Iron Maiden: entrevista com autor de artigo científico

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Átila Pretorius, Fonte: Distorção
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 10/07/09. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

A coluna Distorção, veiculada no portal O Dia, entrevistou Rodrigo Medina, autor do artigo científico "When two worlds collide: representações do real e monstruosidades fantásticas no conjunto simbólico das capas de álbuns e singles da banda IRON MAIDEN".

38 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa5000 acessosO futuro do Rock nacional: bandas autorais devem "se tocar"

Confira alguns trechos:

Distorção - Manifestação, renovação social e liberdade. O que mais faz do Heavy Metal um estilo ‘condenado’ à eternidade?

Rodrigo Medina: "Certamente não o estilo, mas o espírito que, por meio dele, se manifesta. A explosão frente ao recalcamento das restrições sociais, a transgressão à ordem posta, a irreverência frente aos poderes estabelecidos, a desobediência aos códigos de conduta impostos por aqueles que gozam de poder, a afronta à moral religiosa, a denúncia da corrupção da alma humana, o mergulho em seus vícios e vicissitudes: não é recente na História o Homem expressar seus desejos, anseios e frustrações por meio da música.

Aliás, esta que precede a própria linguagem falada, que inventou a mentira; na expressão musical da alma humana, por meio da sonoridade, encontramos mais facilmente o Homem em estado puro. Sendo assim, o espírito que hoje é catalisado pelos acordes distorcidos do Heavy Metal pode ter habitado, guardadas as devidas proporções, sonoridades como as de Mozart e Beethoven, por exemplo, que ao seu tempo foram vistos, por muitos, como transgressores de uma estética musical estabelecida, bem como aos valores postos em suas respectivas sociedades.

Pensar a eternidade para o Heavy Metal implica em verificar a permanência de comportamentos que, em transformação na marcha da História, continuam respondendo a estímulos que permanecem quase inalterados, alocados no mais profundo abismo da condição humana. Toda sociedade está fadada a deixar de existir e todos os sistemas culturais estão condenados à perene transformação, logo, o Heavy Metal, que mais que uma mera sonoridade, representa um estilo de vida, para futuras gerações terá deixado de existir; mas seu espírito não, o que moverá a condição humana a explodir os grilhões que insistem em acorrentar a juventude, o questionamento crítico e o novo, a reinventar sonoridades onde esse espírito continue a se manifestar de forma criativa".

Distorção - O trecho “Os que viveram o heavy metal nas décadas de 1970 e 1980 não são hoje, necessariamente, motociclistas de terceira idade, vestindo jaquetas de couro, com cabelos e barbas longas e grisalhas, com mulheres louras na garupa de suas chopers e Harley Davison’s; muitos são burocratas, banqueiros, analistas de sistema, médicos e vejam só: historiadores!”, traduz, integralmente, o pensamento dos milhões de headbangers espalhados ao redor do mundo, sempre taxados de “geração perdida”, “vagabundos” e “marginais”, quando, na verdade, essa padronização só leva a julgamentos precipitados, criando os famosos “guetos” culturais.

Rodrigo Medina: "Evidentemente isso é fruto de juízos de valor, geradores de sensos comuns, de onde advém o esteriótipo ou o rótulo do headbanger como vagabundo ou marginal.

É claro que sub-grupos de intolerância, dentro do Heavy Metal, auto-intitulados 'trues', que intimidam e até mesmo agridem outros grupos apenas por não dominarem um determinado repertório, não ajudam em nada. Mas já está claro que essa visão esteriotipada é expressão do mais medíocre preconceito".

Leia a matéria completa no link abaixo.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Iron MaidenIron Maiden
Show do Ghost é melhor, diz reportagem

38 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa428 acessosIron Maiden: Iron Maiden Ex Libris aborda as letras da donzela410 acessosThunderstick: ex-batera do Samson e Iron Maiden lançará novo disco0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Iron Maiden"

Iron MaidenIron Maiden
"O que você precisa saber sobre a banda está no palco!"

Iron MaidenIron Maiden
Assista jam histórica com o Deep Purple em 2002

Dream TheaterDream Theater
Iron Maiden, Metallica e Rush, bandas que os inspiraram

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Iron Maiden"

O futuro do Rock nacionalO futuro do Rock nacional
Bandas autorais devem "se tocar"

Guns N RosesGuns N' Roses
A trágica história do baixista fundador que morreu afogado

Judas PriestJudas Priest
10 fatos que comprovam que eles são Heavy Metal!

5000 acessosLoudwire: as dez melhores bandas da era Grunge5000 acessosBlack Sabbath - Perguntas e Respostas5000 acessosGuitar World: as 50 melhores canções de Rock de todos os tempos4721 acessosMastodon: Brent Hinds esculpiu um pênis gigante de madeira5000 acessosAlice In Chains: Layne Staley quase assumiu vocal do Audioslave4741 acessosPearl Jam: Jeff Ament quase optou por ser jogador de basquete

Sobre Átila Pretorius

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online