Oasis: bela performance dos encrenqueiros britânicos no Rio

Resenha - Oasis (Citibank Hall, Rio de Janeiro, 07/05/2009)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Doctor Robert
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Muito estranho fazer a resenha de um show onde não se está presente fisicamente no local – fica a impressão de se tratar de um DVD ou algo do tipo. Obviamente a vontade de estar lá era grande, mas levando-se em conta a verdadeira maratona de grandes apresentações no Brasil neste começo de ano que qualquer fã de rock and roll não poderia perder (leia-se: Deep Purple, Iron Maiden e Kiss), haja bolso para bancar tudo. Então graças à boa vontade de um canal de TV por assinatura, pude conferir no melhor “camarote” que existe (o sofá da minha sala) a primeira apresentação desta mini tour dos britânicos do Oasis por terras tupiniquins.

2280 acessosOasis: Produtor "implora" para não voltarem5000 acessosRush: Neil Peart ainda tem aulas de bateria

Após uma série de declarações bombásticas envolvendo o futuro da banda por parte de seus “donos”, os irmãos Liam e Noel Gallagher, criou-se certa expectativa sobre como seria a performance no palco, se esta estaria afetada em algo ou não. Enquanto aguardávamos a resposta, e para dar uma amenizada na espera e aquecer a platéia, pudemos acompanhar uma boa apresentação dos gaúchos do Cachorro Grande, com direito a participação de Samuel Rosa, do Skank, no gran finale, onde tocaram duas covers dos Beatles, destacando-se a barulhenta e inesquecível “Helter Skelter”. Abertura mais adequada, impossível...

Passado um breve intervalo, as luzes se apagam, e começa a indefectível “Fuckin’ In The Bushes”. Era a senha que bastava para levar o público ao delírio. E eis que o Oasis surge no palco já mandando de cara “Rock And Roll Star”, direto de seu primeiro álbum “Definitely Maybe”. Público nas mãos, e logo em seguida temos “Lyla” (do excelente álbum “Don’t Believe The Truth”), a nova “The Shock Of The Lightning” e, também dos seus primórdios, a empolgante “Cigarettes and Alcohol”. A essas alturas já poderíamos considerar a partida ganha...

Para surpresa geral da nação, o que pudemos conferir foi simplesmente uma de suas melhores apresentações, principalmente musicalmente falando. Infinitamente superior, por exemplo, à burocrática passagem pelo Rock In Rio III, melhor até mesmo do que o DVD “Familiar To Millions” (mais uma vez lembrando: musicalmente, não se levando em conta produção ou set list). Uma banda extremamente entrosada, Liam com sua voz um pouco melhor (menos ruim?) do que de costume, um grande baterista, Chris Sharrock (substituindo o excelente Zak Starkey, filho de Ringo Starr, que acompanha o The Who) e a participação do ótimo tecladista Jay Darlington, uma figuraça que parece ter saído direto do final dos anos 1960, com seu cabelão e barba – o que levou Noel a brincar, dizendo que foi à praia de Copacabana e a estátua do Cristo não estava mais lá, tinha vindo tocar com a banda.

Voltando ao repertório, muito bem escolhido por sinal, obviamente os grandes destaques ficaram por conta das canções mais conhecidas e dos clássicos. Do álbum novo, o ótimo “Dig Out Your Soul”, tivemos mais 5 canções, entre elas “Ain’t Got Nothing” e “I’m Outta Time”. Outros bons momentos ficaram puderam ser conferidos nas excelentes “The Masterplan” e “The Importance Of Being Idle”, numa dobradinha fantástica cantada por Noel, ficando comprovado mais uma vez este ser melhor vocalista do que seu irmão. Houve ainda espaço para a singela “Songbird”(de “Heathen Chemistry”), e para as clássicas “Slide Away”, “Morning Glory” e “Wonderwall” (cantada em uníssono, como sempre). Liam chegou até mesmo a esboçar certa simpatia, elogiando a platéia que a cada intervalo cantava trechos de canções da banda, principalmente “Live Forever”, pedida insistentemente. Encerrando a primeira parte, “Supersonic”, bastante aplaudida.

No bis, pudemos ouvir uma ótima versão intimista para “Don’t Look Back In Anger”, que levou alguns mais fanáticos às lágrimas, bem como a inesquecível “Champagne Supernova”. E tudo acabou com a tradicional cover de “I Am The Walrus” (adivinhem de quem?) e Noel tirando ruídos ensurdecedores de seus pedais, após uma hora e meia quase que cronometradas de apresentação. Ficou uma sensação de que algo faltou? Pois é, não rolou “Live Forever”... Mas, tudo bem... Após uma bela performance como essa, os encrenqueiros britânicos estão perdoados...

P.S.: apenas para justificar, a voz ruim de Liam Gallagher não é demérito algum. Ao contrário, podemos inclui-lo no time de péssimos vocais que são legais pra caramba, como Brian Johnson (AC/DC), Lemmy (Motörhead) e Dave Mustaine (Megadeth). Suas vozes são terríveis, mas alguém imagina o som destas bandas com uma voz diferente? (Não vale citar o saudoso Bon Scott no caso do AC/DC...).

Set List:
1 – Fuckin’ In The Bushes
2 – Rock ‘n’ Roll Star
3 – Lyla
4 – The Shock Of The Lightning
5 – Cigarettes & Alcohol
6 – The Meaning Of Soul
7 – To Be Where There’s Life
8 – Waiting For The Rapture
9 – The Masterplan
10 – Songbird
11 – Slide Away
12 – Morning Glory
13 – Ain’t Got Nothin’
14 – The Importance Of Being Idle
15 – I’m Outta Time
16 – Wonderwall
17 – Supersonic
18 – Don’t Look Back In Anger
19 – Falling Down
20 – Champagne Supernova
21 – I Am The Walrus

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

OasisOasis
Produtor "implora" para não voltarem

1327 acessosLiam Gallagher: "não é Radiohead nem Pink Floyd", diz sobre solo426 acessosAlta Fidelidade: o Oasis deveria voltar?0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Oasis"

OasisOasis
Noel Gallagher acusa Green Day de plagiar "Wonderwall"

TitãsTitãs
"Nheengatu" e as incríveis coincidências nas capas

AfetoAfeto
Mais fotos de rockstars que já se beijaram

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Oasis"

RushRush
Neil Peart ainda tem aulas de bateria

TrítonoTrítono
Diabolus In Musica e a relação com a Igreja

Suzi QuatroSuzi Quatro
A importância da linda baixista para o rock

5000 acessosIron Maiden: vencedor do X Factor Brasil canta "Aces High" em vídeo5000 acessosGuns N' Roses: banda se separou por causa de Michael Jackson, diz empresário5000 acessosBruce Dickinson: punks não sabem tocar e tem inveja do metal5000 acessosPara músicos: dicas para encarar o medo do palco5000 acessosSlayer: assassino do pai culpa a banda e assume morte de Jeff5000 acessosFutebol: conheça os times do coração de alguns rockstars

Sobre Doctor Robert

Conheceu o rock and roll ao ouvir pela primeira vez Bohemian Rhapsody, lá pelos idos de 1981/82, quando ainda pegava os discos de suas irmãs para ouvir escondido em uma vitrolinha monofônica azul. Quando o Kiss veio ao Brasil em 1983, queria ser Gene Simmons e, algum depois, ao ver o clipe de Jump na TV, queria ser Eddie Van Halen. Hoje é apenas um bom fã de rock, que ouve qualquer coisa que se encaixe entre Beatles e Sepultura, ama sua esposa e juntos têm um cãozinho chamado Bono.

Mais matérias de Doctor Robert no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online