RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemRoger Waters se defende, mas David Gilmour fica do lado da esposa e confirma tudo

imagemRodinha de mosh gigantesca em show do System of a Down viraliza e impressiona

imagemQuem ganhou e quem devia ter ganhado o Grammy de metal desde 1989, segundo Loudwire

imagemEm 1974, Raul Seixas explicava detalhes dos significados por trás da letra de "Gita"

imagemMegadeth é processado por artista que criou capa do último disco da banda

imagemVeja o que esperar da turnê do Mayhem no Brasil

imagemAs 20 melhores músicas do Nightwish, em lista da Metal Hammer

imagem"Somewhere In Time - Um Clássico do Iron Maiden", lançamento da Estética Torta

imagemRússia pede para que Roger Waters fale com a ONU sobre a situação da Ucrânia

imagemIron Maiden está atrás de George Michael e Cyndi Lauper em votação do Rock Hall Of Fame

imagemA opinião de Humberto Gessinger sobre movimentos separatistas da região Sul do Brasil

imagemBruce Dickinson explica como cuida de sua voz

imagemQuando Roberto Carlos foi alfinetado por Raul Seixas, mas o Rei gostou do que ouviu

imagemVocalista do Stryper afirma que Metallica é a banda de metal que ele menos gosta

imagemOpeth: Mikael Akerfeldt se interessa por Elis Regina em loja de disco de SP


Def Leppard Motley Crue 2

Bad Religion: verdadeiro quebra-quebra em Nova Iorque

Resenha - Bad Religion (Irving Plaza, NY, 20, 26 e 27/10/2010)

Por Maneco Grotesco
Postado em 07 de dezembro de 2010

Nos dias 20, 26 e 27 de outubro deste ano, o BAD RELIGION preparou uma série de shows especiais em Nova York, cada noite baseada em uma década de seus 30 anos de existência. Apesar de já ter visto BAD RELIGION cinco vezes em Curitiba, eu sabia que estas três noites seriam especiais, e que poderiam trazer algumas surpresas.

No dia 20 de outubro, chegamos ao Irving Plaza, por volta das 21h, e quem aquecia o local era o pessoal do Aggrolites. O público parecia animado, mas nada comparado ao que estava por vir. Após um pequeno intervalo, luzes vermelhas iluminam a enorme crossbusters (logo da banda) ao fundo do palco e o BAD RELIGION abre a esperada série de shows com a clássica "Do what you want". Aos primeiros acordes, já não era mais possível ficar parado, nem mesmo escolher um lugar para ficar, a não ser que não se importasse de ir para o fundo ou mezanino, pois na pista, a multidão simplesmente explodiu e não parou mais. Entre os clássicos da década de oitenta foram inseridas algumas músicas do último disco, como "The Devil in Stitches" e "Wrong way Kids". No final, aquelas figurinhas carimbadas como "American Jesus" e "Infected", que apesar de estarem fora da proposta da noite, não tiraram o brilho de algumas surpresas, como quando Jay Bentley começou a murmurar ao microfone a introdução de "Delirium of Disorder". "Slaves", "Latch key kids" e "Frogger" foram mais algumas que eu também nunca imaginava ver ao vivo. Mas, a maior surpresa, provavelmente para todos, foi "Billy Gnosis", do polêmico "Into the Unknown", que, segundo o próprio Greg Graffin, foi tocada apenas uma vez ao vivo após o lançamento do álbum.

Alguns dias se passaram e eu aproveitei para assistir mais alguns shows ('Me First and the Gimme Gimmes' e 'Helmet'). A noite mais esperada desta maratona do BAD RELIGION, ao menos para mim, havia chegado. No dia 26 de outubro, chegamos ao Irving Plaza, poucos minutos antes do BAD RELIGION entrar no palco com as músicas dos anos noventa. A primeira foi "Gray Race", que fez o lugar balançar. Com uma intensidade um pouco menor que a primeira noite, o quebra-quebra tomou conta do lugar. Novamente, entre algumas faixas do último álbum, o tema da noite tomou forma com as músicas que, na minha opinião, são suas obras-primas. No repertório, fizeram parte os hits sempre presentes, como "Generator" e "Anesthesia"; as músicas que já não apareciam com frequência nos setlists, como "Modern Man" e "Turn on the Light" do excelente "Against the Grain", "Man with a mission", "Marked"; e, até mesmo, "Hear it" e "Sowing The Seeds Of Utopia", do quase esquecido "No Substance", que agitaram o público do início ao fim.

No dia 27 de outubro, última noite, chegamos ao local também poucos minutos antes do BAD RELIGION subir ao palco. Mesmo sendo a noite menos aguardada, não apenas para mim pelo que pude ver, pois foi a única noite que não teve os ingressos esgotados, foi também um show excelente. Com o público bem mais calmo (se compararmos às outras duas noites), "Supersonic" dá início ao setlist baseado nesta década. Destaque para as músicas "The Defense" e "Epiphany" do álbum "Process of Belief" (que considero o melhor deste período) e a fantástica "Fields of Mars", executada com perfeição. A surpresa ficou com a única faixa do praticamente esquecido "New America", "Don't Sell Me Short", que, pela reação do público, deveria estar presente nos shows com mais frequência. Mais uma vez, as figurinhas carimbadas "Infected" e "American Jesus" anunciam que o final do show se aproxima e, após "Sorrow", "Fuck armageddon" fecha este inequecível espetáculo de três noites.

Setlist dia 20/10/10
1.Do What You Want
2.How Much Is Enough?
3.We're Only Gonna Die
4.Slaves
5.The Resist Stance
6.Delirium of Disorder
7.You Are (The Government)
8.Latch Key Kids
9.The Devil in Stitches
10.Frogger
11.I Want to Conquer the World
12.Billy Gnosis
13.Suffer
14.Sanity
15.Part III
16.Avalon
17.Big Bang
18.Yesterday
19.New Dark Ages
20.Along the Way
21.21st Century Digital Boy
22.Wrong Way Kids
23.No Control
24.Fuck Armageddon...This is Hell
25.You
26.American Jesus
Encore:
27.Infected
28.Los Angeles is Burning
29.Sorrow

Setlist dia 26/10/10
1.Gray Race
2.Hear It
3.Modern Man
4.Stranger Than Fiction
5.Recipe For Hate
6.Flat Earth Society
7.The Resist Stance
8.Man With A Mission
9.Marked
10.Struck a Nerve
11.A Walk
12.Anesthesia
13.Avalon
14.Sowing The Seeds Of Utopia
15.Turn On The Light
16.Come Join Us
17.No Direction
18.What It Is
19.Atomic Garden
20.Wrong Way Kids
21.Generator
22.Infected
Encore:
23.American Jesus
24.Fuck Armageddon...This is Hell
25.Sorrow

Setlist dia 27/10/10
1.Supersonic
2.Prove It
3.Can't Stop
4.Heroes & Martyrs
5.Only Rain
6.Los Angeles Is Burning
7.Overture
8.Sinister Rouge
9.New Dark Ages
10.The Devil in Stitches
11.Meeting of the Minds
12.Let Them Eat War
13.Fields of Mars
14.The Defense
15.The Resist Stance
16.Social Suicide
17.Dearly Beloved
18.Requiem For Dissent
19.Epiphany
20.Don't Sell Me Short
21.Avalon
22.Wrong Way Kids
23.Infected
24.American Jesus
Encore:
25.Along The Way
26.Sorrow
27.Fuck Armageddon...This is Hell

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Do metal ao punk ao metal: conheça a trajetória de Brooks Wackerman do A7X

Loudwire: em vídeo, dez bandas clássicas que ainda detonam!

Vai-e-vem do mercado: o troca-troca entre Bad Religion e Avenged Sevenfold


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Maneco Grotesco

Nascido em 1979, em Curitiba, desde pequeno sonhava em tocar ao descobrir a velha guitarra do pai. Ainda no colégio montou sua banda, o Grotesco, que apesar de praticamente inativa atualmente, ainda existe. Os estilos preferidos variam muito com o tempo, do thrash ao punk, do ska ao folk, a única paixão que permanece sempre no topo no mundo do rock é pelas guitarras Gibson.
Mais matérias de Maneco Grotesco.