Ravenland: vocal desabafa sobre machismo no Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Eliton Tomasi, Fonte: Som do Darma, Press-Release
Enviar correções  |  Ver Acessos

Press-release - Clique para divulgar gratuitamente sua banda ou projeto.

Camilla Raven, vocalista, tecladista, violinista e compositora da banda de Gothic Metal RAVENLAND, resolveu tornar público um desabafo a respeito do preconceito que ela diz sofrer pelo fato de ser uma mulher tocando Heavy Metal. Sua opinião foi transformada em formato de entrevista concedida a Eliton Tomasi, ex-editor da revista Valhalla, hoje diretor da Som do Darma, empresa que cuida da assessoria de imprensa da RAVENLAND.

The Simpsons: 10 melhores aparições de roqueiros no desenhoDanilo Gentili: O sertanejo tem mais atitude roqueira que o próprio roqueiro

Na entrevista, Camilla afirma que por mais que a mulher tenha conquistado mais espaço na cena em comparação com alguns anos atrás, sua participação ainda não é ideal. "Ainda há poucas mulheres com participação ativa", protesta a musicista de 20 anos de idade. "É certo que há bem mais mulheres envolvidas com o Metal nos dias de hoje, e esse número continuará a crescer, mas acho que as mulheres deveriam ser encaradas de outra forma e não apenas como 'rostinhos bonitos no Metal'. O problema é que chamam uma mulher para compor a formação de uma banda, mas não abrem espaço para uma ativa participação nas composições, por exemplo. Querem apenas explorar o fato de que há uma mulher no grupo e usam sua imagem para promover a banda".

Camilla contesta enfaticamente a opinião de que o Heavy Metal seja um estilo musical de caracteres predominantemente viris. "O Metal pode expressar tanto agressividade como sensibilidade de várias maneiras. E não é por ser mulher que uma pessoa não pode expressar outras características fora sensibilidade." Ela também defende a habilidade feminina para tocar instrumentos. "A mulher pode se encaixar muito bem em qualquer subgênero do metal, tanto nos estilos que exigem mais sofisticação técnica como nos que não exigem muito. Mulher tem um estilo de tocar diferente. Nosso corpo é diferente, a musculatura dos braços é diferente, e é óbvio que para alguns instrumentos é mais comum o homem ter mais aptidão, mas isso não quer dizer que uma mulher não possa tocar muito bem também".

A entrevista completa pode ser conferida no site da RAVENLAND no endereço www.ravenland.net ou através do perfil da banda no Myspace - www.myspace.com/ravenland.

A RAVENLAND está em processo final de mixagem de seu disco de estréia "...And A Crow Brings Me Back". O álbum vai reunir 14 faixas e está sendo produzido por Ricardo Confessori, do SHAMAN, que também toca bateria no disco. Outro nome bastante conhecido a figurar no debute da RAVENLAND é o do guitarrista norueguês Tommy Lindal, ex-THEATRE OF TRAGEDY, que faz algumas participações no álbum. Em breve a banda também pretende anunciar o nome de um famoso produtor estrangeiro que fará a masterização do disco.

Entre outras novidades, o vocalista da RAVENLAND, Dewindson Wolfheart, representará a banda no "Stay Heavy Metal Stars" que acontece no domingo dia 29 de junho no Manifesto Bar em São Paulo. Dewindson se junta aos músicos do DEVENTTER, GENOCÍDIO, HENCEFORTH, etc para uma versão de "Black Number 1" do TYPE O NEGATIVE. Já no dia Internacional do Rock, 13 de julho, a RAVENLAND toca no Hammer Rock Bar em Campinas num evento dedicado ao gótico que também vai contar com apresentações da LAUDANY e ALPHA III.

Mais Informações: www.ravenland.net / www.myspace.com/ravenland.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Ravenland"


The Simpsons: 10 melhores aparições de roqueiros no desenhoThe Simpsons
10 melhores aparições de roqueiros no desenho

Danilo Gentili: O sertanejo tem mais atitude roqueira que o próprio roqueiroDanilo Gentili
O sertanejo tem mais atitude roqueira que o próprio roqueiro


Sobre Eliton Tomasi

Empresário artístico, gestor e produtor cultural, crítico musical. Foi fundador e editor-chefe da revista Valhalla (Rock Hard Brasil) - uma das mais importantes revistas especializadas em rock já existentes no Brasil - através da qual tornou-se um experiente e respeitado jornalista de rock. Há 20 anos atua como produtor de shows e eventos tendo já realizado desde pequenas gigs até produções internacionais de grande porte. Especializou-se na função de empresário e gestor de bandas e artistas nacionais e internacionais, participando da elaboração de diversos projetos culturais na área da música (rock) e realizando turnês freqüentes por todo Brasil e em mais de 15 países da Europa.

Mais matérias de Eliton Tomasi no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336