Deftones: nata do repertório, para deleite dos fãs

Resenha - Deftones (Via Funchal, São Paulo, 10/02/2007)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fernão Silveira
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Os californianos do DEFTONES, liderados pelo vocalista Chino Moreno, levaram à loucura uma platéia formada por jovens que lotou o Via Funchal, em São Paulo, na noite do último sábado (10/2/2007). Em quase duas horas de show, a banda estreou na capital paulista mostrando a nata de seu repertório - para deleite dos fãs.

Deftones: banda toca "Gauze" pela primeira vez; assistaBullet For My Valentine: Baterista conta o inferno que é abrir para o Iron Maiden

O quinteto, um dos expoentes do movimento conhecido como "nu metal", acertou em cheio na escolha do setlist para o seu primeiro show em terras bandeirantes. E a maior prova desse êxito foi a reação do público, que cantou e pulou em praticamente todas as músicas. Até mesmo as faixas "Xerces", "Rats, Rats, Rats" e "Hole in the Earth", do mais novo álbum da banda ("Saturday Night Wrist"), tiveram uma recepção calorosa.

Mas os melhores momentos foram proporcionados pelas músicas que construíram o sucesso do DEFTONES, como "Korea", "Knife Party", "Feiticeira" e "My Own Summer" (que faz parte da trilha sonora do filme "Matrix"). Para fechar o show com impacto, no segundo bis da noite, os californianos mandaram "Change" e "Head Up", levando o público ao êxtase.

A platéia, por sinal, foi um espetáculo à parte. Os fãs contribuíram muito para tornar o show mais caloroso, acompanhando Chino Moreno em todos os refrões. A garotada que invadiu a pista, em boa parte recém-saída da pré-adolescência, mostrou verdadeira devoção ao quinteto, e em especial ao frontman Moreno - que esteve um tanto frio e quase não procurou se comunicar.

O comportamento do público, por sinal, poderia causar algum estranhamento em espectadores mais acostumados a shows de rock "old school" - como é o caso deste que vos escreve. Em vários momentos, a gurizada mais parecia estar em uma festa rave do que num show de metal.

A banda fez a sua parte e exibiu o que se esperava: peso nas guitarras, uma cozinha marcante e muita gritaria no vocal. Os fãs do DEFTONES certamente saíram do Via Funchal bastante satisfeitos naquela noite de sábado.


Outras resenhas de Deftones (Via Funchal, São Paulo, 10/02/2007)

Deftones: Em São Paulo, uma grande noite, apesar de problemas técnicos




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Deftones"


Deftones: banda toca "Gauze" pela primeira vez; assista

Nü-Metal: De onde veio? Para onde foi? A culpa é do Sepultura?Nü-Metal
De onde veio? Para onde foi? A culpa é do Sepultura?

Deftones: por que eles não querem fazer turnês com o KornDeftones
Por que eles não querem fazer turnês com o Korn

Nu Metal: dez discos essenciais do gêneroNu Metal
Dez discos essenciais do gênero


Bullet For My Valentine: Baterista conta o inferno que é abrir para o Iron MaidenBullet For My Valentine
Baterista conta o inferno que é abrir para o Iron Maiden

Scorpions: a história por trás da música Wind of ChangeScorpions
A história por trás da música "Wind of Change"

Edu Falaschi: os dez vocalistas brasileiros preferidos deleEdu Falaschi
Os dez vocalistas brasileiros preferidos dele

Sonho de Consumo: os 10 palcos de shows mais desejadosComo ajudar a financiar o Whiplash.Net?David Gilmour: "High Hopes" em uma versão acústica e introspectivaSebastian Bach: "eu era um brinquedinho das mulheres mais velhas"

Sobre Fernão Silveira

Paulistano, são-paulino, nascido nos "loucos anos 70" (1979 ainda é década de 70, certo?) e jornalista. Sua profissão já o levou a cobrir momentos antológicos da história da humanidade, como o título paulista do São Caetano, a conquista da Copa do Brasil pelo Santo André, a visita de Paris Hilton a São Paulo e shows de bandas como Judas Priest, Whitesnake, W.A.S.P., Megadeth, Slayer, Scorpions, Slipknot, Sepultura e por aí vai. Ainda tem muito gás para o nobre ofício jornalístico, mas acha que não vai muito mais longe depois de ter entrevistado Blackie Lawless, Glenn Tipton, Rogério Ceni e, claro, Paris Hilton.

Mais matérias de Fernão Silveira no Whiplash.Net.