Mötley Crüe: um show sem efeitos mas impecável em SP

Resenha - Mötley Crüe (Credicard Hall, São Paulo, 17/05/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Rodrigo The Rock
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Só tenho a dizer que foi uma noite histórica e felizmente eu estava lá para celebrar esse momento único! Depois de 30 anos de estrada da banda, e no meu caso, 20 anos de espera, finalmente tinha chegado a hora de ver o Mötley Crüe ao vivo. Pra uma banda que nunca fez sucesso no Brasil e que viveu seu auge em 1990, foi surpreendente ver o público formado em sua maioria por trintões e quarentões que quase lotaram o Credicard Hall, em São Paulo e certamente também esperaram duas décadas pra conferir os caras ao vivo.

600 acessosMötley Crüe: edição de 30 anos de Girls Girls Girls5000 acessosMetallica: o melhor clipe da década de 2000 segundo MTV grega

Com a formação clássica, composta por Vince Neil (vocal), Nikki Sixx (baixo), Mick Mars (guitarra) e Tommy Lee (bateria), o Crüe fez a alegria dos fãs em pouco menos de uma hora e meia. Sem as famosas explosões, lasers e demais pirotécnias, a banda não inventou e fez um show sem improvisos mas impecável. Com um som de qualidade e um setlist recheado de clássicos, escolhido a dedo para agradar aos fãs que viam a banda pela primeira vez, o Crüe subiu ao palco às 23:05h, entrando de sola com Wild Side, primeira faixa do album Girls, Girls, Girls, lançado em 1987, e causando histeria nos presentes. Saints of Los Angeles, única música do album mais recente, veio na sequência, e pela ótima recepção dos fãs, mostrou que já nasceu um clássico. Em seguida, quase que emendadas, Live Wire, clássico do album de estréia, e Shout at the Devil. Ambas cantadas em uníssono pelos fãs.

"Eu quero ouvi-los!!! Nós somos o Mötley Crüe. Vocês estão prontos para esta merda, hoje?", perguntou o vocalista Vince Neil antes de atacar com Same O' Situation. A banda toda estava visivelmente empolgada. Vince Neil, apesar de não ser um dos vocalistas mais técnicos, ainda é um grande frontman, e domina toda a extensão do palco com maestria. Nikki Sixx, baixista e principal compositor do grupo, se movimenta bastante e por diversas vezes faz contato com os fãs, se agachando e estendendo o braço para apertar suas mãos. Vale destacar o pedestal personalizado do microfone de Nikki Sixx que além de um design diferente ainda tem uma espécie de mola que o faz ficar balançando constantemente.

O lendário baterista Tommy Lee (aquele mesmo do polêmico vídeo pornô caseiro com a eterna salva-vidas de SOS Malibu, Pamela Anderson) também parecia muito feliz. Depois de tocarem Primal Scream, Tommy veio sozinho à frente do palco com uma garrafa de bebida e perguntou: "Quem quer uma dose?". Ovação. Depois entregou a garrafa para um fã e completou: "Beba e passe para trás. Acho que tem o suficiente para todos aqui, afinal eu comprei a garrafa grande".

Brincadeiras a parte, Tommy não esqueceu do típico discurso rasga-seda: "Finalmente chegamos, São Paulo, 'mother fucking' Brasil. Cara, nem acredito que estamos aqui. Só um minuto para eu olhar os rostos de vocês. Isso é incrível. Não sei por que demoramos tanto para vir para cá.", Em seguida, Tommy voltou a seu posto pra tocar a introdução de Home Sweet Home, em um teclado posicionado ao lado da bateria.

Mick Mars parece ser o único que destoa dos seus companheiros, talvez por conta da escoliose que há décadas prejudica seus movimentos pela dor na coluna. Com um chapéu preto afundado na cabeça, o guitarrista se move pouco e em diversos momentos chegou a se apoiar no cenário de fundo.

Os sucessos se sucederam com Don´t Go Away Mad (Just Go Away), Dr. Feelgood, Too Young to Fall in Love, Ten Seconds For Love, substituida pela Too fast for Love que havia sido executada no show do Chile e Smokin' in the Boys Room. Depois do playback do ronco dos motores das motocicletas Harley-Davidson, a indefectível Girls, Girls, Girls, um dos pontos altos do show, seguida de Kickstart My Heart que fechou a parte principal da apresentação.

No bis, Looks that Kill, encerrando o show. Aliás, aqui cabe um momento curioso e divertido. Vince perdeu o tempo pra entrar e esperou o segundo compasso. No entanto, na sequência, foi a vez do guitarrista Mick Mars antecipar as notas do refrão, fazendo com que Vince Neil abrisse os braços e um sorriso depois de se atrapalhar na letra. Nada que o público tenha se importado. O Mötley Crüe marcou todos os pontos possíveis em sua primeira passagem pelo Brasil. Fim de festa. Fãs em êxtase.

Set-list Mötley Crüe:

Wild Side
Saints of Los Angeles
Live Wire
Shout at the Devil
Same Old Situation
Primal Scream
Home Sweet Home
Don't Go Away Mad (Just Go Away)
Guitar Solo
Dr. Feelgood
Too Young to Fall in Love
Ten Seconds For Love
Smokin' In The Boys Room
Girls, Girls, Girls
Kickstart My Heart

Encore:
Looks That Kill

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Mötley Crüe (Credicard Hall, São Paulo, 17/05/2011)

1938 acessosMötley Crüe: Nikki Sixx & Cia invadem o Brasil3768 acessosMötley Crüe: show mostra grandeza da banda no Brasil5000 acessosMötley Crüe: banda arma uma verdadeira festa glam em SP

VocalistasVocalistas
Seis cantores cuja voz degringolou com o tempo

600 acessosMötley Crüe: edição de 30 anos de Girls Girls Girls462 acessosMötley Crüe: "Girls, Girls, Girls" será relançado0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Motley Crue"

Sixx & McKaganSixx & McKagan
Nada podia deter o Guns N' Roses nos primórdios

TwitterTwitter
Contas que todo fã de rock deveria seguir

Nikki SixxNikki Sixx
Scott morreu no "meu ônibus e estava dormindo na mesma cama que eu"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Motley Crue"

MetallicaMetallica
Melhor clipe dos anos 2000 segundo MTV grega

KissKiss
As melhores e as piores capas de álbuns da banda

PanPan
Patinador brasileiro ganha ouro com trilha dos Beatles

5000 acessosMegadeth: Dave Mustaine não está feliz com os improvisos de Kiko Loureiro?5000 acessosDave Mustaine: com bom humor, ele comenta gafe do Grammy5000 acessosIron Maiden: Felipe Dylon toca clássicos da donzela5000 acessosIdade passa: vídeos mostram o efeito do tempo em alguns Rockstars5000 acessosListed: TV americana elege os maiores bad boys da música4832 acessosRudy Sarzo: deixei Ozzy pois não aguentava subir ao palco sem Randy Rhoads

Sobre Rodrigo The Rock

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online