Megadeth: Mustaine fala sobre passado e religião

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por João Vitor Hatum de Mendonça, Fonte: Rust In Page
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 23/11/04. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Em uma recente entrevista ao Winnipeg Sun, Dave Mustaine falou sobre o direcionamento musical tomado pelo Megadeth após 1994 por pressão da Capitol Records, além de assuntos variados. "Eu acho que a banda acabou após o 'Youthanasia' (álbum de 1994)" disse Mustaine, "A Capitol queria que nós fizessemos outro disco comercial como o 'Countdown To Extinction', e eu disse que tentaria, mas não seria fácil. E foi muito difícil fazer isto com aquelas brigas entre os membros da banda: 'Toque minha música. Você é interesseiro e não colocará minha música no álbum.' E eu estou pensando 'Você agiu como um imbecil. Porque se suas músicas eram melhores que as minhas, nós deveríamos colocá-las no álbum.' Que vantagem eu levaria em não colocar uma música melhor no álbum?"

3254 acessosMegadeth: cinco vezes onde a banda foi melhor que o Metallica5000 acessosAndre Matos: "Fui praticamente coagido a ser vocal do Viper!"

Sobre a mudança do nome da banda: "Existem várias dificuldades associadas com o nome. As pessoas pensam que são o Megadeth e exercem muita pressão sobre a banda. Mas se eu a chamar apenas de Dave Mustaine ou qualquer outra coisa, você não terá ex-baixistas, ex-guitarristas ou ex-bateristas dizendo, 'Você sabe, eu ajudei a banda a crescer.' Eu não queria que isto acabasse assim - eu amei todos estes caras e tivemos ótimos momentos juntos - mas no final foi realmente difícil."

Quando perguntado sobre o fato de ser considerado um ditador, Mustaine foi rápido: "O melhor álbum saiu quando eu era um ditador."

Leia a entrevista completa (em inglês) clicando aqui.

E falando ao The Edmonton Sun, Mustaine comentou sobre sua relação com o Cristianismo durante o tempo em que ficou fora dos palcos em função de sua lesão no braço.

"Eu tive uma profunda experiência espiritual durante o processo também. Eu acreditei em Deus duranto toda a minha vida, mas eu nunca estive pronto para servi-lo, até eu dizer estas simples seis palavras: 'O que eu tenho a perder?'

As pessoas dizem, oh, Dave se tornou Cristão. Eles pensam que eu sou uma bicha. Eu não sou. Eu ainda sou o mesmo cara. Se você me deixar irritado, você ainda me deixa irritado. Esta é a única maneira como eu estou respondendo isto.

Uma das coisas que eu decidi no início disto foi que eu não andarei por aí dizendo para as pessoas que estão elas fazendo algo errado. Isto seria a mesma coisa como quando todos estavam fazendo materiais em favor da polícia na indústria da música, o que eu achava completamente patético. Eu estive em turnê com o Aerosmith e eles faziam isto, e eu disse, 'Como isto é gay'"

Sobre o baterista do Metallica, Lars Ulrich, Mustaine disse: "Esse cara pensa que criou o Heavy metal. O metal criou você, amigo."

Clique aqui(http://) para ler mais trechos desta entrevista.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MegadethMegadeth
Cinco vezes onde a banda foi melhor que o Metallica

3026 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa500 acessosMarty Friedman: ouça "Miracle", single do novo álbum solo3498 acessosMetallica: e se James Hetfield cantasse no Megadeth?0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Megadeth"

MegadethMegadeth
Mustaine comenta sobre Nações Unidas e política

Parcerias BrilhantesParcerias Brilhantes
Duplas que marcaram história

Kiko LoureiroKiko Loureiro
"O Megadeth percebe o que trago da experiência do Angra"

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Satanismo e Ocultismo"0 acessosTodas as matérias sobre "Megadeth"

Andre MatosAndre Matos
"Fui praticamente coagido a ser vocalista do Viper!"

Mike PortnoyMike Portnoy
A reação ao ouvir garoto de 8 anos tocando cover do Dream Theater

MalmsteenMalmsteen
"A 1ª vez que fui ao Brasil não consegui acreditar"

5000 acessosHistória do rock: Sexo bizarro, drogas, mortes e outros boatos5000 acessosRock Brasileiro da Década de 705000 acessosO Clube dos 27: 17 roqueiros que sucumbiram à idade fatídica5000 acessosBruce Dickinson: foi difícil evitar as drogas durante tours5000 acessosJim Morrison: Marianne Faithfull diz que namorado traficante o matou por acidente5000 acessosDrogas e Álcool: protagonistas nos piores shows de grandes astros

Sobre João Vitor Hatum de Mendonça

Nascido no interior de São Paulo em 1988, hoje graduado no curso de Bacharelado em Ciência da Computação, fanático por Rock e Heavy Metal desde pirralho, sendo, hoje, um dos responsáveis pelo site Rust In Page e criador do blog Inside Loud. A paixão pelo Rock surgiu lá pelos 10 anos de idade com um álbum do Aerosmith e, desde então, teve (e ainda tem) entre seus músicos e bandas favoritas nomes como Iron Maiden, Judas Priest, Megadeth, Rush e Van Halen. Mas, independente de rótulos e conceitos pré-definidos, seu gosto musical viaja desde o som mais pesado de um Carcass, até os experimentalismos de um Mr. Bungle e o som mais moderno de um Stone Sour, apenas ouvindo o que lhe agrada e soa bem aos ouvidos. Hoje, além de trabalhar na área de Computação e ser um 'músico' casual, despende parte de seu tempo no blog Inside Loud, em homenagem a uma de suas maiores paixões: a boa e velha música.

Mais matérias de João Vitor Hatum de Mendonça no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online