Bahia Rock Festival: Espaço para o metal e suas vertentes

Resenha - Bahia Rock Festival (Oba Oba, Salvador, 07/05/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ivan Carlos SC
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Na capital baiana, a segunda edição do Bahia Rock Festival deu espaço para o heavy metal e suas vertentes. Realizado no espaço “Oba Oba Music Hall” o evento contou com um bom público, mas poderia ter uma presença maior de pessoas apoiando o metal nacional.

382 acessosTorture Squad: banda assina com gravadora inglesa Secret Service5000 acessosIron Maiden: quinze canções que definem a banda

Texto: Humberto Amorim

As apresentações estavam marcadas para se iniciarem às 20:00. Porém houve certo atraso e a Confiteor, encarregada de fazer a abertura, entrou no palco às 22:00 apresentando um repertório baseado em seu e EP “More Than Their Lies”. As músicas são interessantes, contudo não agitaram muito o espectadores baianos, talvez por não serem tão conhecidas, então dificulta uma assimilação, pois o trabalho realizado por Dan Loureiro (baixista/vocalista) e seus companheiros, ainda vem sendo divulgado, no entanto servem como aperitivo do full length oficial que deverá ser lançado em breve.

Em seguida, os veteranos da Malefactor assumiram seus postos e executaram canções de seu últimos álbuns "Centurian" e "Barbarian". Com as vocalizações de Vlad o grupo baiano voltava a se apresentar em Salvador, depois de um bom tempo sem realizarem shows na terra natal. Daí em diante o público passou a se animar mais e a cantarem muitas das músicas da banda, tocadas de forma coesa e com seriedade. O grupo parecia estar contente por estar ali e agitou os presentes e seus “fiéis fãs”. Os músicos têm experiência e bagagem, por isso sua apresentação ser competente em muitos momentos, o que destoa talvez sejam algumas músicas do repertório que dão aquela quebrada no clima. Mas, a banda possui clássicos que trazem de volta a aura de um show de metal. A banda ainda soltou uma surpresa, que foi a execução de "A God That Doesn't Lie" do “The Darkest Throne”, onde se via muitas pessoas cantando os versos e outras emocionadas, pois essa música foi marca registrada da Malefactor por um bom tempo. A banda saiu do palco com a sensação de ter cumprido bem o seu papel.

Os anfitriões da noite, "Minus Blindness", destilaram seus riffs registrados no primeiro álbum “Choleric The Aversion”. Com um som um pouco mais agressivo que a banda anterior, alguns dos presentes chegaram a se empolgar com apresentação dos baianos Tássio Bacelar (Guitarra e Vocais), Thiago Andrade (Bateria e Backing Vocals) e o novo baixista Armando Eigo. O ponto alto do show foi o interessante meddley com músicas do Metallica que levou o público ao delírio e fez muita gente levantar. Dava pra ouvir o Oba Oba Music Hall cantar em uníssono o refrão de "Master of Puppets" e dessa forma a banda fechou bem seu set list.

Às 01:30 da madrugada, eis que a banda mais esperada da noite sobe no palco e com os riffs de “Generation Dead” do recente e ótimo "Aequelibrium" fez com que o ambiente pegasse fogo e se transformasse em um “inferno”.

A experiente Torture Squad fez o público enlouquecer em moshs seguido de moshs, e no momento de “Raise Your Horns” já não havia mais controle, não tinha como não bater cabeça. Vítor Rodigues é um grande frontman e sabe como ter o público nas mãos e de modo eloquente foi apresentando a banda nos intervalos de uma música e outra. De forma interessante a banda soube explorar os anúncios de cada membro do grupo, destaque para a performance de Castor (baixo) e Amilcar Christófaro (bateria), pois ao invés de solos desnecessários e longos, a banda emendava já com um pertardo. Foi assim que “Pandemonium” quase desaba o espaço levando a alguns seguranças terem muito trabalho e não havia trégua ou pausa dos paulistanos.

O grupo parecia ensandecido no palco e com imenso prazer despejava a fúria de suas músicas para o público baiano, que é mais voltado para as vertentes extremas do metal. Em “Living For the Kill” o guitarrista novato André Evaristo mostrou já estar bem integrado e muito bem encaixado na proposta sonora da Torture Squad. Após um pequeno solo do estreante André, “Chaos Corporation” não deixou os espectadores respirarem e já se notava a satisfação das pessoas que resolveram ir ao show. Muitos dos que não forma perderam uma apresentação perfeita recheada de composições que primam o Thrash / Death Metal e brindam o público a violência dos riffs e licks de cada nota executada com técnica apurada. Os fãs já estavam em delírio e muitos presentes se sentiam revigorados com um show carregado de feeling e ótima postura de palco. Foi com Storms, que a banda paulistana encerrou a noite deixando, certamente o público com sensação dever cumprido e satisfação garantida. Que ocorram mais shows desse porte na capital baiana, já que nem todos compartilham da música praticada na cidade e mostram que na Bahia, tem sim metal.

Fotos do show podem ser vistas no link abaixo:

http://www.flickr.com/photos/ivancarlosfotografo/sets/721576...

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

382 acessosTorture Squad: banda assina com gravadora inglesa Secret Service263 acessosTorture Squad: Documentário "Behind The Evil" disponível161 acessosTorture Squad: Castor comenta pré produção de novo álbum872 acessosTorture Squad: assista banda no Bay Area Sessions0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Torture Squad"

Metal SPMetal SP
Documentário sobre Heavy Metal em São Paulo

Scream Blog GoreScream Blog Gore
Copa do Brasil - E se os times fossem bandas?

Café com ÓcioCafé com Ócio
Os melhores discos do Metal Nacional de 2000 a 2010

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Torture Squad"0 acessosTodas as matérias sobre "Minus Blindness"0 acessosTodas as matérias sobre "Malefactor"0 acessosTodas as matérias sobre "Confiteor"

Iron MaidenIron Maiden
Quinze canções que definem a banda

W. Axl RoseW. Axl Rose
Antes do Hollywood Rose e do Guns houve o Rapidfire

LoudwireLoudwire
As 10 melhores músicas do Nirvana

5000 acessosMike Portnoy: o cara trabalha pra kct, será que ganha bem?5000 acessosThrash Metal: dicas de dez ótimas bandas underground5000 acessosJohn Lennon: a versão de Marco Feliciano sobre a morte do Beatle3715 acessosMetallica: 10 canções da banda que revolucionaram o heavy metal5000 acessosFotos de Infância: Kurt Cobain, do Nirvana5000 acessosLoudwire: os 50 maiores guitarristas de Rock e Metal da história

Sobre Ivan Carlos SC

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online