, guitarrista e lider Mikael Åkerfeldt, vestido com uma linda camiseta do SARCÓFAGO, cumprimenta a plateia com sua voz grave, arranca risos ao lembrar das goteiras que caiam em sua cabeça da outra vez que o Opeth tocou em São Paulo e anuncia "Face of Melinda". A partir daí, já deu para perceber que o set list seria todo baseado nas músicas mais cadenciadas e voltado aos trabalhos mais recentes. Tudo bem que essas canções funcionam em estúdio ou em algum show acústico, mas ao vivo e plugado a coisa é bem diferente. Impossível não notar o contraste daqueles que estavam assistindo em pé na pista, pois enquanto alguns cantavam todas as músicas de cor e salteado, outros estavam com nitida expressão de tédio.

Para animar, Åkerfeldt anuncia mais uma do novo álbum, a agitada "Slither", que ele disse ter composto influenciado pelo RAINBOW, sendo Ronnie James Dio um de seus vocalistas favoritos. Em seguida veio "Windowpane", seguida da maravilhosa "Burden" (uma das melhores composições do Opeth, em minha opinião).

Confesso que a partir daí a empolgação do incio começou a enfraquecer. Tocaram mais duas do 'Heritage', "The Lines in My Hand" e "Folklore", só que por mais legal que seja esse trabalho, suas músicas ao vivo são cansativas e confesso ter piscado meus olhos de sono em vários momentos. Tudo bem querer apresentar sua fase atual, mas já que é apenas a segunda visita da banda ao Brasil, custava incluir no set músicas de álbuns clássicos como Orchid (1995), Morningrise (1996) e My Arms, Your Hearse (1998)? Afinal de contas essa tríade influenciou inúmeras bandas de Doom/Death Metal do mundo todo!

A coisa melhorou quando tocaram "Heir Apparent" (Watershed, 2008) e "The Grand Conjuration" (Ghost Reveries, 1995), fechando com a essencial "The Drapery Falls", do aclamado 'Blackwater Park' (2001).

Após uma breve pausa, os integrantes do OPETH retornam ao palco para a parte final do espetáculo, e executam "Deliverance", bela música titulo do álbum homônimo de 2002 e encerram sua apresentação em São Paulo.

Com certeza muita gente amou o show do Opeth, pois numa coisa temos que dar o braço a torcer: todos são músicos de gabarito (algo que eu nem precisava dizer...) e tocam bem demais! Particularmente fiquei impressionado com a técnica do baterista Martin Axenrot (também integrante do BLOODBATH e do WITCHERY) e com o baixo marcante de Martín Méndez, cozinha mais do que perfeita e de muita presença. Mas o grande destaque é mesmo Mikael Åkerfeldt, figura carimbada e respeitada da cena metalica europeia, que mostrou calma e simpatia o tempo todo e brincou várias vezes com o público.

Conforme já foi dito, o único porém foi a escolha do set list que se concentrou nos álbuns atuais e nas músicas mais "viajantes", o que de certa forma fez com que show ficasse chato e cansativo ao longo do tempo. Junte isso ao fato das músicas ter duração em torno de 8 a 10 minutos, é soneira na certa para quem não está acostumado a essa vibe. Mas com certeza foi um grande espetáculo para a maioria dos fãs que compareceram.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Opeth (Carioca Club, São Paulo, 01/04/2012)

4155 acessosOpeth: Performance de alto nível no Carioca Club de SP

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MudançasMudanças
10 bandas que não soam mais como em seus primeiros discos

152 acessosEm 28/05/2008: Opeth lança o álbum Watershed0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Opeth"

Heavy MetalHeavy Metal
Dez grandes acústicas de bandas do gênero

Ultimate GuitarUltimate Guitar
As 21 músicas mais épicas de todos os tempos

LoudwireLoudwire
Site escolhe as 50 músicas do Metal do século XXI

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Opeth"

SlipknotSlipknot
Qual é o significado e a tradução do nome da banda?

Hard RockHard Rock
As 100 maiores bandas do estilo segundo a VH1

AC/DCAC/DC
Setlist, fotos e vídeos do show arrasador com Axl Rose

5000 acessosA História do Burzum5000 acessosGuns N' Roses: Algumas curiosidades sobre o vocalista Axl Rose5000 acessosGuns N' Roses: Axl Rose expulsa pessoa do show em Curitiba5000 acessosDetonator: Mais compartilhado que o funk ostentação de MC Gui5000 acessosManowar: "Nunca fui fã e não gosto do Kiss" - diz Eric Adams5000 acessosReligiões: as guerras santas abordadas em letras de Heavy Metal

Sobre Julio Feriato

Julio Feriato cursou a faculdade de Letras, mas seu objetivo sempre foi ser um jornalista especializado em música. Para suprir tal anseio, editou o fanzine Shadows em 1995; e em 2004, foi um dos principais colaboradores do extinto site gaúcho Metal Attack. Atualmente, é produtor e apresentador do Heavy Nation, programa especializado em Heavy Metal transmitido semanalmente pela Rádio UOL.

Mais matérias de Julio Feriato no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online