Resenha - Creedence Clearwater Revisited (Pepsi on Stage, Porto Alegre, 15/03/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Paulo Finatto Jr.
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

A retomada da carreira do CREEDENCE CLEARWATER REVIVAL pelo CREEDENCE CLEARWATER REVISTED é uma das ideias mais bem sucedidas do universo rock n' roll. A dupla Stu Cook (baixo) e Doug Clifford (bateria) se reuniu em 1995 para executar os principais clássicos da banda que ajudou a escrever a história do gênero e assim reacenderam um antigo sentimento. O que eles não imaginavam é que o sucesso seria arrebatador. O grupo permanece em turnê até hoje e o território brasileiro é sempre parada obrigatória para os norte-americanos que - exatamente dezesseis meses após a sua última passagem por Porto Alegre - retornou a capital gaúcha para mais um show. Não há sequer uma pessoa que tenha deixado o Pepsi on Stage insatisfeita.

Creedence Clearwater Revival: cover da cidade de Santo Angelo grava medleyAC/DC: isso sim é uma bela estrada para o inferno

Fotos: Liny Rocks (http://www.flickr.com/linyrocks)

Com dez minutos de atraso, os dois integrantes originais do CREEDENCE CLEARWATER REVIVAL, Stu Cook (baixo) e Doug Clifford (bateria), juntamente com John Tristao (vocal e guitarra), Steve Gunner (teclado) e o novato Kurt Griffey (guitarra), subiram ao palco do Pepsi on Stage às 21h40 para iniciar o set-list de aproximadamente 1h30. O local recebia um público consistente que ainda formava uma imensa fila do lado de fora da casa minutos antes do início do espetáculo. A variedade de idade entre os presentes, que ocupavam praticamente toda a pista e também os setores superiores da casa, mostrava como a música da banda que criou o magnífico álbum "Green River" (1969) transcende o tempo e ainda impressiona diferentes plateias. A abertura do show não poderia ter sido uma escolha melhor: "Born on the Bayou" animou o público que entrou imediatamente em sintonia com Stu Cook & Cia.

Não há como assistir um show do CREEDENCE CLEARWATER REVISTED e não ficar impressionado com a voz de John Tristao - que além de possuir uma postura verdadeiramente carismática - lembra incrivelmente o timbre do ex-líder JOHN FOGERTY. O quinteto não poupou os seus principais hits e as famosas "Green River" e "Lodi" vieram na sequência. No entanto, a animada faixa "Commotion" deixou nítido que o som do Pepsi on Stage poderia estar melhor ajustado. Infelizmente a resposta da plateia não foi à altura da música - também retirada do clássico "Green River" (1969) - porque faltou peso às guitarras aqui pouco vibrantes da dupla Tristao e Griffey. Entretanto, a balada "Who'll Stop the Rain" retomou o melhor aspecto da performance do CREEDENCE CLEARWATER REVISTED. O público cantou junto e se envolveu de maneira completa com o quinteto.

Embora o show proporcionado pelo conjunto norte-americano não conte com nenhuma surpresa substancial para os fãs mais antigos do CREEDENCE CLEARWATER REVIVAL, sobretudo por conta do set-list que pouco é alterado de turnê para turnê, a performance da banda é realmente impecável sobre o palco. O guitarrista Kurt Griffey substitui Tal Morris de maneira extremamente eficaz e pode mostrar todo o seu talento em solos propositalmente estendidos em "Suzie Q" e "Hey Tonight". O show transcorria sem imprevistos e o CREEDENCE CLEARWATER REVISTED felizmente passava o southern rock a limpo sem cometer nenhum deslize. O porta-voz do grupo - claro que o baixista Stu Cook - dedicou a faixa seguinte às mulheres presentes no Pepsi on Stage. A cadenciada "Longe As I Can See the Light" pode ser apontada como um momento ímpar do espetáculo por todo o feeling que deixou transparecer em pouco menos de quatro minutos de música. Na sequência, o público voltou a agitar em "Down on the Corner" e na tipicamente western/country "Lookin' Out My Back Door".

Os presentes até arriscavam uma ou outra dancinha ao som das músicas mais animadas do repertório. Porém, o aspecto mais denso do CREEDENCE CLEARWATER REVIVAL pode ser resumido com maestria em apenas uma faixa: a imbatível "I Heard It Through the Grapevine". Com mais de dez minutos, a música traduz outro grande momento do espetáculo, que contou com o suporte das palmas da plateia e o delírio dos mais fanáticos. Por mais que o espetáculo parecia finalizado por conta de todos os clássicos que foram executados praticamente em sequência, Stu Cook & Cia. ainda guardavam músicas imponentes para o show que ainda estava longe do fim. A animada "Midnight Special" foi anunciada como o "verdadeiro som do sul" e mostrou o quanto John Tristao é realmente o frontman perfeito para a banda. "Bad Moon Rising" também pode ser apontada como uma das favoritas do público gaúcho que cantou igualmente do início ao fim. Os hinos "Proud Mary" e "Fortunate Son" foram muitíssimo ovacionados pela plateia e encerraram a primeira parte do show.

Na volta para o bis, o CREEDENCE CLEARWATER REVISTED executou aquele que é a música mais famosa do grupo: "Have You Ever Seen the Rain?". A resposta do público gaúcho foi óbvia e excepcional. Embora Stu Cook e Doug Clifford já tenham ultrapassado a marca dos sessenta e cinco anos de idade, a banda ainda encontrou fôlego para executar o imprescindível e certeiro rock n' roll "Travelin' Band" antes de mais uma pequena pausa. O retorno para o derradeiro bis contou com uma pequena surpresa: Cook usava a camiseta do Futebol Clube Santa Cruz - equipe gaúcha em que atua o atacante Creedence Clearwater. A "homenagem recíproca" desconsertou positivamente os presentes que ainda acompanharam a banda durante "Molina" antes do ótimo final com "Up Around the Bend". O CREEDENCE CLEARWATER REVISTED deixou o Pepsi on Stage com a certeza do dever cumprido.

Por mais que as turnês de Stu Cook & Cia. repitam o mesmo cerimonial e o mesmo set-list a cada ano e a cada show no Brasil, a oportunidade de se assistir ao vivo o CREEDENCE CLEARWATER REVISTED precisa ser compreendida como única. Os dois músicos que ajudaram a escrever a história do rock n' roll - acompanhados por outros três integrantes de competência musical claríssima - comandam uma viagem inesquecível ao passado do gênero de raízes sulistas. Embora muitos sintam a falta dos irmãos Fogerty ao lado de Cook e de Clifford, não há como não se emocionar com os maiores sucessos do CREEDENCE CLEARWATER REVIVAL regidos atualmente pela voz do carismático John Tristao. Não há dúvidas de que muitos dos que compareceram ao Pepsi on Stage já aguardam o próximo retorno da banda ao Brasil.

Set-list:

01. Born on the Bayou
02. Green River
03. Lodi
04. Commotion
05. Who'll Stop the Rain
06. Suzie Q
07. Hey Tonight
08. Long As I Can See the Light
09. Down on the Corner
10. Lookin' Out My Back Door
11. I Heard It Through the Grapevine
12. Midnight Special
13. Bad Moon Rising
14. Proud Mary
15. Fortunate Son
16. Have You Ever Seen the Rain?
17. Travelin' Band
18. Molina
19. Up Around the Bend




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Creedence Clearwater Revival"


Creedence Clearwater Revival: cover da cidade de Santo Angelo grava medley

Alto Falante: Creedence Clearwater Revival no Woodstock, 50 anos atrásAlto Falante
Creedence Clearwater Revival no Woodstock, 50 anos atrás

Creedence Clearwater Revisited: Doctor Pheabes fará abertura de show em São PauloCreedence Clearwater Revisited: retorno ao Brasil com turnê

Creedence Revisited: turnê de despedida passa pelo Brasil, diz jornalCreedence Revisited
Turnê de despedida passa pelo Brasil, diz jornal

Creedence Clearwater Revival: o estrelato obtido em 1969Creedence Clearwater Revival
O estrelato obtido em 1969

Mais capas de álbuns: a história do rock no Google Street ViewMais capas de álbuns
A história do rock no Google Street View

Creedence Clearwater Revival: baixista rouba o show em coverCreedence Clearwater Revival
Baixista rouba o show em cover


AC/DC: isso sim é uma bela estrada para o infernoAC/DC
Isso sim é uma bela estrada para o inferno

Black Sabbath: um Tony Iommi que você não conheciaBlack Sabbath
Um Tony Iommi que você não conhecia

James Hetfield: Você não iria gostar de mim se soubesse minha históriaJames Hetfield
"Você não iria gostar de mim se soubesse minha história"

Curiosidade: artistas que odeiam suas próprias músicasHall Of Fame: 500 Músicas Que Marcaram o Rock and RollRaimundos: Ivete Sangalo canta e toca bateria em DVD7lista: sete músicas que mostram como o rock pode ser brega

Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre Paulo Finatto Jr.

Mais matérias de Paulo Finatto Jr. no Whiplash.Net.