Resenha - Cannibal Corpse (Lapa Multishow, Belo Horizonte, 20/10/2007)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Maurício Gomes Angelo
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.







Passaram-se 3 anos desde que o Cannibal Corpse veio pela primeira vez em Minas Gerais. À época, Jack Owen, guitarrista e membro fundador, tinha acabado de, inesperadamente, deixar o grupo. Assim, o convocado Jeremy Turner veio e conseguiu dar conta do recado. Depois, para ficar tudo em família, Rob Barret, que passou pelo Cannibal de 93 a 97, após uma temporada no Malevolent Creation, foi chamado para assumir novamente o posto.

Fotos: Alexandre Oliveira

Digo isto porque dá pra notar, literalmente, ali, no palco, que o grupo tem um tom familiar. Algo além de “entrosamento” e coesão nas peças executadas. Antes, exalam uma paixão ardorosa pelo death metal, mostrando-se satisfeitíssimos por estarem vivendo desse tipo de música e em contato com seu público. E que suporte eles possuem! É notório que Belo Horizonte, até por motivos históricos, é um dos locais mais propícios para a cena extrema. Mas não deixa de impressionar a massiva presença no Lapa Multishow. Creio que, se todos os ingressos não foram vendidos, algo muito próximo aconteceu.

Bom, também, para as bandas de abertura. A metade do set que pude acompanhar do Nervochaos não chegou a surpreender, mas mostraram um grindcore eficiente e correto, com boas pitadas de death. Já o Sextrash, praticamente tão – ou mais antigo – que o próprio Cannibal Corpse, tradicionalíssimo na cena e merecedor de muito respeito por tudo que realizou, fez um opening-act curto e de extrema competência, mesclando faixas dos clássicos "Sexual Carnage" e "Funeral Serenade" com o - ótimo - e mais recente "Rape From Hell", sem dúvida agradando a todos.

Após um longo período de ajustes e aos ansiosos gritos de "Cannibal! Cannibal!", os estadunidenses sobem ao palco com a dantesca "Unleashing The Bloodthirsty". Era a deixa para que a pancadaria não ficasse solta, mas fosse guiada pelos cinco monstros ali presentes. Barret e sua cabeleira desgrenhada oferecia bases precisas, já Pat O'Brien, na maior parte do tempo quieto e sem interagir muito, é, no entanto, o ponto nevrálgico - e o termo aqui mostra-se absurdamente perfeito por uma série de motivos - da devastação sonora aparentemente caótica mas que na verdade revela peças de construção e desenvolvimento intrincado, recheadas de recursos técnicos e de uma rapidez e intensidade que apavoram. É louvável o quanto conseguem deixar tudo redondo, azeitado, inquestionavelmente bem tocado e com um poder de destruição difícil de se ver.

Isto, claro, deve-se principalmente à inominável cozinha de Alex Webster e Paul Mazurkiewicz: não por acaso os únicos remanescentes da formação original e donos de punch e técnica absurdas. Se o primeiro é um cavalo no auge da forma mas com nítido rumo do que faz - a tarefa de acompanhar seus dedos bem de perto é de embasbacar, o que dizer do segundo? Paul é rápido e brutal, óbvio, mas não é um mero atleta. Dentro das fronteiras naturais que a música da banda impõe, donde não querem nem devem fugir, o descendente de poloneses (país que têm revelado bons grupos extremos) mostra uma considerável variedade de recursos e uma inteligência acima do comum: explora o kit com amplitude e equilíbrio, dando uma força excepcional à composições como "Staring Through The Eyes Of Dead".

"I Cum Blood", "Put Them To Death" e "Vomit The Soul", trinca que beira à covardia, vieram na sequência e inundaram a casa com a sensação de se estar vendo algo no mínimo histórico. George "Corpsegrinder" Fisher, ao que parece, já desenvolveu uma mutação celular na região do pescoço, dada à facilidade em guiar a multidão em violentíssimas hélices. Sem muita conversa, o vocalista destrói num gutural impecável e em tons rasgados muito bem vindos. Entre uma música e outra, apenas uma pequena pausa para descanso e pôr as coisas no lugar. Com tantos clássicos no repertório, realmente sobra pouco tempo para papo. As novas, "Make Them Suffer" e "Five Nails Through The Neck", foram muito bem recebidas, assim como o material do anterior, "Wretched Spawn".

"Pit Of Zombies" incinerou a casa, e o encerramento, com "Devoured By Vermin", "Hammer Smashed Face" e "Stripped, Raped And Strangled" foi urrado com devoção por todos os presentes, em três músicas explosivas de brutalidade sem igual que representam a essência do Cannibal Corpse. Webster, ainda, foi o mais simpático, descendo no fosso e cumprimentando aos fãs que estavam na grade. Como sempre, em bandas desta bagagem, dá pra chiar a ausência de algumas composições. É normal. Mas ninguém pode reclamar do repertório escolhido: a carreira do grupo foi representada em toda sua extensão, com simplesmente músicas de todos os álbuns de estúdio. Ou seja, quem foi, presenciou somente a nata da trajetória de um dos nomes mais importantes da cena extrema, sem deixar nenhuma obra de lado.

Ao final de uma hora e meia de show, duvido que alguém tenha saído insatisfeito. Mesmo com quase 20 anos de carreira e mais de um milhão de discos vendidos - feito notável para o tipo de metal que fazem - o Cannibal é uma banda que transpira união, humildade e ressalta o espírito underground com consciência do seu papel. Corpsegrinder mandou a sua mensagem, simples e direto: "todos aqui, continuem apoiando o death metal". E o fato de ter se apresentado com uma camisa do Nervochaos é apenas um dos sinais deste comprometimento.

Dá gosto ver algo assim. Eles já sabem que sempre serão imensuravelmente bem-vindos a Belo Horizonte. Com a imensa recepção calorosa que tiveram, tem todos os motivos para voltarem e comemorar suas duas décadas de trajetória em solo mineiro. O público merece.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Cannibal CorpseCannibal Corpse
Título, capa e tracklist de novo álbum

1880 acessosFuracão Irma: George Fisher se abriga em escola com a família1268 acessosCannibal Corpse: os álbuns do pior ao melhor pela Metal Hammer260 acessosEm 17/08/1990: Cannibal Corpse lança o seu debut Eaten Back To Life0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Cannibal Corpse"

Metal HammerMetal Hammer
As melhores músicas da história do Death Metal

Death MetalDeath Metal
As 10 melhores (ou piores?) capas do estilo

Cannibal CorpseCannibal Corpse
Um dos que pousou sonda no cometa é headbanger

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Cannibal Corpse"

Black SabbathBlack Sabbath
"Iron Man" em inusitado baixo artesanal

E-FarsasE-Farsas
Papa Francisco era fã do Black Sabbath?

CuriosidadesCuriosidades
As histórias por trás de 11 capas clássicas

5000 acessosÁrvore Genealógica do Metal e do Rock5000 acessosFotos de Infância: Bon Scott, do AC/DC5000 acessosRunaways: Jackie Fox conta como foi estuprada por Kim Fowley5000 acessosPlanno D: 10 momentos marcantes do Rock in Rio 20155000 acessosVarg Vikernes: crítica a Euronymous e Venom em novo vídeo5000 acessosMetallica: Dave Mustaine queria assistir a banda no Rock in Rio?

Sobre Maurício Gomes Angelo

Jornalista. Escreve sobre cultura pop (e não pop), política, economia, literatura e artigos em várias áreas desde 2003. Fundador da Revista Movin' Up (www.revistamovinup.com) e da revrbr (www.revrbr.com), agência de comunicação digital. Começou a escrever para o Whiplash! em 2004 e passou também pela revista Roadie Crew.

Mais matérias de Maurício Gomes Angelo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online