Resenha - Quilmes Rock Festival 2008 (Buenos Aires, 30/03/2008)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Lucas Steinmetz Moita
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.












Aproximadamente 60 mil pessoas, várias nações e o mesmo objetivo. Essa é a melhor descrição para o primeiro dia do Quilmes Rock 2008, 30 de março, no Estádio Monumental de Nuñes em Buenos Aires que reuniu argentinos, brasileiros, paraguaios, uruguaios... fãs de todos o lugares da América Latina atrás de uma mesma oportunidade rara, ou talvez, única . O primeiro dia do festival trazia como atrações as bandas Carajo, Black Label Society, Rata Blanca, Korn, e o pai do Heavy Metal: Ozzy Osbourne.

Devido às modificações no transito da área do show em Buenos Aires, não estive presente em grande parte do show da banda argentina Carajo, que começou sua apresentação às 17 horas. A primeira coisa que se pôde notar no festival foi a auto-organização dos fãs presentes, já que pouquíssimos seguranças estavam no local (para a proporção de pessoas).

Pouco depois das 18 horas foi montado o palco para o Black Label Society. Uma cortina estampada com o logotipo da banda escondeu a montagem dos instrumentos em um palco gigantesco digno à altura dos nomes que estavam a ser apresentados no festival. A banda de Zakk Wylde (Vocal/Guitarra) começou com uma breve Intro e então a cortina caiu simultaneamente com a música “Been A Long Time”. Eu particularmente classificaria o show do Black Label como “propositalmente morno”, já que Zakk, o coração da banda, voltaria mais tarde no show principal da noite como guitarrista da banda de Ozzy Osbourne. O show teve aproximadamente 45 minutos, Zakk não trocou muitas palavras com o público e executaram em torno de 10 músicas. Entre elas estavam “Bleed For Me”, “Suicide Messiah”, “Fire It Up”, “Concret Jungle” e “Stillborn”.

Já ao anoitecer, foi a vez dos veteranos argentinos do Rata Blanca subirem ao palco mostrando um Heavy Metal com influências fortíssimas de Iron Maiden (principalmente o vocalista Adrien, já comparado há muito tempo com Bruce Dinckinson) que encanta aos argentinos desde 1988. A banda respondeu ao carinho e energia do público que demonstrou um grande “patriotismo musical”.

Enquanto o palco era preparado para o Korn, uma banda local não anunciada foi até a passarela em frente ao palco e durante uma curtíssima apresentação foi recebida a garrafadas plásticas de água mineral.

O Korn trouxe o show mais enérgico do festival. Nem um minuto do show foi silencioso, pois a cada espaço de tempo entre o final de uma música e o inicio de outra, ficavam soando efeitos eletrônicos nos PAs. Ganhando o público logo de início, o vocalista Johnathan Davis pergunta: “Quem aqui quer ver Ozzy Osbourne?”. O show chegou a ser até mesmo turbulento devido ao peso. Tocaram sucessos como “Adidas”, “Falling Away From Me”, “Here To Stay”, “Freak On A Leash” e “Blind”.

Ainda na troca de instrumentos, uma voz soou ao microfone de trás dos palcos dizendo “I Can Hear You!”... o público distante corre para perto do palco reconhecendo a voz. Então chegou o grande momento. Ozzy declarou que detesta a expressão “Heavy Metal”, mas nem por isso deixou de ser considerado o criador do gênero. Oito telões exibiram uma super bem-humorada Intro mostrando Ozzy em montagens sincronizadas com grandes sucessos do cinema e televisão, incluindo os seriados/filmes, "Lost", "The Office", "Borat" e "9 Semanas e Meia de Amor".

Ozzy Osbourne entra causando tumulto desde a primeira fila até o ultimo assento da arquibancada. Abriu com “I Don’t Wanna Stop” e “Bark At The Moon”. Sempre muito simpático e caminhando de um lado para o outro, tentando dividir a atenção a todos os cantos do estádio. Mais adiante foram executadas “Mr. Crowley”, “War Pigs” e o hino “Crazy Train”.

Em um solo de guitarra Zakk Wylde (guitarra) desperdiçou toda a energia que havia economizado na primeira vez que subiu ao palco com o Black Label Society, o que incluiu tocar com a guitarra nas costas, tocar com os dentes e batidas no peito como se fosse um gorila. O longo solo emendou nas primeiras notas de “Iron Man”, cantada em uníssono pelo público.

Ozzy anuncia uma balada e brilhando aos olhos de todos diz: “Eu amo todos vocês!”... E então vem “Here For You”. Tanto por pedido do Showman quanto por vontade própria, o público acompanha “Mamma I’m Comming Home” com os braços para o ar.

Encerrando gigantescamente, exatamente da maneira que um gigante como Ozzy deveria, um terremoto humano se criou do início ao fim de “Paranoid”.

A noite do festival acabou ao coro “Olê, olê, olê, olê, Ozzy, Ozzy”

Fotos e Texto: Lucas Steinmetz (Moita)
www.flogao.com.br/moitarock

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Madman publica foto de ensaio com Zakk Wylde

1356 acessosLoudwire: em vídeo, os 10 maiores riffs de metal dos 80's0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Ozzy Osbourne"

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Cruz feita com restos do World Trade Center

The OsbournesThe Osbournes
Sharon conta como Ozzy tentou assassiná-la

"Farewell""Farewell"
10 bandas que fizeram turnê de despedida, mas voltaram

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Ozzy Osbourne"

Futebol e rockFutebol e rock
As paixões de Harris, McCartney, Daltrey e outros

Álbuns ao vivoÁlbuns ao vivo
10 grandes registros da história do rock

Guns N RosesGuns N' Roses
A história da saída de cada integrante

5000 acessosRock: as dez lendas mais macabras do gênero5000 acessosAs histórias por trás de 11 capas clássicas5000 acessosMalmsteen: Slash, Vai, Satriani e Wylde falam do guitarrista5000 acessosTony Iommi: Donald Trump é fã do Black Sabbath3455 acessosSitra Ahra: Música, Fibonacci e o Diabo4526 acessosKiss: Paul Stanley explica o motivo da maquiagem

Sobre Lucas Steinmetz Moita

Formado em Jornalismo pela Unisinos, atua em duas áreas bastante bipolares: música pesada e teologia. Proprietário do site CristianismoHardcore.com.br, atuou durante 5 anos com o Programa MoitaRock, entrevistando diversos artistas nacionais e internacionais (como Andre Matos, Angra, Sebastian Bach e Blind Guardian). O Programa MoitaRock foi extinto, mas o trabalho com vídeo e entrevistas continua em HeavyTalk.com.br, ao qual também administra.

Mais informações sobre Lucas Steinmetz Moita

Mais matérias de Lucas Steinmetz Moita no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online