Blaze Bayley: encerrando turnê brasileira em Curitiba

Resenha - Blaze Bayley (John Bull Music Hall, Curitiba, 26/01/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por André Molina
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O cantor Blaze Bayley encerrou sua turnê brasileira em Curitiba no dia 26 de janeiro (quarta-feira). Na ocasião, o ex-vocalista do Iron Maiden praticamente repetiu o mesmo set list que foi apresentado nas demais cidades a aproximadamente 200 fãs, que comparecerem em uma noite quente no John Bull Music Hall. Aliás, este fato deve ser destacado. O público optou em ficar estático devido à alta temperatura do ambiente. A produção poderia ter providenciado um ar condicionado. Não se sabe por que não ligaram o sistema. Foi possível escutar muita reclamação do público. O próprio Blaze Bayley ficou encharcado de suor.

Bruce Dickinson: review da autobiografia Pra Que Serve Esse Botão?Som ruim, fezes e urina: Um brinde à farsa de Woodstock

Fotos: Carlos Iadak

Mas retornando ao show, o espetáculo começou com abertura da banda curitibana Fire Shadow, que executou algumas composições próprias (destaque para "Steel and Metal" e "Metal is the Law") e covers como "Electric Eye" (Judas Priest) e "Children of the Sea" (Black Sabbath). O grupo paranaense apresentou um trabalho honesto que agradou boa parte dos fãs de Blaze.

Em seguida, Blaze subiu ao palco com muito ânimo para apresentar um show que totalizou duas horas. As canções que abriram foram "Blackmailer" e "Smile Back At Death" do consagrado quarto disco de estúdio "The Man Who Would Not Die". As canções agradaram bastante o público, que demonstrou bastante familiaridade com o trabalho solo do ex-cantor do Iron Maiden. Após as duas músicas iniciais, a banda tocou "Faceless" do novo disco "Promiser and Terror" e retornou ao "The Man Who Would Not Die" com "Waiting For My Life To Begin".

No decorrer da apresentação, foi perceptível que o set list enfatizou os dois últimos CD's de Blaze Bayley, demonstrando que o trabalho atual dele vem conquistando novos fãs. Quase todo o novo disco foi tocado pela banda.

Somente na metade do show, Blaze começou a recorrer ao repertório do Iron Maiden. A primeira música foi "Futureal" (do disco Virtual XI), que agitou a platéia mesmo a uma temperatura insuportável. Logo depois, o cantor apresentou canções mais antigas de sua carreira solo, como "The Launch" (Silicon Messiah) e "Blood and Belief" (disco de mesmo nome).

Em vários momentos Blaze agradeceu o público curitibano. Ele chegou a dizer que é uma das cidades do mundo que mais admira o seu trabalho. "Nunca me esqueço dos shows que fizemos aqui. É bom ter Curitiba como a última cidade brasileira da turnê. É gratificante a receptividade na nossa última data no Brasil", disse.

Logo depois, a banda apresentou uma das canções mais esperadas. A obra prima épica "The Clansman" recebeu um arranjo criativo, mas ao mesmo tempo pouco diferente. É importante destacar o vigor e a pegada do baterista Cláudio Tirincanti, que abusou positivamente do pedal duplo e desceu a lenha. O baixista David Bermudez fez um belo arranjo para as partes lentas e os guitarristas Jay Walsh e Nicolas Bermudez executaram os solos de maneira fiel.

Depois de ser muito aplaudido por apresentar um grande clássico do Iron Maiden, Blaze recorreu ao primeiro sucesso da carreira solo. Em "The Brave" (Silicon Messiah), a platéia cantou todo o riff inicial, surpreendendo o cantor que se mostrou emocionado.

Já caminhando para o final do show, o ex-frontman do Maiden cantou "Watching The Nightsky", "Madness And Sorrow", "The Man Who Would Not Die" e as consagradas e cantadas pelo público "Robot" (com uma pesada levada do baterista) e "Samurai".

Para finalizar, o maior clássico do Iron Maiden nas vozes de Blaze Bayley - "Man on the Edge". Em seguida, como de costume, ele atendeu todos os fãs dando autógrafos e posando para fotos.

Set-List:

01. Intro/Blackmailer
02. Smile Back At Death
03. Faceless
04. Waiting For My Life To Begin
05. City Of Bones
06. Voices From The Past
07. Surrounded By Sadness
08. The Trace Of Things That Have No Worlds
09. Letting Go Of The World
10. Comfortable In Darkness
11. Futureal
12. The Launch
13. Blood And Belief
14. The Clansman
15. The Brave
16. Watching The Nightsky
17. Madness And Sorrow
18. The Man Who Would Not Die
19. Robot
20. Samurai
21. Man On The Edge


Outras resenhas de Blaze Bayley (John Bull Music Hall, Curitiba, 26/01/2011)

Blaze Bayley: fechando com chave de ouro a turnê no Brasil




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Blaze Bayley"Todas as matérias sobre "Iron Maiden"


Bruce Dickinson: review da autobiografia Pra Que Serve Esse Botão?Iron Maiden: o brilhante e conceitual Seventh Son of a Seventh Son (vídeo)Vlog Rock: A saga de Charlotte, a prostituta do Iron MaidenCollectors Room: a controversa volta às raízes do Iron Maiden (vídeo)Iron Maiden: local do show diz que fã agrediu segurança antes de ser espancado

Iron Maiden: Dickinson relata em show que seguranças agrediram fã na plateia; vídeoIron Maiden
Dickinson relata em show que seguranças agrediram fã na plateia; vídeo

Iron Maiden: banda fecha parceria com cervejaria curitibana BodebrownIron Maiden
Banda fecha parceria com cervejaria curitibana Bodebrown

Rock in Rio 2019: Iron Maiden prefere tocar mais cedo, diz guitarrista do ScorpionsRock in Rio 2019
Iron Maiden prefere tocar mais cedo, diz guitarrista do Scorpions

Rock in Rio: festival explica por que o Iron Maiden toca antes do ScorpionsRock in Rio
Festival explica por que o Iron Maiden toca antes do Scorpions

Rock in Rio 2019: Iron Maiden abrirá para o Scorpions; veja horários de todos os showsRock in Rio 2019
Iron Maiden abrirá para o Scorpions; veja horários de todos os shows

Em 03/09/1984: Iron Maiden lançava Powerslave, o seu maior clássicoEm 03/09/1984
Iron Maiden lançava Powerslave, o seu maior clássico

Collectors Room: o nascimento de um novo Iron Maiden em Brave New World (vídeo)

Iron Maiden: Blaze Bayley diz que sua fase foi o embrião da era progressiva na bandaIron Maiden
Blaze Bayley diz que sua fase foi o embrião da "era progressiva" na banda

Iron Maiden: em 1988, um ótimo disco para marcar o fim de uma eraCollectors Room: tudo sobre Fear of the Dark, do Iron Maiden (vídeo)

Iron Maiden: veja a banda como você não gostaria de vê-laIron Maiden
Veja a banda como você não gostaria de vê-la

Iron Maiden: os cinquenta maiores riffs em menos de 5 minutosIron Maiden
Os cinquenta maiores riffs em menos de 5 minutos

Iron Maiden: Blaze Bayley acredita que era odiado pelos fãsIron Maiden
Blaze Bayley acredita que era odiado pelos fãs


Som ruim, fezes e urina: Um brinde à farsa de WoodstockSom ruim, fezes e urina
Um brinde à farsa de Woodstock

Kiss x Secos & Molhados: o fim da polêmicaKiss x Secos & Molhados
O fim da polêmica

Megadeth: a canção que Dave Mustaine menos gostaMegadeth
A canção que Dave Mustaine menos gosta

Raimundos: O verdadeiro motivo para a saída de Rodolfo da bandaBlack Metal: o lado mais negro da cena brasileiraGuns N' Roses: Axl Rose diz o tipo de álbum que gostaria de gravarPearl Jam: a história não contada sobre o protagonista de "Jeremy"

Sobre André Molina

André Molina é jornalista, economista e começou a ouvir heavy metal ainda quando era criança. Tem 30 anos de idade e Rock 'n' Roll é sua religião.

Mais matérias de André Molina no Whiplash.Net.