Resenha - Deep Purple (Chevrolet Hall, Belo Horizonte, 03/12/2006)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Der Hell
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O domingo em Belo Horizonte começou com o céu claro e, em poucas horas, o sol tomou conta do dia, descontando a terrível quinta-feira passada, que registrou a pior chuva dos últimos 50 anos. Graças também ao horário de verão, foi com o sol ainda brilhante que o Deep Purple entrou no palco do Chevrolet Hall e iniciou o show com “Pictures of Home”. A claridade gerou um efeito estranho, pois o teto da casa é coberto por policarbonato, deixando o local com aquela sensação de “esqueceram as luzes acesas” ou “a iluminação da banda não está funcionando...”. Enquanto o Deep Purple ia tocando, o sol ia morrendo, até que as luzes de palco da banda foram acesas.

1591 acessosDeep Purple: O videoclipe enigmático de "The Surprising"5000 acessosFotos de Infância: Arch Enemy

O local não estava tão cheio – domingo e ingresso mais caro – e a faixa etária predominante era de mais de 30, menos de 40. O show do Slayer, por exemplo, estava mais cheio.

Falar do set list não dá a menor noção de como foi o show. Cada música foi muito estendida em relação às versões de estúdio, com improvisos (naturalmente muito ensaiados) no meio das músicas, longas passagens instrumentais e introduções diferentes para os tradicionais clássicos. “Smoke on the Water”, por exemplo, começou com Steve Morse tocando uma peça clássica na guitarra, até resolver a melodia com o super-hiper-mega-famoso riff introdutório. Em outras músicas, a banda interrompia a passagem instrumental para a locomotiva conhecida como Ian Paice fazer um solo rápido e impecável, mostrando que a máquina ainda soa como nos clássicos álbuns ao vivo dos anos 70. Uma forte luz branca no palco, que parecia uma coluna com um refletor, certamente era o farol da locomotiva em ação. Ainda com relação a Ian Paice, não apenas o som que ele faz é bom, mas o desenho que os braços dele fazem no ar, o movimento que gera aquele ritmo, a sua mecânica, é tudo impressionante de se ver.

Toda a banda, aliás, está em forma. Dizer que Ian Gillan não canta mais como antigamente não faz justiça. Os mesmos vocais, os mesmos gritos e as tradicionais dobradinhas de solo junto à guitarra. Pés descalços e calça de pijama, o cara está à vontade. Roger Glover continua com o mesmo lenço amarrado na cabeça e a tradicional marcação de baixo. Don Airey, o multitecladista que tocou com todo mundo, substituiu Jon Lord à altura, fazendo os tradicionais solos idênticos aos originais, com os mesmos ruídos dos velhos moogs. Steve Morse é um super-guitarrista, virtuoso e de bom gosto. O momento solo, onde ele emendou trechos de Guns n´Roses, AC/DC, Led Zeppelin, Cream, foi um dos melhores do show.

De desagradável, somente um fã, mais ardoroso, que subiu no palco no meio da segunda música e agarrou Ian Gillan, que precisou de quatro seguranças para removê-lo. A banda continuou tocando normalmente, enquanto Mr Gillan tentava se soltar do apaixonado fã. Outros, mais educados, apenas subiam no palco para se atirar lá de cima.

Ficou de melhor a impressão que a banda levou do público, que participou do show todo o tempo, e ao cantar o refrão de “Smoke on the Water” levou Mr Gillan a dar um pulo para trás, com a mão no coração, brincando com o público.

Crítica à banda: o setlist foi curto... havia material para mais. O setlist foi exatamente o mesmo da european leg desta tour, e o mesmo que a banda vem fazendo no Brasil, sem variações. Podiam ter variado algumas músicas, incluído outras. Particularmente apoio a idéia de se fazer shows baseados no último disco, modo de se promover o álbum e um atestado de qualidade da própria banda. Naturalmente, os clássicos não podem ficar de fora de um show, e é sempre bom executar músicas de toda a discografia. Mas variar de um show para outro dá a oportunidade de se ouvir músicas diferentes. Esta foi a quarta vez que vi o Dee Purple, e em todos os shows, o set list foi basicamente o mesmo; os mesmos clássicos, entremeados com músicas do último disco. Assim, nunca mais “Sometimes I Feel Like Screaming” ou “Child in Time”.

Setlist :
Pictures Of Home,
Things I Never Said
Into The Fire,
Strange Kind Of Woman,
Rapture Of The Deep,
Fireball,
Wrong Man,
Steve Morse Guitar Solo,
When A Blind Man Cries,
Lazy,
Don Airey Keys Solo
Kiss Tomorrow Goodbye
Perfect Strangers,
Space Truckin´,
Highway Star,
Smoke On The Water.

Encore:
Hush,
Black Night.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Deep PurpleDeep Purple
Novo vídeo, documentário e vinil triplo ao vivo

1591 acessosDeep Purple: O videoclipe enigmático de "The Surprising"1249 acessosPlayboy: Deep Purple, Grand Funk, Steppenwolf e outros ao vivo0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Deep Purple"

Heavy MetalHeavy Metal
11 músicas pesadas lançadas antes de surgir o gênero

Tommy BolinTommy Bolin
Os excessos estavam acabando com aquele cara...

Deep PurpleDeep Purple
Phil Collen na contracapa de Made In Japan?

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Deep Purple"


Fotos de infânciaFotos de infância
Angela Gossow, do Arch Enemy, muito antes da fama

Zodíaco TrueZodíaco True
Os perfis de cada signo em versão Headbanger

RodolfoRodolfo
100% arrependido das letras dos Raimundos

5000 acessosSteven Tyler: vocalista admite que já queimou a rosca5000 acessosFull Rock: 10 músicas desgraçadas por bandas de forró5000 acessosMegadeth: a canção que Dave Mustaine menos gosta5000 acessosSteve Vai: não quis ficar com Ozzy pra não ter que tocar Paranoid2605 acessosMetallica: "For Whom The Bell Tolls" tocada... em sinos!5000 acessosRockstars que atacaram a igreja, Jesus Cristo e Deus

Sobre Der Hell

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online