Bola da Foca: "Um blues branco e um heavy metal rock"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Pedro Zambarda de Araújo, Fonte: Bola da Foca
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Ozzy Osbourne completou 62 anos dia 3 deste mês. 40 anos depois, as origens controversas do termo e do estilo metal na música heavy metal

5000 acessosMetal Brasileiro: 10 bandas recomendáveis fora o Sepultura5000 acessosIron Maiden: banda cai no riso em show nos EUA de 2008

Uma palavra não tem o mesmo significado em todos os tempos. Nos anos 60, o mundo já não era o mesmo após os Beatles, que influíram drasticamente na cultura internacional da música trazendo o rock inglês, a psicodelia, as drogas e a cultura oriental. Uma década depois, essa banda acabou e toda aquela cultura musical adolescente começou a amadurecer. O rock tornou-se também um objeto de estudo técnico. O Woodstock de 1969 polemizou a grande imprensa destacando os hippies e, entre os músicos, um negro canhoto com talento descomunal na guitarra elétrica e engajado contra a Guerra do Vietnã. Seu nome? James Marshall Hendrix.

Hendrix abusou de efeitos de pedais “wah-wah” nas guitarras, além de simplificar os acordes das seis cordas, utilizando uma técnica consagrada e simples chamada Power Chords (conhecido em português pela palavra bicordes, acorde com apenas dois dedos). Ele popularizou também o modelo Stratocaster da Fender, que revolucionou a guitarra elétrica usando menos madeira do que a Les Paul, da Gibson, e com uma captação elétrica razoável. Importante também lembrar que Hendrix aproveitou o máximo da potência dos amplificadores do engenheiro inglês Jim Marshall. Jimi utilizava as caixas de som com o máximo de saturação, dando todo o peso que seria reconhecido pelo heavy metal posteriormente, nos anos 70.

O guitarrista é fundamental para entender os primórdios da mudança que estava para vir. Além dele, músicos como Eric Clapton e o Cream, The Kinks e Rolling Stones se distanciavam do rock simples e leve dos Beatles, abusando de improvisações instrumentais e amplificadores VOX no volume máximo.

Nesse contexto, surgiu o primeiro uso documentado na imprensa da palavra heavy metal: Barry Gilfford, em 1968, em um artigo sobre a banda Electric Flag na revista Rolling Stone, descrevendo o som dos caras como “um blues branco e um heavy metal rock”. Outro crítico da mesma publicação, Mike Saunders, usou o termo para explicar que a banda Humble Pie tinha músicas “altas e barulhentas” que o desagradaram, em 1970. Por fim, o último grande nome da imprensa a ser mencionado é o de Lester Bangs, da revista Creem e também da Rolling Stone. Acompanhando de perto os novatos Black Sabbath e Led Zeppelin, ele difundiu a música pesada pelo mundo em dezenas de artigos.

Antes dos jornalistas, o escritor beat William S. Burroughs divulgou o heavy metal para a esfera popular com o significado de “vício em drogas” em seus livros, ao contrário do termo clássico aplicado a metalurgia. Com esse contexto, o rock pesado adquiriu toda uma profundidade cultural, mas não era um movimento organizado como hoje.

O metal se consolidou, então, com o surgimento de três importantes bandas, que divulgaram ainda mais o estilo, a preocupação técnica ao tocar alto e pesado, além de amadurecer o rock´n´roll como um todo. Em 1968, Led Zeppelin surgiu dos trabalhos em estúdio e do sucesso que o guitarrista Jimmy Page tinha com os The Yardbirds, unindo também o talento do baterista John Bonham, do baixista John Paul Jones e do vocalista Robert Plant. Excursionando pelo mundo, o Zeppelin ganhou fama como banda de rock pesado, mas sem nunca perder suas raízes no blues negro, origem comum de todos os integrantes, embora misturassem folk e diversas outras influências. "Stairway to Heaven" tornou-se um hino da banda, contagiando até hoje por sua complexidade.

Com outra origem, totalmente diferente dos demais, no mesmo ano do Zeppelin, surgiu o Deep Purple, de um projeto chamado Roundabout. Nesse grupo, os músicos trocavam de instrumentos, num exercício em grupo incomum na época. O Purple atingiu popularidade desde seu surgimento em 68, consolidando o tecladista e especialista em órgãos Jon Lord, o baterista versátil Ian Paice, o baixista Roger Glover, o vocalista que abusava de agudos Ian Gillan e o guitarrista com influências de música erudita Richie Blackmore. Mas não foi somente essa formação que ganhou destaque, revelando outros músicos nas diversas trocas de integrantes, como o vocalista David Coverdale, o baixista e vocalista Glenn Hughes e a segunda guitarra de maior sucesso na banda, nas mãos de Steve Morse. Entre reuniões e brigas, o Purple marcou toda uma geração com complexas composições, que iam das notas básicas de músicas como "Smoke on the Water" até solos instrumentais extensos.

Por fim, a banda que oficializou o heavy metal como vertente do rock foi o Black Sabbath, em 1970. Inspirados por um filme de terror B, Tony Iommi, Geezer Butler, Bill Ward e Ozzy Osbourne trouxeram músicas obscuras, que foram polêmicas na época e são excessivamente copiadas por grupos musicais até hoje. Assim como as brigas do Purple, o Sabbath teve outras formações com as separações, que revelaram músicos expressivos como Ronnie James Dio e Vinny Appice. A banda não trazia somente o sombrio, o épico e o satânico nas canções, mas traduzia também a realidade dos próprios músicos, vindos do setor trabalhador de Birmingham, Inglaterra, em obras como "War Pigs".

Em fevereiro deste ano, dia 13, o Sabbath fez 40 anos do lançamento de seu primeiro CD com o mesmo nome da banda, extremamente sombrio. No mesmo ano de 1970, em setembro, "Paranoid" invadiu as lojas e levou o grupo ao estrelato, com músicas imortais como a canção-título, "Iron Man" e outras.

Seja pelas classificações que a imprensa dava na época do surgimento, ou pelo visual de músicos como o próprio Sabbath e bandas como o KISS e o Judas Priest, o heavy metal pendura até hoje por ser o representante do peso e amadurecimento do rock´n´roll como espetáculo. Diferente do punk rock, que revolucionou também nos anos 70 pela mensagem de protesto, a mudança que o metal trouxe há 40 anos não foi abrupta, como uma ruptura, sendo na verdade uma progressão do blues pesado e dos roqueiros que passaram a improvisar como jazzistas, ou seja, é um processo.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Opiniões

Metal BrasileiroMetal Brasileiro
10 bandas recomendáveis fora o Sepultura

Iron MaidenIron Maiden
Banda cai no riso em show nos EUA de 2008

GuitarristasGuitarristas
Os 10 maiores dos anos 80 segundo a revista Fuzz

5000 acessosAnos 90: bandas de hard rock e metal que decepcionaram os fãs5000 acessosMaridos traídos: Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'Anno5000 acessosAs regras do Power Metal - Parte I4344 acessosPantera: a verdadeira história por trás da capa do "Vulgar Display of Power"5000 acessosDream Theater e Guns N' Roses: 30 anos, uma no auge, já a outra...5000 acessosLucille chora sua viuvez: a história da guitarra de B.B. King

Sobre Pedro Zambarda de Araújo

Nascido em 1989. Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo, Pedro foi apresentado ao heavy metal através da banda Blind Guardian, em meados de 2004. Ouve e aprecia outros estilos do rock, como o punk, o indie e vertentes mais variadas. Gosta de assistir e cobrir shows.Toca muito mal guitarra, mas aprecia vários tipos de instrumentos musicais.

Mais matérias de Pedro Zambarda de Araújo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online