Matérias Mais Lidas

Quiet Riot: quebrando disco de banda brasileira em 1985Quiet Riot
Quebrando disco de banda brasileira em 1985

Megadeth: Dave Mustaine, agora, é faixa roxa em jiu-jitsu brasileiroMegadeth
Dave Mustaine, agora, é faixa roxa em jiu-jitsu brasileiro

Greta Van Fleet: Robert Plant odeia aquele vocalistaGreta Van Fleet
Robert Plant "odeia" aquele vocalista

Lista: 10 grandes sucessos que farão 30 anos em 2021 e continuam sendo ouvidos até hojeLista
10 grandes sucessos que farão 30 anos em 2021 e continuam sendo ouvidos até hoje

Loudwire: o melhor álbum de thrash metal de cada ano, de 1983 até 2020Loudwire
O melhor álbum de thrash metal de cada ano, de 1983 até 2020

Rock in Rio: há 30 anos, Axl Rose exigia VJ desconhecida da MTV para entrevistá-loRock in Rio
Há 30 anos, Axl Rose exigia VJ desconhecida da MTV para entrevistá-lo

Iced Earth: Fãs que apoiaram vaquinha de Schaffer querem dinheiro de voltaIced Earth
Fãs que apoiaram vaquinha de Schaffer querem dinheiro de volta

Dream Theater: Show de comeração de 25 anos do Images & Words será transmitidoDream Theater
Show de comeração de 25 anos do Images & Words será transmitido

Enjaulados: Os crimes mais chocantes da história do rockEnjaulados
Os crimes mais chocantes da história do rock

Metallica: Dave Lombardo diz que tocar com o Metallica ao vivo foi históricoMetallica
Dave Lombardo diz que tocar com o Metallica ao vivo foi histórico

Iced Earth: fotos mostram Jon Schaffer segurando spray de urso no CapitólioIced Earth
Fotos mostram Jon Schaffer segurando spray de urso no Capitólio

Robert Fripp: novo cover de Billy Idol, agora com esposa vestida de cheerleaderRobert Fripp
Novo cover de Billy Idol, agora com esposa vestida de cheerleader

Max Cavalera: O único presidente bom do Brasil foi mortoMax Cavalera
"O único presidente bom do Brasil foi morto"

Épicas: 10 músicas com mais de 10 minutos de duração (e nenhuma é do Dream Theater)Épicas
10 músicas com mais de 10 minutos de duração (e nenhuma é do Dream Theater)

Inesquecíveis: 50 grandes sucessos do rock e do metal que nunca saem de modaInesquecíveis
50 grandes sucessos do rock e do metal que nunca saem de moda


Matérias Recomendadas

Guitarristas: Os 10 maiores dos anos 80 segundo a revista FuzzGuitarristas
Os 10 maiores dos anos 80 segundo a revista Fuzz

Metal Sucks: Top 25 vocalistas do metal modernoMetal Sucks
Top 25 vocalistas do metal moderno

Metallica: Jason explica o baixo apagado de And Justice For AllMetallica
Jason explica o baixo apagado de And Justice For All

O Surto: Fora Queen, só nós fizemos 250 mil cantarem no Rock in RioO Surto
"Fora Queen, só nós fizemos 250 mil cantarem no Rock in Rio"

Motörhead: Amy Lee no colo de Lemmy KilmisterMotörhead
Amy Lee no colo de Lemmy Kilmister

Tunecore

Glenn Hughes: não é por acaso que ele gravou "I'm The Man"

Resenha - Glenn Hughes (Carioca Club, São Paulo, 16/12/2009)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcelo Melgaço
Enviar Correções  





Não é por acaso que uma das músicas de seu álbum Blues, de 1992, é "I’m The Man". O cara é incomparável! Dio e Halford são raridades, trovadores que conseguem manter-se na crista da onda há mais de 30 anos, diferente de outros como Coverdale e Gillan, que se apresentam como pequena sombra do que foram. Já Glenn Hughes é o único que, se não canta mais do que cantava nos anos 70, canta igual.

Fotos: Nara Yoko

A casa que abrigou o show em SP – Carioca Club – não comprometeu, mas deveria ser de melhor nível para um show do Hughes. Havia uma máquina de gelo seco que funcionava a cada 10 minutos e que era quase tão barulhenta quanto as bandas. Digo bandas porque o show pelo qual todos aguardavam teve a abertura da Casa das Máquinas. As bandas de abertura no Brasil costumam ser dispensáveis, e desta vez não foi diferente. O intervalo entre o show de abertura e o do Glenn Hughes foi de quase uma hora.

Logo que pisou no palco The Voice of Rock mostrou a que veio - como não se impressionar com a disposição de um cara de 58 anos que viveu uma história sinistra de dependência, contada, cantada e tocada em uma pérola como "Addiction"?! Quem já foi a alguns shows sabe quando a alegria do artista é protocolar e quando é real – Glenn Hughes no Carioca Club era o exemplo pronto e acabado do segundo caso.

Seus fãs sabem que a música negra norte-americana é a paixão de Hughes, fato que ele faz questão de demonstrar todo o tempo cantando como alguns dos maiores expoentes da black e soul music norte-americanas – suas reiteradas e ovacionadas (ao menos por parte do público que sabe valorizar uma voz diferenciada num universo do rock de tantos cantores berradores, gritadores e grunhidores) peripécias vocais me fizeram lembrar, em especial, o lendário Marvin Gaye. E é justamente esta capacidade de cantar o hard, heavy e soul como especialista em cada um dos estilos que faz de Glenn Hughes, em minha opinião, o maior vocalista em atividade no mundo do rock.

O setlist foi:
1 - Stormbringer
2 - Migh Just Take Your Life
3 - Sail Away
4 - Mistreated
5 - Crave
6 - Gettin' Tighter
7 - Don't Let Me Bleed
8 - Holy Man (que ele não cantava há 30 anos – ponto alto da noite)
9 - Steppin' On
10 - You Keep On Moving

11 - Soul Mover
12 - Burn

Como é natural num show de um artista tão prolífico como Glenn Hughes, impossível satisfazer a todos. Ouvir "Holy Man" foi demais, mas senti uma falta danada de músicas de alguns álbuns solo ("From Now On", "The Way It Is", "Addiction") que considero dos melhores da história do rock e uma canjinha que fosse dos fabulosos Seventh Star, Fused ou Hughes & Thrall.

A única decepção que tive, de fato, foi com a banda: Soren Andersen (guitarra), Matt Goom (bateria) e Anders Olinder (teclados). Os gringos costumam classificar uma formação que toca afinada de "tight", o que, definitivamente, não é o caso dos músicos que acompanham Glenn Hughes no momento. Chegaram a comprometer o começo de "Burn" induzindo-o a um erro no ritmo de interpretação da letra.

Um músico do porte de Glenn Hughes que co-estrelou álbuns com guitarristas da magnitude de Ritchie Blackmore, Tony Iommi, Pat Thrall, John Norum, Gary Moore e mesmo o competentíssimo JJ Marsh não deveria ter no comando das seis cordas de sua banda um músico que, claramente, ainda não tem categoria para tanto. Hughes disse ao final do show que o tal Soren Andersen viria a ser o mais novo rock star do mundo. Minha opinião é que ele ainda precisa comer muito, mas muito feijão antes de sequer sonhar em pedir licença a um dos citados acima pra "sentar na janelinha".

Conclusão? Valeu demais! Parabenizo o Fernando, Christian e Milton que promoveram sua vinda ao Brasil!

Ao final do show ficou a certeza de ter assistido a performance de um artista fascinante que, 40 anos após o início de sua carreira, canta e toca como se não houvesse dia seguinte.

Mais fotos no link abaixo:
http://picasaweb.google.com/narayoko/GlennHughes


Outras resenhas de Glenn Hughes (Carioca Club, São Paulo, 16/12/2009)

Glenn Hughes: show incrível e empolgante em São PauloGlenn Hughes
Show incrível e empolgante em São Paulo