Blaze Bayley: encerrando turnê brasileira em Curitiba

Resenha - Blaze Bayley (John Bull Music Hall, Curitiba, 26/01/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por André Molina
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O cantor Blaze Bayley encerrou sua turnê brasileira em Curitiba no dia 26 de janeiro (quarta-feira). Na ocasião, o ex-vocalista do Iron Maiden praticamente repetiu o mesmo set list que foi apresentado nas demais cidades a aproximadamente 200 fãs, que comparecerem em uma noite quente no John Bull Music Hall. Aliás, este fato deve ser destacado. O público optou em ficar estático devido à alta temperatura do ambiente. A produção poderia ter providenciado um ar condicionado. Não se sabe por que não ligaram o sistema. Foi possível escutar muita reclamação do público. O próprio Blaze Bayley ficou encharcado de suor.

838 acessosDuplas de guitarristas: Loudwire elenca suas dez melhores5000 acessosRammstein: "Se alguém rir das gordinhas, eu quebro a cara dele!", diz Till Lindemann

Fotos: Carlos Iadak

Mas retornando ao show, o espetáculo começou com abertura da banda curitibana Fire Shadow, que executou algumas composições próprias (destaque para “Steel and Metal” e “Metal is the Law”) e covers como “Electric Eye” (Judas Priest) e “Children of the Sea” (Black Sabbath). O grupo paranaense apresentou um trabalho honesto que agradou boa parte dos fãs de Blaze.

Em seguida, Blaze subiu ao palco com muito ânimo para apresentar um show que totalizou duas horas. As canções que abriram foram “Blackmailer” e “Smile Back At Death” do consagrado quarto disco de estúdio “The Man Who Would Not Die”. As canções agradaram bastante o público, que demonstrou bastante familiaridade com o trabalho solo do ex-cantor do Iron Maiden. Após as duas músicas iniciais, a banda tocou “Faceless” do novo disco “Promiser and Terror” e retornou ao “The Man Who Would Not Die” com “Waiting For My Life To Begin”.

No decorrer da apresentação, foi perceptível que o set list enfatizou os dois últimos CD’s de Blaze Bayley, demonstrando que o trabalho atual dele vem conquistando novos fãs. Quase todo o novo disco foi tocado pela banda.

Somente na metade do show, Blaze começou a recorrer ao repertório do Iron Maiden. A primeira música foi “Futureal” (do disco Virtual XI), que agitou a platéia mesmo a uma temperatura insuportável. Logo depois, o cantor apresentou canções mais antigas de sua carreira solo, como “The Launch” (Silicon Messiah) e “Blood and Belief” (disco de mesmo nome).

Em vários momentos Blaze agradeceu o público curitibano. Ele chegou a dizer que é uma das cidades do mundo que mais admira o seu trabalho. “Nunca me esqueço dos shows que fizemos aqui. É bom ter Curitiba como a última cidade brasileira da turnê. É gratificante a receptividade na nossa última data no Brasil”, disse.

Logo depois, a banda apresentou uma das canções mais esperadas. A obra prima épica “The Clansman” recebeu um arranjo criativo, mas ao mesmo tempo pouco diferente. É importante destacar o vigor e a pegada do baterista Cláudio Tirincanti, que abusou positivamente do pedal duplo e desceu a lenha. O baixista David Bermudez fez um belo arranjo para as partes lentas e os guitarristas Jay Walsh e Nicolas Bermudez executaram os solos de maneira fiel.

Depois de ser muito aplaudido por apresentar um grande clássico do Iron Maiden, Blaze recorreu ao primeiro sucesso da carreira solo. Em “The Brave” (Silicon Messiah), a platéia cantou todo o riff inicial, surpreendendo o cantor que se mostrou emocionado.

Já caminhando para o final do show, o ex-frontman do Maiden cantou “Watching The Nightsky”, “Madness And Sorrow”, “The Man Who Would Not Die” e as consagradas e cantadas pelo público “Robot” (com uma pesada levada do baterista) e “Samurai”.

Para finalizar, o maior clássico do Iron Maiden nas vozes de Blaze Bayley – “Man on the Edge”. Em seguida, como de costume, ele atendeu todos os fãs dando autógrafos e posando para fotos.

Set-List:

01. Intro/Blackmailer
02. Smile Back At Death
03. Faceless
04. Waiting For My Life To Begin
05. City Of Bones
06. Voices From The Past
07. Surrounded By Sadness
08. The Trace Of Things That Have No Worlds
09. Letting Go Of The World
10. Comfortable In Darkness
11. Futureal
12. The Launch
13. Blood And Belief
14. The Clansman
15. The Brave
16. Watching The Nightsky
17. Madness And Sorrow
18. The Man Who Would Not Die
19. Robot
20. Samurai
21. Man On The Edge

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Blaze Bayley (John Bull Music Hall, Curitiba, 26/01/2011)

1192 acessosBlaze Bayley: fechando com chave de ouro a turnê no Brasil

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Iron MaidenIron Maiden
Steve Harris assiste show do Metallica no Canadá

838 acessosDuplas de guitarristas: Loudwire elenca suas dez melhores1263 acessosBruce Dickinson: voando em um bombardeiro da II Guerra Mundial0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Iron Maiden"

Iron MaidenIron Maiden
Fatos que você já sabe (mas com detalhes legais)

Iron MaidenIron Maiden
"The Trooper" na versão das irmãs harpistas (vídeo)

Rush, Iron, GunsRush, Iron, Guns
Entre as melhores apresentações ao vivo do mundo

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Blaze Bayley"0 acessosTodas as matérias sobre "Iron Maiden"

RammsteinRammstein
"Se alguém rir das gordinhas, eu quebro a cara dele!"

VídeoVídeo
Ex-rockeiro explica o real significado da mão chifrada

GuitarristasGuitarristas
E se os mestres esquecessem como se toca?

5000 acessosSlipknot: Demissão de Joey Jordison foi a decisão mais difícil da carreira5000 acessosArnaldo Jr: Colecionador de ítens relacionados ao Metallica5000 acessosEm 10/08/1993: Euronymous é assassinado por Varg Vikernes5000 acessosMichael Jackson: 10 nomes do rock que tocaram com o Rei do Pop5000 acessosMegadeth: fã tem siricutico ao encontrar Mustaine; veja vídeo5000 acessosGuns N' Roses: é melhor sair da sala se Axl não está feliz

Sobre André Molina

André Molina é jornalista, economista e começou a ouvir heavy metal ainda quando era criança. Tem 30 anos de idade e Rock 'n' Roll é sua religião.

Mais matérias de André Molina no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online