Iron Maiden: Em 1999, a volta de Bruce Dickinson e Adrian Smith

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ronaldo Costa
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 03/03/09. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Em 10 de fevereiro de 1999 foi anunciado oficialmente o retorno do vocalista Bruce Dickinson e do guitarrista Adrian Smith ao IRON MAIDEN, quando a banda passou a ser um sexteto. Em toda a sua história, essa é a formação mais duradoura da Donzela.

763 acessosDuplas de guitarristas: Loudwire elenca suas dez melhores5000 acessosAC/DC: a história do nome e a idéia do uniforme de Angus

Adrian Smith havia deixado a banda após a turnê de divulgação do álbum "Seventh Son Of A Seventh Son" e sua saída sempre foi lamentada por boa parte dos fãs, dada toda a sua habilidade como guitarrista e compositor, além do entrosamento impressionante com o parceiro Dave Murray. No entanto, o Maiden trouxe para seu lugar o bom Janick Gers, que havia tocado no primeiro álbum solo de Bruce Dickinson ("Tatooed Millionaire") e ainda tinha no currículo a passagem como guitarrista da banda solo de Ian Gillan. Com essa formação, a banda gravou os álbuns "No Prayer For The Dying" e "Fear Of The Dark", que apostavam numa sonoridade mais crua e até mesmo num flerte maior com o hard rock.

Quando Bruce Dickinson saiu do Maiden em 1994, alegando diferenças musicais, muita gente temeu até mesmo pela continuidade da banda, já que foi com ele, na posição de frontman, que o Maiden conquistou o mundo e se tornou uma das mais influentes e maiores (talvez a maior) bandas de heavy metal de todos os tempos, de forma que sua imagem era tão atrelada à da banda que era quase impossível imaginar os 2 separados. Para seu lugar o grupo trouxe o então desconhecido Blaze Bayley, que vinha do WOLFSBANE, supostamente após um concurso mundial para escolher o novo vocalista. Com Blaze, a banda viria a gravar os álbuns "The X Factor" e "Virtual XI" que, a despeito de suas qualidades, dividiram as opiniões entre os fãs como em nenhum outro momento da carreira da banda. Paralelo a isso, Bruce, após seguir por outras tendências musicais em seus 2 primeiros álbuns após a saída da Donzela ("Balls To Picasso" e "Skunkworks"), convocou o antigo parceiro Adrian Smith para sua banda solo, onde voltaram a fazer um heavy metal clássico, com os lançamentos de "Accident Of Birth" e "The Chemical Wedding", até hoje tidos como 2 dos melhores discos de heavy metal dos últimos anos.

Numa época onde algumas bandas clássicas anunciavam reuniões, tudo isso, como não poderia deixar de ser, gerou um sem-fim de boatos sobre o reencontro entre Bruce e Adrian representar o primeiro passo para uma volta da formação clássica do IRON MAIDEN. No entanto, a esperança de essa ideia se concretizar parecia remota, já que ambas as partes negavam. Não apenas isso, parecia algo improvável mesmo, já que até mesmo algumas trocas de farpas entre Bruce Dickinson e Steve Harris aconteciam, por meio de entrevistas.

A desconfiança em relação a Bayley se transformou em rejeição por parte de alguns fãs durante as turnês da banda naquele período, onde o vocalista não conseguia atingir performances no nível que os fanáticos pelo Maiden esperavam. A pressão cada vez maior fez com que os outros integrantes também começassem a considerar que Blaze não havia sido a escolha correta para o lugar de Dickinson. Durante a turnê de divulgação de "Virtual XI", o descontentamento tornou-se mais evidente, chegando aos limites do tolerável. Notadamente, na parte sul-americana da turnê, no final de 1998, o clima interno na banda parecia péssimo. Publicações daquele período relatavam que Bayley era conduzido aos shows em veículo separado do restante da banda, chegando ao ponto de algumas revistas publicarem que Andi Deris, do Helloween, então em turnê com o Iron, teria afirmado que não sabia quanto tempo mais Blaze conseguiria permanecer na banda.

Mais ou menos no mesmo período, Bruce Dickinson cancelou uma turnê que faria pelos EUA com o Anthrax. Pouco tempo depois, segundo conta a história, foi visto na França conversando com Janick Gers. Os boatos sobre uma possível volta de Bruce ganharam mais força ainda. No entanto, várias pendências teriam que ser resolvidas, como os compromissos que Bruce tinha em carreira solo e a aceitação de Steve Harris. Além disso, o vocalista não queria perder o vínculo artístico com o amigo Adrian Smith, de forma que sugeriu a volta do guitarrista ao Maiden juntamente à sua própria volta. No entanto, ninguém queria e nem tinha motivos para simplesmente tirar Gers da banda para um retorno de Smith. Então, o empresário Rod Smallwood, com toda sua habilidade de negociador, conseguiu tramar o que parecia impensável: Dickinson e Smith retornavam, Gers continuava e a banda passaria a contar com 6 integrantes, trazendo uma parede sonora de 3 guitarras.

O anúncio foi recebido com euforia no mundo inteiro. A banda já tinha programada uma pequena turnê pela Europa e EUA no meio do ano, para divulgação do jogo de computador "Ed Hunter". Esses shows acabaram ficando como a primeira celebração da então nova formação e servindo como um período de reentrosamento da banda. Após isso, todo mundo sabe o que aconteceu. O Maiden lançou no ano seguinte o celebrado "Brave New World" e saiu em turnê mundial, que inclusive passou pelo Brasil, com o show do Rock In Rio 3. Blaze Bayley iniciou carreira solo, que hoje já conta com 4 discos de inéditas, onde deu vazão ao melhor de sua criatividade e de suas habilidades como vocalista, trazendo ao mundo alguns dos melhores álbuns de metal dos últimos anos, como "Silicon Messiah" e "The Man Who Would Not Die", ainda que o reconhecimento e o sucesso comercial estejam aquém de toda a qualidade de sua obra.

Nesse período o IRON MAIDEN lançou álbuns de estúdio e fez turnês, sejam turnês de divulgação de novo material, sejam turnês de verão, sejam turnês relembrando os períodos mais clássicos do grupo. Como dito antes, essa é a formação mais duradoura da história da banda e, de longe, o período mais estável em seu line-up, até mesmo pelo fato de os integrantes hoje serem todos homens maduros.

Já são mais de 80 milhões de discos vendidos, shows lotados em arenas de todo o mundo e uma história de credibilidade e integridade que poucas bandas conseguem igualar. Tudo isso levou o Maiden ao status atual de uma das maiores bandas de rock da história.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 10 de fevereiro de 2014
Post de 10 de fevereiro de 2014
Post de 13 de fevereiro de 2014
Post de 11 de fevereiro de 2016
Post de 11 de fevereiro de 2017

Iron MaidenIron Maiden
Steve Harris assiste show do Metallica no Canadá

763 acessosDuplas de guitarristas: Loudwire elenca suas dez melhores1238 acessosBruce Dickinson: voando em um bombardeiro da II Guerra Mundial0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Iron Maiden"

The Raven AgeThe Raven Age
A banda do filho de Steve Harris

Heavy MetalHeavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados no ano de 1986

Metal 2015Metal 2015
15 melhores álbuns do ano pela Ultimate Guitar

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Iron Maiden"0 acessosTodas as matérias sobre "Bruce Dickinson"

ACDCACDC
A história do nome e a idéia do uniforme de Angus

MMAMMA
Os lutadores que curtem Rock e Heavy Metal

Blasfêmias?Blasfêmias?
Rockstars que atacaram a igreja, Jesus Cristo e Deus

5000 acessosAbout.com: site elege os 5 melhores álbuns do Slayer5000 acessosRock: 25 fotos pra fazer você continuar acreditando na música5000 acessosGuns N' Roses: segundo Gene Simmons, Axl merecia uma surra5000 acessosFoo Fighters: tentaram cover de Yes mas era difícil, tocaram Rush5000 acessosPower Metal: As bandas mais populares segundo o Facebook5000 acessosSlipknot: Vivendo a Vida Loca com Rick Martin

Sobre Ronaldo Costa

Nascido na capital paulista em meados dos anos 70, teve a sorte de, ainda bem jovem, descobrir por meio de um primo o debut do Iron Maiden. Quando ouviu “Prowler” pela primeira vez, logo entendeu que aquilo passaria a fazer parte de sua vida. Gosta sobretudo dos clássicos, como Maiden, Judas, Sabbath, Purple, Zeppelin, Metallica, AC/DC, Slayer, mas ouve desde um hard bem leve até um bom death metal. Além da paixão pelo metal e pelo rock em geral, também adora cinema e um bom futebol.

Mais matérias de Ronaldo Costa no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online