Matérias Mais Lidas

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemSteven Tyler dá entrada em clínica de reabilitação após sofrer recaída

imagemVital, o ex-Paralamas que virou nome de música e depois foi pro Heavy Metal

imagemEncontro entre Paul Di'Anno e Steve Harris resultou em "algo que será discutido"

imagemA opinião de Arnaldo Antunes sobre a competição interna que havia nos Titãs

imagemMark Tremonti, do Alter Bridge, revela que é grande fã de lendária banda de metal

imagemShavo Odadjian, baixista do System Of A Down, conta quais álbuns mudaram sua vida

imagemTodos os discos do Nightwish, do pior para o melhor, em lista da Metal Hammer

imagemA definição de rock n roll segundo quem melhor entende do assunto: Mick Jagger

imagemO que Adrian Smith descobriu ao retornar ao Iron Maiden

imagemO dia que os membros do Black Sabbath foram amaldiçoados por uma seita satânica

imagemAs composições de Paul McCartney nos Beatles preferidas de John Lennon

imagemNick Mason relembra a época que o Pink Floyd desastrosamente tentou tocar reggae

imagem"Eu não tinha ideia de quão grande o Maiden iria ficar", diz Bruce Dickinson

imagemAerosmith e Guns N' Roses: O acordo sobre drogas em 1988


Tarja Turunen: As músicas e a banda no centro das atenções

Resenha - Tarja Turunen (Tavastia Club, Helsinque, 03/06/2008)

Por Petri da Costa
Em 17/06/08

Esse show em Helsinque concluiu a primeira parte da turnê desse ano de Tarja, que continua divulgando o seu CD solo "My Winter Storm". No mesmo dia e também em Helsinque, o Judas Priest iniciava sua turnê mundial. Mesmo com essa "concorrência" de peso, o show da Tarja teve um excelente público, que para minha surpresa era formado em grande parte por pessoas da faixa etária entre 30-40 anos.

Fotos: Petri da Costa

Já era 23h e finalmente a banda que vem acompanhando Tarja nessa turnê entra no palco e começam a tocar "Lost Northern Star". Uma vez que Tarja entra no palco, ela é ovacionada por todos que já gritam seu nome e parecem hipnotizados pela sua presença. E sem muita pausa tocam outras como "My Little Phoenix", "Minor Heaven" e "I Walk Alone". Tarja estava completamente feliz pela recepção do público que sempre cantava junto.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

É claro o show contou com músicas da "era Nightwish" como "Passion & The Opera" e "Nemo". O comeco do show foi realmente poderoso; as músicas do "My Winter Storm" soando melhores e mais pesadas. A banda que vem acompanhando Tarja é extremanente competente e é um show a parte, especialmente o baixista Doug Wimbish e o batera Mike Terrana. Houve ainda um curto solo de batera e depois, enquanto a Tarja descansava um pouco, toda banda fez uma jam ao vivo, que foi um dos destaques do show.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal


Quando Tarja volta, a banda toca a pesada "Ciarán’s Well" e depois músicas mais calmas, como "Our Great Divide", "Phantom of the Opera" onde Tarja dividiu os vocais com seu irmão Toni Turunen, que também durante o show tocou guitarra, violão e bateria eletrônica, "The Reign" e "Sing For Me". Já era quase o fim do show, Tarja fica no palco sozinha e toca "Oasis" no piano. Ela então apresenta os membros da sua banda e também os engenheiros de som e luz, demostrando muita simpatia.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Tarja agradece outra vez a presença de seus fãs e tocam então o cover do Alice Cooper, "Poison", que ao vivo ficou de longe bem melhor do que comparado à versão de estúdio e logo depois, para surpresa de muitos, "Wishmaster" uma das melhores da sua época no Nightwish. Quando parecia que era o fim, ela pergunta se todos querem mais e tocam "Die Alive" e fecham com "Calling Grace", num total de 1h e 30min. de show.

Foi estranho ver Tarja no palco sem seus ex-companheiros do Nightwish, sem explosões, fogos e efeitos normalmente usados para "dramatizar" ainda mais o show, e sem as músicas já esperadas. E justamente isso foi o ponto alto do show. O que se viu nessa noite foi o oposto do Nightwish. Foi um show intimista. A conexão maior de Tarja com o público, as músicas e a maneira como foram executadas deram um clima "teatral" e experimental para o show. Os únicos "efeitos" foram as luzes. Nada melhor do que um show onde as músicas e a banda são o centro das atenções.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp



Axl Rose: "ele é um fracassado", diz mulher de Slash


Sobre Petri da Costa

Fanático por cinema e música, colaborou como correspondente na Finlândia para a RockHard-Valhalla de 2002 até 2008, escrevendo reviews de shows e cds. Tem colaborado com a whiplash desde 2007.

Mais matérias de Petri da Costa.