Segundo Alice Cooper, Slipknot e Manson não assustam mais do que a CNN

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago Coutinho, Fonte: FausterLauder
Enviar correções  |  Comentários  | 

Em junho de 2005 o periódico australiano FausterLauder conduziu uma entrevista com o decano do rock ALICE COOPER. Tia Alice falou sobre diversos assuntos e afirmou: Slipknot e Marilyn Manson não chocam mais as pessoas.

298 acessosSlipknot: Jon Sudano "melhora" a música com letra do Shrek5000 acessosBlack Sabbath: mais uma do Tony Iommi pra cima do pobre Bill Ward

Leia a entrevista na íntegra aqui ou confira os principais excertos do artigo logo abaixo:

”A diferença entre o meu ‘approach’ e o desses caras. Eu não acho que você pode chocar a platéia mais. Acho que a platéia pretende ficar chocada. E você não pode fazer isso com CNN aí fora. Quando eu sento aqui e assisto um cara de verdade ter a sua cabeça arrancada, penso ‘bem, isso é certamente mais chocante do que eu tirando a cabeça de alguém no palco’. O rock choca até certo ponto. Você sabe, Slipknot e Marilyn Manson não podem ser mais chocantes do que a CNN. Nós temos sido encobertos pela CNN. O rock chocava nos idos dos anos 70, mas não há nada mais como aquilo. Você podia colocar uma maquiagem e uma cobra a sua volta, cortar a sua cabeça e se intitular Alice Cooper e todos ficavam mais ou menos assim: ‘nossa, como eles podem fazer isso?’. Isso era demais, podíamos fazer isso, não havia nada no show que fosse... era como uma peça de teatro. Hoje eu faço isso para entreter as pessoas. Agora, quando as pessoas vêem a guilhotina, ‘ohhh, a guilhotina, a guilhotina”, e fazemos isso ficar o mais real possível, e o sangue voa na platéia e as pessoas adoram aquilo naquele momento, sim, isso choca as pessoas mas é sempre acompanhado de um pequeno sorriso.

A diferença entre Alice Cooper e Marilyn Manson é que eu realmente acho que o Marilyn Manson não tem aquele ‘punch line’ e nem o Slipknot. Eles vão lá, ficam agressivos, vão ao topo, são blasfemos em todos os níveis, mas sem aquele ‘punch line’ e essa é a diferença entre mim e eles. A outra diferença diz respeito às músicas. Eu tenho 14 ou 15 hits no rádio e esses caras não e eu sempre enfatizei... sabe, eu nunca falei com o Marilyn Manson cara-a-cara, mas seria uma conversa interessante porque acho que esse cara é bom no que faz, eu não acredito no que ele faz, certamente em um nível teológico, sendo cristão, você sabe. Eu entendo isso, ele faz o que faz e eu também, mas não acredito no produto que ele representa.

Perguntado como reconcilia seu personagem no palco e seus sentimentos com relação à religião, ele respondeu: “Bem, eu realmente não acho que eles se opõe um ao outro, porque nos últimos quatro ou cinco álbuns eu fiquei completamente contra este movimento satânico. Não contra, mas atento. Eu certamente fico atento contra qualquer apatia em sua vida espiritual. Acho que você precisa encontrar algo em que acredite e é melhor que ache isso rápido. Para mim Alice é como uma revista em quadrinhos. Alice é como o ‘Fantasma da Ópera’. Não vejo diferença nenhuma entre a violência em meu show e a violência de 'Macbeth'. Eu quero dizer, quando você está na escola e tem que ler 'Macbeth', é um livro muito mais sangrento do que eu faço e considerado um clássico. Eu realmente não vejo qualquer oposição lá. Não estou dizendo para as pessoas dormirem com qualquer outra, eu costumava fazer isso, mas não faço mais. Não acredito nisso mais. Acredito na santidade do matrimônio, acredito que o sexo é bem melhor quando você está casado. Então, estou contra muitas coisas que achava que nunca ficaria, mas não fico apontando o dedo e dizendo ‘é nisso que eu acredito’. Muitas das minhas músicas são sobre as pessoas, a hipocrisia das pessoas e isso faz ficar engraçado porque as pessoas são o principal assunto. Elas são a principal fonte de sexo, religião, comédia, tragédia, tudo que escrevo em minhas músicas fala sobre a ironia do ser humano. Quer dizer, eu não estou sentado aqui com uma sopa de letrinhas, mas se você me perguntar, vou lhe dizer no que acredito”.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 06 de janeiro de 2017

SlipknotSlipknot
Mistério revelado - Craig Jones sem máscara em 2017

298 acessosSlipknot: Jon Sudano "melhora" a música com letra do Shrek1445 acessosSlipknot: estúdio x ao vivo, expectativa e realidade544 acessosSlipknot: reagindo aos melhores vocais cover da banda0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Slipknot"

Corey TaylorCorey Taylor
A geração atual é um bando de fedelhos

Rádio AOLRádio AOL
Os Top 10 da música pesada da década de 2000

SlipknotSlipknot
Vocalista revela o seu momento mais doloroso no palco

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Alice Cooper"0 acessosTodas as matérias sobre "Marilyn Manson"0 acessosTodas as matérias sobre "Slipknot"

Black SabbathBlack Sabbath
Mais uma do Tony Iommi pra cima do pobre Bill Ward

Guns N RosesGuns N' Roses
Pobreza, sexo, drogas e Rock n' Roll em nova biografia

Rob HalfordRob Halford
11 coisas que você não sabia sobre ele

5000 acessosSlipknot: Corey Taylor não tem a cara limpa por baixo da máscara5000 acessosAC/DC: A origem do nome da banda5000 acessosEm vídeo: A diferença entre ser músico e ser rockstar5000 acessosSolos: Alguns dos mais bonitos do Heavy Metal4253 acessosIron Maiden: uma versão de "The Trooper" peidando com as mãos5000 acessosBlack Label Society: Zakk explica programa de um passo

Sobre Thiago Coutinho

Formado em Jornalismo, 23 anos, fanático por Bruce Dickinson e seus comparsas no Maiden. O heavy metal surgiu na minha vida quando ouvi o vocalista da Donzela de Ferro em "Tears of the Dragon", em meados de 1994. Mas também aprecio a voz de pato bêbado do controverso Dave Mustaine, a simplicidade do Ramones, as melodias intrincadas do Helloween, a belíssima voz de Dio ou os gritos escabrosos de Rob Halford. A Whiplash apareceu em minha vida sem querer, acho que seus criadores são uns loucos amantes de rock e acredito que este seja o melhor site de rock do país, sem qualquer demagogia!

Mais matérias de Thiago Coutinho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online