Resenha - Metallica (Rio de Janeiro, 09/05/1999)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Pedro Fraga Bomfim
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Como começar a falar sobre esse show? Essa foi a minha primeira banda do coração, além de Ter sido a primeira banda de metal que eu ouvi. Quando eles vieram na última turnê eu e muitos outros fãs não pudemos ir ao show, que só aconteceu em São Paulo. Mas dessa vez o Metallica tocou no Rio de Janeiro e o Whiplash! esteve lá para conferir!

4555 acessosMetallica: por que cortamos os nossos cabelos?5000 acessosUncut Magazine: fãs elegem as 10 melhores músicas do Pink Floyd

O dia era um tanto estranho para um show: Domingo (além de ser Dia das Mães...). O local era o estádio do Flamengo, na Gávea. Chegando lá, depois de participar do encontro da galeras das listas Whiplash e da lista da banda Sigma-5, entramos no estádio para assistir aquele que prometia ser o melhor show do ano.

O estádio não estava muito cheio quando o Sepultura entrou no palco para tocar o show do disco Against. O novo vocalista segura muito bem as pontas, mas as músicas novas não empolgam muito. Quando resolveram tocar músicas mais antigas, como Refuse/Resist, Troops Of Doom, Territory, Beneath The Remains e Arise as coisas esquentaram bem mais.

Devo notificar algo que me impressionou muito: o pontualismo da produção. Pela primeira vez eu vi um show começar exatamente no horário planejado e terminar dentro do prazo também. Portanto, depois de exata uma hora de presença no palco, sai o Sepultura.
Depois de um pouco mais de meia hora, James Hetfield, Kirk Hammet, Lars Ulrich e Jason Newsted surgem no palco, abrindo o show com Breadfan, do Budgie. Particularmente acho que existiriam diversar músicas muito mais apropriadas para a abertura do show, mas tudo bem. Até porque logo em seguida foram ouvidos pelo público os primeiros acordes de um dos maiores clássicos da história do metal – Master Of Puppets. Confesso com orgulho que durante essa música eu não consegui segurar a emoção e chorei muito, especialmente durante o solo, um dos mais bonitos que eu já ouvi.

Em seguida, Of Wolf And Man e The Thing That Should Be. A primeira uma das melhores músicas do Black Album. A segunda, uma grata surpresa para os fãs antigos, que apesar de não ser exatamente uma música 100% adequada para shows, matou a saudade daquele que é na minha (e de muito outros) opinião o melhor álbum do Metallica. Depois de um estranhíssimo solo de guitarra de Kirk Hammet, eles entram com a parte do show com apenas músicas novas; Fuel (com a primeira leva de fogos de artifício), The Memory Remains e Bleeding Me. Apesar de hoje em dia eu achar o Load/Reload discos bons (ao contrário do que eu pensava na época dos seus lançamentos), não gostei muito da escolha das músicas. Existiam diversas outras bem melhores.

Independente disso, o show seguiu em frente com um duo de guitarra e baixo. A introdução de Welcome Home (Sanitarium) foi tocada e para a nossa infelicidade, ficou só por isso. Logo em seguida, The Four Horsemen. Foi aí que eu me dei conta de que era um dos poucos fãs antigos dentro do estádio. A maioria do público estava completamente apática, olhando de braços cruzados uma das melhores porradas do Metallica. Depois disso, um dos maiores hinos da história do metal foi tocado com louvor – For Whom The Bell Tolls, seguida por King Nothing e Wherever I May Roam.

A banda sai do palco e fogos de artifício começam a explodir por todos os lados, acompanhados de um som de metralhadora. Outro momento mais do que emocionante do show – One. Apesar de tudo (a embolaçao que Kirk Hammet fez no solo, um dos mais marcantes da história da banda) a música conseguiu me emocionar tanto quando Master Of Puppets. Para fechar o show, outro clássico absoluto: Fight Fire With Fire. O que mais me revoltou foi uma frase que eu ouvi durante a apresentação da música: "Essa eh cover né?". Como eu disse, pouco eram os fãs antigos da banda, a grande maioria apenas conhecia as músicas através das rádios e da Mtv. Uma grande pena, pois o setlist em geral foi bem escolhido para aqueles que conhecem tudo da banda.

A banda volta ao palco (como fez por diversas vezes) para tocar a balada Nothing Else Matters (que fica mais emocionante ao vivo), Sad But True (sempre excelente) e Creeping Death. Mais uma vez a apatia tomou conta do público e eu me peguei gritando "Die ! Die ! Die !" sozinho no meio de uma multidão. Pior ainda foi quando James Hetfield parou de cantar a música no meio para perguntar se estávamos vivos e se realmente queríamos mais! Tudo bem que estava bem frio no Rio de Janeiro no dia do show, mas isso não obrigava ninguém a agir como um iceberg. Decepcionante! Mais uma saída do palco e depois de umas brincadeirinhas de James, a banda volta com Die Die My Darling (do Misfits). Poderiam Ter tocado outra música dessa banda, a maravilhosa Last Caress. Após a cover, Enter Sandman, puxando mais uma vez a galera ao limite (e dessa vez empolgando todo mundo), acompanhada de diversos efeitos pirotécnicos.

A banda mais uma vez sai e volta para o último bis; Battery, clássico mor do thrash metal. A negligência do público em relação a essa música foi uma das coisas mais tristes que eu já presenciei. Especialmente quando ela foi tocada com maestria e peso.
A banda se despediu do público e o pessoal começou a deixar o estádio. Como eu moro perto, voltei a pé para casa e junto a alguns amigos chegamos a algumas conclusões; a galera do Rio está reprovada em quesito de empolgação. Teria sido bem melhor se o preço do ingresso não tivesse sido tão caro (R$60, R$30 para estudantes) pois muitos fãs antigos teriam comparecido. Mas a banda em si, apesar dos pesares, mostrou que ao vivo é de um peso marcante ! Com certeza uma das melhores bandas ao vivo e um dos melhores shows que eu já presenciei. A produção de palco também está de parabéns, pois tanto a iluminação e a pirotecnia foram excelentes (e desbancaram de longe a do Kiss, que foi ridícula pelo menos nos shows brasileiros). Resumindo: uma grande noite, um grande show e uma grande vaia para o público carioca.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MetallicaMetallica
Por que cortamos os nossos cabelos?

166 acessosMetallica: vídeo oficial de Harvester of Sorrow ao vivo em Quebec1008 acessosGhost: Hetfield é gente como a gente e vai para galera em show0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Metallica"

MetallicaMetallica
Que músicas eles levariam a uma ilha deserta?

Dave MustaineDave Mustaine
Ele ajudou o Metallica a entrar pro Hall da Fama

MetallicaMetallica
A habilidade com as baquetas de James Hetfield

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Metallica"

Uncut MagazineUncut Magazine
Fãs elegem as 10 melhores músicas do Pink Floyd

Fãs de RockFãs de Rock
Você conhece o estilo de se vestir de cada um

Porta dos FundosPorta dos Fundos
Andreas Kisser e a cobrança dos metaleiros

5000 acessosHeavy Metal: cinco discos necessários dos anos setenta5000 acessosChinese Democracy: de 1994 a 2008, a saga do álbum mais caro da história5000 acessosMetallica: a regressão técnica de Lars Ulrich5000 acessosSoundgarden: Matt Cameron faz breve comentário sobre Chris Cornell5000 acessosLemmy Kilmister: Enquanto isso, lá embaixo...4583 acessosRock and Roll: as 10 melhores harmonias vocais de todos os tempos

Sobre Pedro Fraga Bomfim

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Mais matérias de Pedro Fraga Bomfim no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online