Festival Bananada leva a cena alternativa a Goiânia

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Fonte: Terra Música
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 21/05/03. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Goiânia deve ser tornar um dos focos de peregrinação dos fãs de rock alternativo entre os dias 23 e 25 de maio, com a quinta edição do festival Bananada. Neste ano serão 36 grupos de todo o Brasil, que se revezarão em dois palcos do Centro Cultural Martim Cererê.

5000 acessosRegis Tadeu: explicando por que o Slipknot é tão odiado5000 acessosHeavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1990

O conceito e organização do evento foram criados pelos quatro sócios da gravadora/produtora Monstro Discos: Léo Bigode, Leonardo Razuk, Fabrício Nobre (também vocalista do grupo MQN) e Márcio Jr. (da banda Mechanics).

Apesar de ser voltado aos músicos independentes, o evento não se prende a um estilo específico de rock. Há espaço para o hip-hop carioca de B Negão (vocalista do Planet Hemp) e o death metal do Necropsy (vindo de Quirinópolis, interior de Goiás).

"A idéia é ser uma grande vitrine da cena alternativa nacional. É reunir o que há de mais representativo no momento", explica Razuk. A idéia da primeira Bananada veio de Fabrício Nobre, do MQN, antes mesmo dele se associar à Monstro. "O festival foi criado em 1999 e a primeira edição reuniu apenas sete bandas. De lá para cá, a coisa foi crescendo e o festival chegou, inclusive, a contar com a presença de bandas gringas", lembra Razuk.

Os americanos Man or Astroman?, Trans Am e Watts foram os estrangeiros escalados para as edições de 2001 e 2002. Além dos shows -- intercalados em dois teatros fechados -- o evento terá ainda uma área de convivência ao ar livre, com bares, lanchonetes e estandes de selos independentes, sebos e tatuadores.

Escalação e outro festival

Como Nobre e Márcio Jr. são integrantes de bandas, aproveitam para "descobrir" novos talentos durante as turnês pelo Brasil. "Eles viajam muito e estão sempre de olho em novidades, em bandas diferentes", conta Razuk.

Com isso, a Monstro optou por fazer dois festivais ao ano: além da Bananada, o Goiânia Noise tem uma proposta parecida. "Por ser mais velho, o Noise tomou uma dimensão maior -- não em estrutura, já que a Bananada é realizada no mesmo local e formato. A diferença é que o Noise tem artistas maiores, como Los Hermanos, Lobão, Ratos de Porão, e a Bananada é mais indie no conceito. São bandas que não têm tanta visibilidade e nem contratos com grandes gravadoras."

Normalmente o Noise ocorre entre outubro e novembro, e na próxima edição pode apresentar novidades ainda mantidas em segredo pela organização. "Temos um projeto bem ambicioso, mas tudo vai depender da grana", conta Razuk. "Estamos tentando apoio da Prefeitura, já que o festival leva o nome da cidade e é respeitado nacionalmente. Se der certo, será algo de cair o queixo".

Revelações e expectativas

Entre os destaques da Bananada 2003 está o trio gaúcho Pata de Elefante, que faz um rock instrumental setentista com influência de Cream e Jimi Hendrix, passando pelo funk do Funkadelic e a surf music do The Shadows. "O fato do som ser instrumental facilita as coisas porque elimina as barreiras ideológicas e linguísticas", explica o guitarrista/baixista Gabriel Guedes. "Independente do vocal, o que importa é a aceitação do público. E no caso da Pata esse retorno tem sido excelente."

Para os fãs do hard rock, os paulistanos do Forgotten Boys mostram seu quase glam, inspirado em Backyard Babies, Wildhearts e nos ícones Stooges e New York Dolls. O público punk também não deve se decepcionar. Os veteranos paulistas do Garotos Podres foram escalado para fechar o festival e relembrar clássicos como "Papai Noel, velho batuta" e Anarkia oi!, além de músicas do mais recente trabalho do grupo, Com a Corda Toda (lançado em 1997).

A programação completa e endereços podem ser consultados no site da Monstro (www.monstrodiscos.com.br).

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Garotos Podres"

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "MQN"0 acessosTodas as matérias sobre "Garotos Podres"0 acessosTodas as matérias sobre "Forgotten Boys"0 acessosTodas as matérias sobre "Necropsy"

Regis TadeuRegis Tadeu
Explicando por que o Slipknot é tão odiado

Heavy MetalHeavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados no ano de 1990

Classic RockClassic Rock
As 10 melhores baladas dos anos 80

5000 acessosIntrigas: Bandas em família que terminaram mal5000 acessosBeatles: Quais as pessoas e objetos da capa do Sgt. Peppers?5000 acessosPink Floyd: as 10 melhores escolhidas pela Ultimate Classic Rock5000 acessosDimebag Darrell: "nunca tive paciência para tablaturas"5000 acessosMetallica: a letra que fez Hammett e Hetfield chorar4190 acessosBlack Sabbath: banda ainda pode gravar um álbum de Blues

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online