Respeito aos músicos brasileiros

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Márcio Baraldi
Enviar correções  |  Ver Acessos

Há exatos dez anos atrás eu dividi o palco do saudoso programa Musikaos, na TV Cultura, com o Angra, que então estava feliz da vida, revigorado com sua nova formação e divulgando seu disco de retorno trinfual, o excelente "Rebirth". Me lembro que na ocasião, Edu Falaschi fez um entusiasmado elogio ao público headbanger brasileiro, dizendo que o público metálico era o mais fiel do mundo e também dos mais cultos, pois falava inglês e apreciava música bem tocada, o que é o caso do Heavy Metal, estilo conhecido pelo virtuosismo de seus músicos. Mas... e hoje em dia? Será que esse público ainda mereceria tal elogio? A julgar pelos recentes desabafos de Thiago Bianchi, vocalista do Shaman, e do próprio Edu, ambos amplamente divulgados no meio roqueiro, eu creio que os tempos mudaram. E o público também. Quando vi tais desabafos, primeiro do Thiago e depois do Edu, imediatamente pensei:"Milagre! Finalmente alguém está sendo sincero nesse mercado e falando a verdade! ". Sim, porque o que ambos falaram nada mais é do que a pura verdade que ninguém nesse mercado quer assumir publicamente. O que Thiago e Edu fizeram foi apenas dizer publicamente o que TODOS os músicos brasileiros dizem nas mesas de bar para os amigos, familiares e próprios colegas.

Kiko Loureiro: mostrando um dos riffs mais pedidos pelos fãsLGBT: confira alguns músicos que não são heterossexuais

Todo mundo está careca de saber que ser músico (e artista em geral) no Brasil é uma missão muito difícil e ingrata. Por que? Porque vivemos num país que nunca teve uma política governamental sólida de apoio a sua própria cultura. Um país onde as rádios e TVs desde sempre pertencem a meia dúzia de famílias ou conglomerados poderosos que mandam e desmandam na mídia. É a família Marinho, a família Civita, a família Abravanel, os bispos da Univer$al, e mais algumas por aí. Tem deputado e senador neste país que tem mais de dez emissoras de rádio. Não pra tocar músicos brasileiros, mas pra ganhar dinheiro com jabá, verdadeira fábrica de fortunas! E o mais triste é que apesar de rádios e TVs serem concessões PÚBLICAS do governo, essas mesmas emissoras não dão espaço para o público, apenas para o privado, ou seja, para os anunciantes. O público mesmo que se dane, que engula calado o que os donos da mídia querem lhe empurrar goela abaixo. Engulam novelas idiotas, programas de humor sem graça, notícias manipuladas, mentiras deslavadas, apoio explícito a determinados candidatos nas eleições, pornografia, baixarias, reality shows vergonhosos, enfim, engulam tudo que os faça cada vez mais burros e alienados. Cada vez mais fúteis, superficiais e despolitizados. E, claro, pra coroar esse processo todo, falta uma peça-chave: a música! A música, uma das artes mais antigas e sublimes da Humanidade, que sempre serviu para entreter saudavelmente as pessoas, para transmitir boas mensagens e despertar sentimentos, hoje serve para uma única coisa:durar um verão e depois ir para o lixo.

É isso que as rádios populares e a grande mídia desejam quando expulsam de sua programação Chico Buarque, Milton Nascimento, Raul Seixas, Rita Lee, Elis Regina, Renato Russo, Cazuza, e tantos outros músicos brasileiros de valor inquestionável, para colocar em seu lugar "artistinhas" acéfalos, criados em laboratório e programados para durar um ou dois verões. É o que desejam quando boicotam radicalmente o metal e o rock de qualidade brasileiros para substituí-los por "canções" pavorosas de dois acordes mal tocados, com letras que fazem o Tiririca parecer o Einsten. Expulsam músicos formidáveis, repletos de talento e idéias inteligentes, para colocar em seu lugar vagabas de bunda e peitos siliconados gemendo uma tonelada de palavrões. Pra tocar coisas que a gente sente vergonha só de ouvir o refrão.

Edu Falaschi e Thiago Bianchi sabem muito bem disso tudo, pois sentem na própria pele essa injustiça todos os dias. Como tantos milhares de músicos brasileiros, Thiago e Edu dedicaram suas vidas a estudar música arduamente desde crianças. Gastaram muito tempo e dinheiro do próprio bolso em conservatórios, para desenvolver a vocação e o talento com o qual nasceram. Para realizarem seu sonho e projeto de vida. Gastaram pequenas fortunas gravando discos ótimos e caros, produzindo clipes idem, comprando instrumentos, equipamentos, iluminação e figurinos de palco. Tudo para oferecer o melhor para o público. E o que recebem em troca?! ?

Cadê aquele "público fiel e culto do metal" que não lotam seus shows? Que não compram seus discos originais, que não garantem o sustento dos próprios artistas que dizem gostar?

Infelizmente músico no Brasil sempre foi uma categoria profissional desmobilizada, despolitizada, largada "à própria sorte". Nunca possuíram um sindicato atuante que organizasse a categoria, que estabelecesse tabela de preços de cachês, que tivesse um Departamento Jurídico forte para defende-los de caloteiros e tantos picaretas que infestam esse mercado de shows no Brasil. Que lutasse junto ao Congresso por leis que apoiassem e protegessem a música brasileira, que peitasse o "Império do Jabá" que sempre reinou nas rádios e TVs e obrigassem-nas a reservar uma cota de suas programações para a música nacional de qualidade, incluindo-se aí o rock e o metal. Falta um sindicato para garantir aos músicos brasileiros o direito de viverem dignamente da própria música, sem precisarem jogar as próprias composições no lixo e (sobre)viverem de covers em barzinhos. Nem de dar aulas para o resto da vida. Um sindicato que substitua a OMB (Ordem dos Músicos do Brasil) que está aí hoje e nada faz de concreto pelos músicos.

Falta uma política cultural do governo para fazer pela música brasileira o mesmo que está fazendo pelo cinema brasileiro. Hoje, graças ao apoio do governo o cinema nacional cresceu, apareceu e ganhou o mundo! Hoje temos sucessos internacionais como "Tropa de Elite", "Chico Xavier", "Cidade de Deus" e tantos outros e uma produção que não para de crescer, com novos filmes todo mês.

É preciso conquistar o mesmo respeito para com a música nacional. Hoje temos milhares de músicos talentosos, com músicas maravilhosas, mas que não tocam nas rádios, nao aparecem na TV, não alcançam o povão, ninguém conhece. Será que é pedir demais que num país de 200 milhões de habitantes, alguns milhares comprem seus discos e vão aos seus shows?

E, por favor, não venham dizer que basta o Youtube, o Myspace e um boca-a-boca pra alguém fazer sucesso que isso já está provado que não passa de ilusão. O Youtube é um oceano de caras e bocas, onde uma pequena parcela que realmente tem talento se perde numa imensidão de lixo que só serve mesmo pra ocupar espaço. Lugar de música boa é no rádio! Sempre foi, sempre será.

Também não concordo quando dizem que o público não vai aos shows nacionais porque gastam todo seu dinheiro em shows estrangeiros e acaba não sobrando nada no bolso. Há tantos shows nacionais bacanas pelo Brasil afora por dez, vinte, trinta reais. Isso é dinheiro de pinga para quem paga 500 reais para ver o Metallica ou o Roger Waters, por exemplo. Isso é desculpa esfarrapada, as pessoas não vão porque só querem assistir o que está na moda. Só querem ver o que já é famoso, ou o que a mídia lhes manda assistir, os artistinhas canastrões que essa mesma mídia fabrica e vende para o público. As pessoas hoje em dia não dão mais valor para o conteúdo, e sim para a embalagem. Quem tiver a melhor propaganda ( e mais grana para ela), leva!

Por tudo isso, Thiago e Edu não tem que pedir desculpas a ninguém, muito pelo contrário. É o público que deveria se desculpar com eles e com todas essas bandas de alto nível que o Brasil possui e que não recebem o devido respeito e valor que merecem.

Eu já aplaudi Thiago e Edu como músicos muitas vezes na minha vida. Mas desta vez os aplaudo em dobro:pelo talento e pela sinceridade! Respeito aos músicos brasileiros!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção OpiniõesTodas as matérias sobre "Angra"Todas as matérias sobre "Almah"Todas as matérias sobre "Shaman"Todas as matérias sobre "Arena"


Kiko Loureiro: mostrando um dos riffs mais pedidos pelos fãs

Desencontro com Kiko Loureiro: as frustrações de um Guitar Hero (vídeo)Desencontro com Kiko Loureiro
As frustrações de um Guitar Hero (vídeo)

Angra: vocal cover de "Make Believe" feito por Pedro CamposAngra: a coleção em CDs e detalhes sobre os discos na Collectors RoomFöxx Salema: Saiba quais são as principais influências da vocalista

Angra: Kiko Loureiro conta que ainda ajuda a tomar decisões da bandaAngra
Kiko Loureiro conta que ainda ajuda a tomar decisões da banda

Kiko em Kaza: Gastão Moreira bate um longo papo com Kiko LoureiroKiko em Kaza
Gastão Moreira bate um longo papo com Kiko Loureiro

Andre Matos: Theocracy faz homenagem ao vocalista no ProgPower USA; assistaAndre Matos
Theocracy faz homenagem ao vocalista no ProgPower USA; assista

Rodz Online: 25 Anos de Philips Monsters of Rock 1994 (vídeo)

Marcelo Barbosa: assista a Big Trouble, novo clipe solo do guitarrista do AngraMarcelo Barbosa
Assista a "Big Trouble", novo clipe solo do guitarrista do Angra

Luis Mariutti: os bastidores do reencontro com Edu Falaschi e Alex Holzwarth

Kiko Loureiro: trabalhando em novo disco soloKiko Loureiro
Trabalhando em novo disco solo

Rhapsody: Fabio Lione em entrevista exclusiva ao Brasil

Luis Mariutti: comentando a polêmica participação do Angra no Programa do JôLuis Mariutti
Comentando a polêmica participação do Angra no Programa do Jô

Rafael Bittencourt: novos planos do Angra e do Bittencourt ProjectRafael Bittencourt
Novos planos do Angra e do Bittencourt Project

Bateristas: alguns que usam a pegada tradicional para tocarBateristas
Alguns que usam a pegada tradicional para tocar

1998: 40 discos de rock e metal que foram lançados há 20 anos1998
40 discos de rock e metal que foram lançados há 20 anos

Angra: Kiko Loureiro conta que ainda ajuda a tomar decisões da bandaAngra
Kiko Loureiro conta que ainda ajuda a tomar decisões da banda


LGBT: confira alguns músicos que não são heterossexuaisLGBT
Confira alguns músicos que não são heterossexuais

Chris Cornell: a emocionante despedida de Tom MorelloChris Cornell
A emocionante despedida de Tom Morello

Linkin Park: Qual a relação da morte de Bennington com Cornell?Linkin Park
Qual a relação da morte de Bennington com Cornell?

A década perdida?: Rock Brasileiro da Década de 70A década perdida?
Rock Brasileiro da Década de 70

Bruce Dickinson: punks não sabem tocar e tem inveja do metalBruce Dickinson
Punks não sabem tocar e tem inveja do metal

Courtney Love: Essa música é sobre minha vagina, sabia?Courtney Love
"Essa música é sobre minha vagina, sabia?"

Guns N' Roses: brasileiro grava as linhas de baixo do AppetiteGuns N' Roses
Brasileiro grava as linhas de baixo do "Appetite"


Sobre Márcio Baraldi

É o cartunista mais rocker do Brasil. Colabora há anos com as principais revistas de rock do país: Rock Brigade, Metalhead, Dynamite e Roadie Crew, além das revistas Tatto (tatuagem), Brazil (erótica), Visão Espírita, etc. É autor da seção Rock Comics aqui no Whiplash! e eventualmente produz alguns textos. É chargista no Sindicato dos Bancários de SP; não fuma, não bebe, odeia drogas, só faz sexo com camisinha e vota no PT. Enfim... um puta cara legal!!!

Mais matérias de Márcio Baraldi no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336