Venom: após 23 anos e com outra formação, ainda marcante

Resenha - Venom (Victoria Hall, São Caetano do Sul, 12/12/2009)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Paulo Gadioli
Enviar correções  |  Ver Acessos







Após um período de mais de 20 anos, os fãs do Venom finalmente poderiam ter uma chance de assistir a mais um show dos ingleses. Na última vez que a banda passou pelo Brasil, em 1986, a situação era outra. Como todas as facilidades da internet ainda não existiam, era algo complicado ouvir e conseguir informações de bandas estrangeiras. Formou-se uma verdadeira aura sob a imagem da banda que, juntamente com os canadenses do Exciter, realizou um dos melhores shows da década de 80, segundo muitos que tiveram o privilégio de vivenciar a época. Após mudanças na formação e no próprio som da banda, seriam eles capazes de repetir o feito e realizar mais um show marcante?

No dia 12 de dezembro, o cenário na cidade de São Caetano do Sul, logo pela tarde, já foi se mostrando muito condizente com a banda. Um dia nublado e que, com o chegar da noite, tornou-se extremamente chuvoso. A chuva caminha lado a lado com outro problema: o trânsito. E foi justamente esse problema que atrasou e impediu muitos de poderem acompanhar as bandas de abertura. As bandas encarregadas eram: Doomsday Ceremony, Genocídio e Nervochaos. O que se ouviu é que, apesar de problemas técnicos, elas fizeram seu papel muito bem e representaram o Metal brasileiro de uma forma muito digna.

Aproximadamente às 23h30, após um certo atraso - que já vinha ocorrendo desde as bandas de abertura -, abrem-se os portões do inferno. As luzes se apagam, uma introdução assustadora começa a ecoar nos PA's, luzes vermelhas dominam o ambiente. Nada mais apropriado para o Venom entrar no palco. E, logo de cara, já incendeiam todos os presentes no Victoria Hall com o clássico "Black Metal", seguido prontamente pela não menos importante "Welcome to Hell". Essa última música pareceu ser uma alerta aos desavisados, que estariam prestes a presenciar o verdadeiro inferno na terra.

Comparada com a formação do show de 86, apenas o baixista e frontman Cronos permanece na banda. Completam a banda o baterista Danny "Dante" Needham e o guitarrista La Rage.

Logo após a dobradinha de clássicos que abriu o show, Cronos não falou muito. Apenas fez questão de chegar o mais próximo possível de todos os fãs ali presentes. Palavras não se tornavam necessárias naquela atmosfera de respeito e admiração. O baixo dele, inclusive, possuía uma singularidade muito interessante. Com duas luzes localizadas no braço do instrumento, a impressão era de que aquilo eram dois grandes olhos vermelhos, enxergando todos na platéia.

A qualidade de som ainda não era das melhores. O som embolado parecia incomodar muitos dos presentes. O microfone de Cronos também estava num volume não muito compatível com o resto da banda, já que era difícil ouvir o que ele cantava. Difícil mesmo foi ouvir durante a execução de "Countess Bathory". Talvez um dos clássicos mais aguardados pelos fãs da banda, a música tirou gritos de praticamente todos os presentes, que gritavam a plenos pulmões.

O baterista Dante era um show à parte. Com seu grande set de bateria, executava as músicas com perfeição, sem parar nem um minuto sequer. Inclusive lembrava Mikkey Dee, do Motorhead, ao agitar a cabeleira loira e bater impiedosamente no instrumento. O baterista do Venom, inclusive, já esteve em terras tupiniquins mais no início do semestre, ao integrar a banda de Tony Martin. La Rage também não fez feio, o guitarrista mostrou muita técnica ao realizar os solos e, assim como os outros dois membros da banda, aguentou com a mesma energia o show, do início ao fim.

A banda ainda presenteou os fãs com músicas como "Seven Gates of Hell", "Warhead", "Antechrist" e "Hell", dentro de um set extenso. O golpe de misericórdia foi dado quando o Venom retornou para o bis, tocando "In League With Satan". Logo após, Cronos perguntou a todos os presentes que horas eram. A resposta foi alta e clara: "Witching Hour!", e assim começou a música que viria a encerrar a apresentação da forma mais brutal possível. E é importante lembrar que, das poucas vezes que Cronos se dirigiu ao público, ele fez questão de reforçar a idéia que a banda voltaria ao Brasil logo. Só resta a esperança de que esse "logo" não se torne em mais de duas décadas novamente.



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Venom"


O Diabo É O Pai Do Rock: a associação do gênero com o tinhosoO Diabo É O Pai Do Rock
A associação do gênero com o tinhoso

Loudwire: Krisiun na lista dos dez power trios mais pesados da históriaLoudwire
Krisiun na lista dos dez power trios mais pesados da história


LA Weekly: as 20 piores bandas de todos os temposLA Weekly
As 20 piores bandas de todos os tempos

Dream Theater: o suposto plágio de música de Leandro & Leonardo?Dream Theater
O suposto plágio de música de Leandro & Leonardo?


Sobre Paulo Gadioli

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.