Gary Moore: músico fala sobre "Bad For You Baby"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Daniel Faria, Fonte: Brave Words, Tradução
Enviar Correções  

O artigo abaixo é de autoria de Allan Grusie:

Com uma carreira datando do início dos anos 70 você poderia quase perdoar um artista por deixar passar a oportunidade de entregar um álbum de interesse. Este não é o caso com o legendário guitarrista GARY MOORE. Com mais de 30 álbums lançados incluindo esforços em grupo com o power trio dos anos 70 SKID ROW (não, não é aquele) e uma participação no THIN LIZZY (continuando dentro e fora da banda), e agora com o "Bad For You Baby", vamos encontrar Gary continuando através do corredor de blues rock com originais que soam refrescantes e quatro releituras. Desta vez, tem um perceptível balanço e crueza no processo, ao qual chamaremos de "blues que te faz sentir bem".

"Eu acho que o álbum é melhor do que qualquer coisa que fiz em muito tempo. Este tem se acumulado; eu sinto que tem mais energia, atitude e uma certa aspereza nas músicas", disse Gary.

Então qual é o segredo de pegar o blues rock e fazê-lo soar interessante? "Eu me lembro de pegar emprestado o álbum do JOHN MAYALL & THE BLUESBREAKERS de um amigo quando eu era criança, e minha vida mudou em um minuto. Começou como uma paixão pelo blues. Eu tenho uma teoria... eu lembro primeiro de ter começado a tocar a guitarra quando eu tinha dez anos de idade e o entusiasmo infantil da época. Eu ainda fico excitado para ensaiar, shows, simplesmente tocar. Aquele entusiasmo está 'congelado no tempo', e é o motivo pelo qual você começa a tocar".

"Honestamente, eu alegremente tocaria em qualquer lugar, a qualquer hora. Eu recebi ligações de colegas me convidando para tocar com eles em pubs, e é só eles virem me buscar, de guitarra na mão e tocarei a noite toda. Eu tento me mover adiante para manter minha intensidade e crença na música. Se você tocar como se não acreditasse, a audiência vai perceber aquela vibração. Eles percebem na hora".

O álbum tem quatro músicas cover, cada uma fiel ao original, ainda assim com um novo "approach". Gary elabora, "eu sempre penso no que eu posso adicionar a uma música, ainda assim sendo respeitável ao espírito do original. Por exemplo, a música de Al Kooper ('I Love You More Than You'll Ever Know') é uma canção soul, mas eu adicionei um detalhe de guitarra na introdução. Eu sempre tento adicionar algo que me representa.

Veja mais detalhes do disco - incluindo arte gráfica - no link abaixo:

Gary Moore: título e capa de novo trabalho do guitarrista




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Mortes: 30 músicos do rock e metal que nos deixaram na década de 2010Mortes
30 músicos do rock e metal que nos deixaram na década de 2010

Plágios ou Coincidências: cinco músicas famosas para você julgarPlágios ou Coincidências
Cinco músicas famosas para você julgar


Slipknot: Joey Jordison diz que foi demitido por telegrama cantadoSlipknot
Joey Jordison diz que foi demitido por telegrama cantado

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1981Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1981


Sobre Daniel Faria

Nascido em 1977, cresceu em um lar onde rock progressivo dominava as ondas do ar. Aos 12 anos, com a compra de "Paranoid" (Black Sabbath) tudo mudou e o metal gradualmente passou a ser o som predominante em casa. Estudou Computer Science / Applied Science pela Concordia University (Montreal, Québec, Canada) e hoje vive em um vilarejo rural em Simcoe County, centro-sul de Ontario, Canada.

Mais matérias de Daniel Faria no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin