Matérias Mais Lidas

imagemEdgard Scandurra, do Ira!, explica atual sumiço do rock nas rádios brasileiras

imagemLuísa Sonza posta fotos com camiseta da banda de death metal Morbid Angel

imagemMarcello Pompeu, em busca de emprego, pede ajuda a seguidores

imagemOzzy Osbourne revela o único integrante de sua banda que saiu "do jeito certo"

imagemDavid Gilmour surpreende ao responder se o Pink Floyd pode voltar a fazer shows

imagemPink Floyd: Em entrevista de 1984, David Gilmour falou sobre "The Final Cut"

imagemRegis Tadeu explica porque o vinil e o Spotify vão despencar e o CD vai bombar

imagemO erro geográfico na letra de "All Star", música que Nando Reis fez para Cássia Eller

imagemO que mudou no rock dos anos 90 pra cá segundo Jimmy Page

imagemTaylor Hawkins: Ele estava cansado e pronto pra abandonar o Foo Fighters

imagemMax Cavalera e o conselho dado por Ozzy Osbourne: "ambos nos sentimos traídos"

imagemLed Zeppelin era uma banda de heavy metal? Geddy Lee dá seu veredito

imagemQuem Glenn Hughes considera digno de substituí-lo como "a voz do rock"

imagemKirk Hammett posta foto com guitarra do Coringa Surfista e look tipo Agostinho Carrara

imagemO clássico dos Titãs que rádios preferiam pagar multa da censura do que deixar de tocar


Stamp

Joe Cocker: agradecimento à lenda do rock

Por Lincoln Melo
Em 23/12/14

É estranho você receber a notícia da morte de uma pessoa que você nem conhece e ficar arrasado, porém percebi que conhecia muito bem o grande JOE COCKER. Foi essa voz, que me apresentou ao mundo do rock quando por volta dos meus 12 ou 13 anos assisti, na TV Cultura, a lendária apresentação de "Whit A Little Help From My Friends" no festival de Woodstock em 1969. Fiquei por quase 10 minutos em estado hipnótico.

Lembro que fiquei hipnotizado com aquela voz rouca, potente, enérgica, e a sua interpretação magistral, frenética, praticamente em transe e foi aí nesse momento que descobri o significado da famosa expressão, "cantar com a alma". Já vi muitos shows de grandes bandas e artistas lendários, mas afirmo sem medo de errar: a apresentação de JOE COCKER em Woodstock foi a melhor de toda a história da música, ninguém será capaz de fazer outra igual, tão impressionante e emocionante como àquela.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Lógico, que depois mergulhei na sua discografia e em suas interpretações ao vivo (faço isso até hoje). Suas performances, seja com músicas originais, seja com versões de músicas conhecidas, são singulares. Como qualificar um cara que consegue fazer "Whit A Little Help From My Friends" completamente diferente e infinitamente melhor do que a versão original da banda que é considerada por muitos a maior de todos os tempos? o que falar então de "Unchain My Heart" do RAY CHARLES?

"You Are So Beautiful", "You Can Leave Your Hat On", " Marjorine", "Feeling Alright", "Don't Let Me Be Misunderstood", "Come Together", "Delta Lady", " The letter", a vencedora do oscar de melhor canção original de 1983 "Up Where We Belong", aliás um dueto belíssimo com a cantora JENNIFER WARNES, são interpretações emocionantes onde sua voz e sua emoção transformaram as músicas em algo excepcional.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Recentemente JOE COCKER lançou o CD e DVD ao vivo "Fire it Up" gravado na lotada The Lanxess Arena em Cologne, Alemanha, em abril de 2013, que agora fica como último registro do mestre.

A música terrena essa semana ficou mais pobre, JOE COCKER é mais uma lenda que vai ficar para a eternidade. É um daqueles mitos do rock que daqui a 500 anos alguém vai citá-lo. Não sei se ele foi o melhor vocalista da história do rock, mas que está entre os melhores isso sem dúvida. Obrigado COCKER pelos "Anos Incríveis" proporcionados pelas suas interpretações mágicas e suas canções e o que me resta agora é superar essa perda "com uma pequena ajuda de meus amigos".

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

PRB
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Joe Cocker: ele imortalizou canção ideal para se fazer striptease

Joe Cocker: McCartney, Mustaine, Slash e outros comentam morte



Sobre Lincoln Melo

Paulistano de nascença, entretanto não é de nenhum lugar, é de lugar nenhum. Acha que o rock mudou o mundo, porém teve o seu mundo mudado por uma pedra preciosa chamada Jade. É eclético dentro do rock, mas cultua o rock britânico (Led, Beatles, Stones, Who, Purple, Clapton...) sem esquecer as origens (Presley, Holly, Lewis, Berry...). Tem uma filha de 4 patas rock and roll, que faz jus ao seu nome: Led (de Led Zeppelin). E tem a certeza de que a vida, como o rock, não acaba aqui.

Mais matérias de Lincoln Melo.