Resenha - Children Of Bodom (Lapa Multishow, Belo Horizonte, 14/08/2004)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.







Fotos: Thiago Pinto Corrêa Sarkis

Na sessão de autógrafos do Children Of Bodom, um dos assuntos comentados, e que chegou a mim diretamente foi a resenha publicada no Whiplash! sobre o show de São Paulo, autoria de Carlos Eduardo Corrales. Logo percebi uma polêmica na “cusparada” relatada pelo crítico em seu texto. Porém, papo demais rodeava isto e também as atitudes da banda finlandesa - especialmente de seu líder - sendo que estávamos há um dia de um show que, sem dúvida, fora muito esperado na capital mineira.

Uma boa crítica cria um certo falatório mesmo e serve, acima de tudo, para te situar, falar do que aconteceu durante um evento, daquilo que podemos esperar. E neste ponto, Corrales foi exímio. Particularmente, decidido a não levar saliva pra casa, logo me coloquei a uma distância de, digamos, segurança e auto preservação.

Antes de falarmos da atração principal, destaquemos a qualidade da produção, a organização do local, e o respeito com a imprensa e o público. Foi realmente agradável estar no Lapa, ver que havia prioridade e uma ordem para maior cuidado e atenção a seres humanos e não animais, usualmente chamados de “seguranças”.

Falemos também das bandas de abertura. Tive o infortúnio de perder o Eternal Torture, pois uma breve entrevista com Alexi Laiho foi realizada praticamente no mesmo horário em que a primeira banda subiu ao palco. Todavia, pude ouvir os excelentes músicos do Ruffian, num death de grandes proporções. Eles foram um achado para a abertura, contudo, a duração da apresentação acabou por irritar um pouco. Este já é um erro corriqueiro por essas terras, e não sei se é por parte do grupo, ou qualquer outra pessoa. Há, de qualquer forma, de ser corrigido. Se é banda de ABERTURA, que cumpra um bom papel, prepare o público, e não permaneça no palco praticamente o mesmo tempo que a atração principal. O Ruffian tocou muitíssimo bem, e fez bonito, mas prolongou demais seu set.

O tão esperado Children Of Bodom usou de perspectiva diferente, num show conciso, de uma hora e meia, mais ou menos. Porém, indubitavelmente, suficientemente intenso, adequado e eficiente. Você pode dizer que foi ridículo deixar de tocar “Children Of Decadence”, ”Lake Bodom”, entre tantas outras que marcaram a carreira do conjunto. Seria mesmo bacana ouvir todas estas músicas ao vivo, mas sempre irá faltar esta ou aquela composição, predileta deste ou daquele fã. O show é muito bem preparado, o set inteligente, e a duração bastou, pelo que pude perceber, para satisfazer a maioria – incluo-me aí.

Algo notório em Laiho e Blacksmith é a presença de palco. Podem ser polêmicos, porém o efeito que causam é impressionante. Postura, firmeza, agressividade e execuções fantásticas. Em Minas Gerais, Alexi levou seus solos muito bem, principalmente quando acompanhado por Janne Warman nos teclados. Por falar neste, é um sujeito não tão carismático, mas competente também ao vivo, e tenta um maior contato brincando durante intervalos das músicas. Numa destas, tocou a introdução de “Alex F.”, tema do famoso filme “Um Tira da Pesada” com Eddie Murphy, originalmente gravado por Harold Faltermeyer.

O substituto de Alexander Kuopalla se dá bem no palco, tem presença, mas parece fora do contexto do Children Of Bodom. É bem mais velho que seus companheiros, e coloco em dúvida sua continuidade e efetivação na banda.

Em termos de repertório, comentários são até desnecessários. Executadas com imensa precisão e garra, “Bodom After Midnight”, “Deadnight Warriors”, “Towards Dead End”, “Everytime I Die”, músicas do novo álbum como “Angels Don’t Kill” e “Needle 24 / 7”, e a saideira com “Downfall”, cresceram, deixaram a audiência ensandecida, e provaram que o Children Of Bodom é ainda melhor ao vivo que em estúdio.

Alexi Laiho cuspiu norte, sul, leste, oeste. Molhou a si mesmo, ao público, seguranças, e jornalistas desavisados. Literalmente, à sua maneira, bem acompanhado e com excelência, ele fez chover naquele sábado fantástico! Sorte que a nuvenzinha não ficou em cima da minha cabeça.

AGRADECIMENTOS:
Officina de Produções (Marcelo),
Live in Brazil (Wanise),
Live in Italy e All-access.de (AC).

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Rock e MetalRock e Metal
7 nomes de bandas que você pronuncia errado, parte 2

721 acessosRoope Latvala: depressão após "traição" do Children Of Bodom0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Children Of Bodom"

2000 a 20022000 a 2002
10 shows/turnês pouco comentados

Tarja TurunenTarja Turunen
Vocalista reprova cover do COB no The Voice

Children Of BodomChildren Of Bodom
Alexi não se atreveria a tocar Dire Straits

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Children Of Bodom"

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Amy Lee, do Evanescence, muito antes da fama

Collectors RoomCollectors Room
Vinícius Neves, do Stay Heavy, mostra a sua coleção

Breast of the BeastBreast of the Beast
Miley Cyrus mostra peitinhos com camisa do Maiden

5000 acessosRolling Stone: os 100 melhores álbuns dos anos 905000 acessosMMA: os lutadores que curtem Rock e Heavy Metal5000 acessosMusic Radar: Os maiores frontmen de todos os tempos5000 acessosValentina: roqueira é a primeira finalista do The Voice Kids5000 acessosGuitarra: os dez piores solos já realizados5000 acessosLemmy: seu patrimônio é muito menor do que se pensava

Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online