Matérias Mais Lidas

imagemO reencontro entre Steve Harris e Paul Di'Anno na Croácia

imagemEddie aparece em versão samurai no primeiro show do Iron Maiden em 2022; veja foto

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemJen Majura disse que sair do Evanescence não foi decisão dela e recebe apoio dos fãs

imagemConfira as músicas que o Iron Maiden tocou no primeiro show de 2022

imagemRoger Daltrey revela a música "amaldiçoada" que o The Who não toca mais ao vivo

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemAngra: Quantos shows seguidos a voz aguenta sem restrições? Fabio Lione responde

imagemSentado em cadeira de rodas, Paul Di'Anno faz primeiro show em sete anos

imagemDee Snider cutuca bandas com falsas aposentadorias e ingressos caros

imagemOzzy Osbourne diz que está bem aos 73 anos, mas sabe que sua hora vai chegar

imagemO clássico do Helloween que fez Angra mudar nome original de "Running Alone"

imagemVeja Iron Maiden tocando músicas do "Senjutsu" pela primeira vez ao vivo

imagemAndre Matos sempre foi de esquerda e reprovaria governo atual, diz irmão do maestro

imagemDo Ozzy ao Slayer: veja os momentos mais metal do desenho South Park


Stamp

Cannibal Corpse: Dia para entrar na história do metal de Minas Gerais

Resenha - Cannibal Corpse (Orion, Belo Horizonte, 18/06/2004)

Por Thiago Sarkis
Em 18/06/04

Eu podia jurar que a saída de Jack Owen havia abalado imensamente tanto o Cannibal Corpse quanto os seus fãs, a ponto destes últimos não comparecerem ao show em grande número. De fato, cheguei a ter receio disso ou do pior, o cancelamento da turnê. Além de tudo senti uma "leve" frustração quando recebi a notícia de que Owen não vinha para a América do Sul. Porém, a banda surpreendeu, em nenhum momento se esquivou de seus compromissos, e em menos de um mês conseguiu colocar o substituto Jeremy Turner nos trilhos, apto a tocar com competência as partes do ex-guitarrista.

O público? Bem, previsivelmente seria grande. Contudo... foi AINDA MAIOR que o esperado. Death metal para cerca de mil e quinhentas pessoas? Cacetada. Os números oficiais podem destoar ligeiramente, mas aparentemente este aí bateu os recordes do ano na capital mineira e conseguiu reunir mais gente que o Destruction e o Dimmu Borgir.

Algo de muito especial estava para acontecer naquela noite e isso ficou claro quando passei mais cedo na Orion, por volta de quatro ou cinco horas antes do show, e muita gente do lado de fora já na espera, ouvindo de longe a guitarra de Pat O’Brien, o baixo de Alex Webster e a bateria de Paul Mazurkiewickz – vestindo uma camisa do D.R.I., e merece muitos pontos por isso - durante a passagem de som.

O clima estava ótimo, apesar de ser perceptível o cansaço da longa turnê que iniciaram desde o lançamento do "The Wretched Spawn" (2004), e igualmente o estado de choque pela saída de um membro ‘fundador’ do conjunto. Todavia, não deixaram a peteca cair e horas depois isto foi comprovado na apresentação violentíssima que realizaram.

Atrasei-me um pouco e perdi o Hell Trucker. Lamentável, pois gostaria de ouvi-los ao vivo novamente e especialmente escrever sobre eles. Boa banda e que tem retorno insuficiente perante o trabalho que faz. Não dava para me lamentar muito, pois o Extreme Hate já disparava seu set quando entrei no local. Uma abertura correta, ok. Bem recebido por um grupo já delineado de admiradores e suficiente para a espera do Cadáver Canibal.

Os americanos não tardaram a adentrar o palco e logo começaram a repassar seus quinze anos de carreira numa amostra de extrema competência, experiência, e brutalidade sonora. Incessantes e insaciáveis devoraram álbum-a-álbum, e enlouqueceram os mineiros que de longa data aguardavam por aquele momento.

A primeira música foi tirada exatamente donde tudo começou, "Shredded Humans" do disco "Eaten Back To Life" (1990). Tentando encontrar um lugar, ouvi comentários inesquecíveis e vindos da velha guarda mesmo. Gente falando: "Cara, é o Cannibal Corpse ali". Olhares e reações de incredulidade diante do impacto inicial e, sim, real, deixando sua marca na história.

Um monstro chamado George Fisher, o qual garantiu inacreditavelmente sua voz da primeira à décima oitava e última música tocada, pasmava os presentes. Festival de harmonias e melodias em moldes brutos, arrebatando com clássicos como "Stripped, Raped, And Strangled", "Gallery Of Suicide", "Fucked With A Knife", "Puncture Wound Massacre" e "Vomit The Soul".

Pat O’Brien executa fielmente as músicas que antecederam sua entrada no Cannibal e escandaliza no material que ajudou a produzir. Para resumir: o cara é rápido, limpo, e detentor de uma sonoridade feroz numa guitarra que fala alto. Por vezes, alto até demais, e ouvir Alex Webster torna-se uma tarefa difícil. Porém, assim que alcançado o exercício, nota-se um trabalho espantoso. Baixo vigoroso que se sobressai em "Staring Through The Eyes Of The Dead", uma das melhores do show, e também em "Unleashing The Bloodthirsty", entre tantas outras.

Para não deixar sem notificação, o material mais recente foi bem aceito. "They Deserve To Die" foi ponto de destaque no set e "Pit Of Zombies", proveniente de "Gore Obsessed" (2002), também.

A cada música, a maioria com duração de quatro minutos, cinco no máximo, os membros do conjunto viravam-se, pegavam uma toalha e tomavam uma cerveja ou água. O local se tornou um vulcão no meio de Belo Horizonte. Nem dava para lembrar o quão fria estava aquela noite. E o bis garantiu o fervor por umas três, quatro horas pós-show. Final primoroso com "A Skull Full Of Maggots" e a soberba "Hammer Smashed Face", memorável e escoltada por fãs que pareciam prontos para mais algumas horas de insanidade.

Onze de junho de dois mil e quatro é dia para entrar na história das Minas Gerais em termos de metal. Minto, não só nestes limites, mas sim em considerações musicais gerais. Não é todo dia, tampouco em qualquer lugar, que uma banda de death metal, seja qual for, tem uma audiência tão grandiosa. E dizem que feriados atrapalham, isso e aquilo... puro blah, blah, blah!

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Umbilicus: músicos do Cannibal Corpse e Deicide anunciam álbum hard rock

Cannibal Corpse: fãs homenageiam ex-vocalista com um sonoro "Fuck Chris Barnes"


Cannibal Corpse: o que Corpsegrinder faz com os bichos de pelúcia que pega em máquinas



Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis.