"Painmuseum irá à América do Sul", diz Chlasciak

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago Coutinho, Fonte: Ultimate-guitar.com, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 04/08/07. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

O guitarrista "Metal" Mike Chlasciak conversou com o site Ultimate Guitar.com a respeito dos vocalistas com quem já trabalhou, tais como ROB HALFORD, SEBASTIAN BACH entre outros. Além disso, o músico revelou que trará o seu projeto solo, o PAINMUSEUM, à América do Sul.

2758 acessosSkid Row: reunião chegou a ter shows marcados, diz Bach5000 acessosQueen: novas fotos do recluso John Deacon

Ultimate Guitar.com — Gostaríamos de começar esta entrevista perguntando-lhe como é trabalhar com Sebastian Bach?

"Metal" Mike Chlasciak — "Fui abençoado por poder trabalhar com alguns dos melhores vocalistas do Metal, tais como Rob Halford e Chuck Billy, do TESTAMENT, um dos meus favoritos. Bruce Dickinson e Geoff Tate, que se juntaram ao Rob Halford para uma música em Londres, também representou um momento fantástico para mim. E agora com Sebastian Bach é como se eu nunca tivesse encontrado ninguém assim, ele é um daqueles cara que... não há sentimentos misturados com ele, entende? Ele não esconde nada, o que é demais. Não importa se a noite foi demais ou se a próxima não foi tanto assim. É isso que o torna um grande cantor. E como guitarrista, realmente gosto disse é como um desafio para mim".

Ultimate Guitar.com — Sebastian já tem um novo álbum gravado, “Angel Down”. O que os fãs podem esperar deste trabalho?

Metal Mike — "O álbum é perfeita mistura e não soa datado... não é um álbum voltado às raízes, não vai soar como o primeiro trabalho do SKID ROW, por exemplo. Ele fica em seu próprio lugar. E também não soa como LINKIN PARK ou ‘St. Anger’ ou nada assim. É nada mais do que um álbum de Heavy Metal baseado nas guitarras. Há muitos riffs lá que permitiram ao Sebastian cantar em cima. E será bem mais Metal do que qualquer um dos trabalhos do SKID ROW. Mas, ao mesmo tempo, a base de fãs dele está lá e ninguém os esqueceu — haverá algo para eles também. Para os fãs do início do SKID ROW há aquele carisma e aquela vibração que não lhes soará estranho".

Ultimate Guitar.com — Qual é a atual situação de sua banda, o PAINMUSEUM?

Metal Mike — "Assim que essa turnê com Sebastian acabar, levarei o PAINMUSEUM à América do Sul. E, logo em seguida, vamos começar a gravar outro álbum".

Ultimate Guitar.com — É sabido que você possui a sua própria gravadora. Você acabou descobrindo que tomar conta dos negócios é parte vital para ser um músico hoje em dia?

Metal Mike — "Há dois modos de ser um músico, basicamente você pode juntar todo esse lado financeiro o máximo que puder, ou pode ficar praticando o dia inteiro e esperar que alguém o ouça e tome conta dos negócios para você. Para mim, senti que ficar sentado no meu quarto tocando guitarra não me traria a mesma oportunidade se eu fosse lá fora e tentasse me promover. Hoje em dia os negócios são uma grande parte da coisa toda, há momentos em que tenho que desligar o computador e fazer a coisa toda, a menos quando há músicas novas. Mas também é importante não se tornar alguém como Gene Simmons que só cuida do lado financeiro e a música acaba tendo um aspecto secundário. Também descobri que quanto mais sucesso você faz, mais pessoas para tomar conta disso aparecem, porque você também não pode cuidar de tudo sozinho".

Ultimate Guitar.com — Rumores persistiram ao longo dos anos de que o álbum ao vivo “Live: Insurrection” não era completamente ao vivo. Há alguma verdade nisso?

Metal Mike — "Bem, o que aconteceu foi que levamos o equipamento todo de gravação em todos os shows que fizemos, então cada show que tocamos foi gravado. Sendo assim, escolhemos as melhores músicas dos 90 shows que fizemos. É por isso que você ouve diferenças na guitarra e no barulho da platéia. E quando fomos ao estúdio gravar três faixas inéditas — 'Screaming In The Dark', 'Heart of A Lion' e 'Prisoner Of Your Eyes' —, decido mexer em uma ou outra faixa aqui e ali. Mas eu não regravei nada, como se eu não tivesse tocado aquele solo ou algo assim".

Ultimate Guitar.com — O que você acha ser o elemento mais importante em um riff de Heavy Metal?

Metal Mike — "Definitivamente tem que haver uma certa melodia. Não tem que ser, para mim, a coisa mais melódica e tal, mas quando componho um riff gosto que ele faça parte da música. Algumas bandas de metal tocam bem rápido e eu até acabo me esquecendo dos riffs. Para mim, 99% das músicas que compus sempre começam com um riff. É algo que faz você se lembrar da música e gostar dela".

Leia a entrevista na íntegra, em inglês, aqui.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Skid RowSkid Row
Reunião chegou a ter shows marcados, diz Bach

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Sebastian Bach"

Guns N RosesGuns N' Roses
Sebastian Bach se surpreendeu com o retorno de Slash

Skid RowSkid Row
Tudo sobre o clássico "I Remember You"

Sebastian BachSebastian Bach
Descrevendo o horror de urinar com Phil Anselmo

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Pain Museum"0 acessosTodas as matérias sobre "Sebastian Bach"

QueenQueen
Novas fotos do recluso John Deacon

MetallicaMetallica
Lars sabe que os fãs não gostam do St. Anger

Collectors RoomCollectors Room
Vinícius Neves, do Stay Heavy, mostra a sua coleção

5000 acessosFotos de Infância: Kurt Cobain, do Nirvana5000 acessosRolling Stone: os 100 melhores álbuns dos anos 905000 acessosMetallica: a letra que fez Hammett e Hetfield chorar5000 acessosMatanza: Jimmy se arrepende de não ter falado com Lemmy, do Motörhead5000 acessosMarilyn Manson: eleito o artista mais assustador do mundo4810 acessosLiam Gallagher: ele prefere comer fezes a ouvir U2

Sobre Thiago Coutinho

Formado em Jornalismo, 23 anos, fanático por Bruce Dickinson e seus comparsas no Maiden. O heavy metal surgiu na minha vida quando ouvi o vocalista da Donzela de Ferro em "Tears of the Dragon", em meados de 1994. Mas também aprecio a voz de pato bêbado do controverso Dave Mustaine, a simplicidade do Ramones, as melodias intrincadas do Helloween, a belíssima voz de Dio ou os gritos escabrosos de Rob Halford. A Whiplash apareceu em minha vida sem querer, acho que seus criadores são uns loucos amantes de rock e acredito que este seja o melhor site de rock do país, sem qualquer demagogia!

Mais matérias de Thiago Coutinho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online