Anvil em Catanduva: tempo corrige injustiça histórica

Resenha - Anvil (Armazém do Café, Catanduva, 03/03/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por José Carlos Valadares Júnior
Enviar Correções  

Todo mundo já ouviu, pelo menos uma vez na vida, alguém dizer que o tempo é o melhor remédio para muitos males. Atualmente, no mundo do rock, nenhuma banda é o melhor exemplo disso do que o ANVIL.

Guitar World: as 50 melhores canções de Rock de todos os tempos

Fotos de Infância: Kurt Cobain, do Nirvana

Após alcançar relativo sucesso na década de 1980, quando tocou ao lado de bandas como SCORPIONS e BON JOVI, o ANVIL caiu no esquecimento. Nem mesmo o lançamento de vários discos deu aos canadenses o tão sonhado reconhecimento. Mas, é aí que entra o tempo...

Em 2008, um documentário (Anvil! The Story of Anvil) mostrou ao mundo como essa banda, que influenciou diversos nomes consagrados do metal, não alcançou o seu próprio sucesso. O filme foi extremamente elogiado e tornou o ANVIL uma banda "cult", renovando a admiração dos fãs mais antigos e despertando a curiosidade dos mais jovens para o trabalho dos canadenses.

A repercussão do filme foi tão positiva que rendeu ao grupo uma turnê sul-americana, com passagem inédita pelo Brasil. No dia 27 de fevereiro, em São Paulo, o ANVIL estreou em solo brasileiro ao abrir o show da banda PRIMAL FEAR.

Na quinta-feira, 3 de março, o segundo e último show dos canadenses no Brasil foi realizado na cidade de Catanduva/SP, no Armazém do Café. O evento foi realizado no meio da semana, mas quem "abriu mão" do descanso noturno não se arrependeu. Isso porque, no palco, o trio formado por Steve "Lips" Kudlow (guitarra/vocal), Glenn Five (baixo) e Robb Reiner (bateria) provou que o tempo estava em dívida com o ANVIL.

O set list foi baseado nos três primeiros discos da banda, em especial no clássico Metal on Metal. Também não faltaram músicas do trabalho mais recente, This is Thirteen, como a faixa-título e Thumb Hang.

Do início ao fim da apresentação, o vocalista Lips esbanjou carisma e atenção com o público. Na execução da instrumental March of the Crabs (que abriu o show), Lips desceu do palco e tocou no meio do público.

Mas, o grande destaque do show foi o baterista Robb Reiner, que deixou os fãs presentes empolgados com a sua performance, que incluiu um solo durante a música instrumental White Rhino.

Após 11 músicas, o trio canadense se retirou do palco para voltar aclamado pelo público e tocar Jackhammer como bis. Aliás, uma aclamação mais do que merecida, pois toda espera tem o seu preço...

SET LIST

March of the Crabs
666
School Love
Winged Assassins
This is Thirteen
Mothra
Thumb Hang
White Rhino
Forged in Fire
Mad Dog
Metal on Metal

BIS

Jackhammer

Veja imagens do show no blog
http://www.gatopreto7.blogspot.com




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Canadá: os 30 melhores álbuns de Hard Rock/Heavy MetalCanadá
Os 30 melhores álbuns de Hard Rock/Heavy Metal

Lemmy: como era passar o dia bebendo com ele?Lemmy
Como era passar o dia bebendo com ele?


Guitar World: as 50 melhores canções de Rock de todos os temposGuitar World
As 50 melhores canções de Rock de todos os tempos

Fotos de Infância: Kurt Cobain, do NirvanaFotos de Infância
Kurt Cobain, do Nirvana


Sobre José Carlos Valadares Júnior

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin