Resenha - Angra (Palace, São Paulo, 16/07/1999)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Sabrina Gaspar Cano
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Fogos.

E muita vibração, tanto por parte da banda quando do público. Assim foi a apresentação dos brasileiros do Angra no último dia 16, uma quente sexta-feira de inverno. A banda subiu ao palco às 22h30, logo após a apresentação do Karma (performance que essa que vos fala não pôde presenciar, uma vez que chegou apenas no final. Tendo assistido apenas duas músicas, não me vejo no direito de fazer uma crítica séria a respeito, mas a banda tem muito nível, capacidade e técnica, pelo que pôde ser percebido).

Assim, a introdução de "Wings of Reality" já dava sinais do que os fãs presentes podiam aguardar da noite: uma luz muito intensa no palco, os primeiros acordes da música e, de repente, bum! A explosão e todo o Palace se encheu de um vermelho intenso, quase chegando a cegar, principalmente os que estavam perto do palco.

"Nothing to Say" e "Lisbon" agitaram o público, mostrando que os músicos andam em ótima forma, explicando o porquê desses cinco cabeludos terem caído nas graças da mídia e do público, tanto nacional quanto internacional, sendo chamados por muitos de "o novo Sepultura".

Andre Matos, com sua tradicional camisa branca de babados, está com o vocal tão afinado quanto nos tempos do "Angels Cry", mostrando talento e virtuosismo, além de provar que suas aulas de canto, regência e composição foram muito bem aproveitadas, conseguindo dominar a voz como poucos.
Kiko Loureiro e Rafael Bittencourt sempre dão provas de seu entrosamento nas guitarras, e Luis Mariutti, como de costume, tocou seu baixo de maneira agressiva, sempre muito "na sua", mas formando a "cozinha" perfeita com Ricardo Confessori, com seus impagáveis 'dreads' no lugar de seus longos cabelos.

O som do Palace estava perfeito, fazendo com que a bateria fosse ouvida perfeitamente, coisa meio incomum nas casas de shows atualmente. Apesar do aspecto "mauricinho" do Palace, ele sempre se mostra o lugar certo para abrigar shows de heavy metal, com sua capacidade mediana e acústica em sintonia com a banda.

Os "picos" da noite ficaram por conta das 'velhas' "Time" (que veio logo no início, esquentando a galera, fazendo todos cantarem junto), "Angels Cry", "Stand Away" e "Carry On" (com direito a "Unfinished Allegro" na introdução), que fizeram o público bangear e cantar junto, letra por letra. A emoção de vir "Stand Away" ao vivo é inexplicável, mesmo para quem (como essa que vos fala) já presenciou esse verdadeiro espetáculo várias vezes. Essas músicas, particularmente falando, foram feitas sob medida para serem executadas num palco, principalmente com um público receptivo e satisfeito como era o caso do que se encontrava no Palace naquela sexta-feira.

Em meio a todas as músicas, muita pirotecnia, com performances realmente divertidas, lembrando um circo, com o tão famoso "engolidor de fogo", com suas tochas passeando pelo ar enquanto o público, vidrado, observava aquela interessante apresentação, mas não muito condizente com um show de heavy metal... Bem, isso é discutível e nem cabe a mim julgar a relevância dessas performances no meio do show. As explosões sim, essas encantaram o público, dando até em certos momentos pequenos sustos, já que estávamos tão entretidos com o show e, de repente, vários "bums" se faziam no decorrer do mesmo, levando todos ao delírio.

Também tocaram "Metal Icarus", "Carolina IV" (perfeita e completamente estonteante, como sempre), "Extreme Dream", "Mystery Machine", "Gentle Change" (muito conceituada e comemorada pelos fãs da banda), além dos já prováveis solos de bateria e guitarra.
A noite acabou um pouco antes de completar duas horas que a banda havia subido ao palco. E, quando a luz se apagou, ficou aquele gostinho de "quero mais", principalmente pela não inclusão de um cover (como Judas Priest, Manowar ou Iron Maiden, que a banda costuma incluir) nesse set list. Os gritos de "Painkiller" (música do Judas Priest que o Angra gravou e, assim, costuma executar em seus sets) pareceram não ter sido ouvidos... E ficou tudo assim mesmo. Quem pôde, com certeza voltou no outro dia, afinal, o metal estava lá, no palco, durante essas quase duas horas, para quem quisesse e pudesse ver. Um show com muita competência e categoria. Vida longa ao Angra!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Angra"


Rodz Online: 25 Anos de Philips Monsters of Rock 1994 (vídeo)

Marcelo Barbosa: assista a Big Trouble, novo clipe solo do guitarrista do AngraMarcelo Barbosa
Assista a "Big Trouble", novo clipe solo do guitarrista do Angra

Luis Mariutti: os bastidores do reencontro com Edu Falaschi e Alex Holzwarth

Kiko Loureiro: trabalhando em novo disco soloKiko Loureiro
Trabalhando em novo disco solo

Rhapsody: Fabio Lione em entrevista exclusiva ao Brasil

Luis Mariutti: comentando a polêmica participação do Angra no Programa do JôLuis Mariutti
Comentando a polêmica participação do Angra no Programa do Jô

Rafael Bittencourt: novos planos do Angra e do Bittencourt ProjectRafael Bittencourt
Novos planos do Angra e do Bittencourt Project

Kiko Loureiro: História das Antigas #5 Macumba na CachoeiraKiko Loureiro
História das Antigas #5 Macumba na Cachoeira

Luis Mariutti: reagindo à participação do Angra no TV mulherLuis Mariutti
Reagindo à participação do Angra no TV mulher

Angra: tour encerrada com show sold out a banda se recolhe para compor novo álbumAngra
Tour encerrada com show sold out a banda se recolhe para compor novo álbum

Angra: Banda encerra a turnê Magic Mirror em SP neste domingoDallton Santos: Confira o novo single/videoclipe de "Aliens"

Luis Mariutti: Se eu sou o melhor eu não sei, mas os meus fãs sãoLuis Mariutti
"Se eu sou o melhor eu não sei, mas os meus fãs são"

Kiko Loureiro: Histórias das Antigas #4 Metal na AmazôniaKiko Loureiro
Histórias das Antigas #4 Metal na Amazônia

Esfera do Rock: Andre Matos se foi. E agora?

Rhapsody: o Angra reabriu as portas do metal, diz Luca TurilliRhapsody
O Angra reabriu as portas do metal, diz Luca Turilli

Kiko Loureiro: Mustaine deixou ele dar palpites no novo disco?Kiko Loureiro
Mustaine deixou ele dar palpites no novo disco?

Dave Mustaine: estou ficando melhor na guitarra graças a KikoDave Mustaine
Estou ficando melhor na guitarra graças a Kiko


Heavy Metal: as piores capas dos grandes artistas do gêneroHeavy Metal
As piores capas dos grandes artistas do gênero

Vanusa e Black Sabbath: a notável coincidência nos riffsVanusa e Black Sabbath
A notável coincidência nos riffs

Metromix: a lista dos vocalistas mais irritantes do rockMetromix
A lista dos vocalistas mais irritantes do rock

Iron Maiden: Bruce Dickinson revela sua "canção de merda"Rob Halford: "Talvez eu seja o único Gay vocalista de Metal"Saxon: "'Crusader' é nosso maior álbum", afirma Biff ByfordMax Cavalera: mais histórias insanas de sua autobiografia

Sobre Sabrina Gaspar Cano

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adClio336|adClio336