Dokken: "é frustrante se esquivar dos ataques de George"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por João Renato Alves, Fonte: Blog Van do Halen
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 18/06/11. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Após ter que responder mais alguns ataques do guitarrista George Lynch, Don Dokken repassou a história de tensões em um bate-papo com o Bravewords.com. A declaração repassa a história do grupo e oferece ao leitor uma verdadeira viagem aos áureos tempos do Hard Rock oitentista.

524 acessosGeorge Lynch: músico relembra quando tocou em colônia nudista5000 acessosNickelback: 11 razões para respeitar - muito - a Chad Kroeger

Foi sempre frustrante tentar se esquivar de responder os constantes ataques pessoais de George. Quando Breaking The Chains foi lançado na Europa, estava escrito Don Dokken no álbum, já que eu não tinha uma banda. Contratei Mick (Brown, baterista) e George para tocar no disco. Juan Croucier (Ratt) foi creditado como baixista e apareceu na foto, mas foi Peter Baltes (Accept) quem gravou. Ao voltar para os Estados Unidos, comecei a procurar por um grupo permanente. Juan já estava com o Ratt e George estava quase se tornando o guitarrista da banda de Ozzy. Cheguei a fazer um show com Warren DeMartini (também do Ratt) na guitarra. Achei que seria a formação definitiva, mas as gravadoras não mostraram muito interesse. Ficamos apenas eu e Mick.

Cliff Bernstein, que empresariava o Def Leppard, havia escutado Breaking the Chains e gostou. Nos ofereceu um show abrindo para o Mötley Crüe. Pedi que Juan me ajudasse apenas nessa data e chamei George. Graças a esse concerto, assinamos com a Elektra Records. Tom Zutaut, que trabalhava no departamento de singles, acreditou no álbum e nos deu força, assim como Cliff. Juan não ficou, pois o EP de estréia do Ratt decolou e ele ficou na banda. Mike Varney (guitarrista e fundador da Shrapnel Records, que descobriu quase toda a turma do bululu oitentista) me recomendou Jeff Pilson, que tocava em uma banda de bar com Amy Cannon, que se tornaria backing vocal do Mötley um tempo depois.

Nos ofereceram uma excursão com Blue Öyster Cult e Aldo Nova. Estava empolgado por tocar em arenas, mas tinha ressalvas quanto a George, já que não nos dávamos bem desde as gravações, mas fui convencido a mantê-lo. Jeff se encaixou perfeitamente. Eu ainda tocava guitarra base, ficamos nesse formato até Tooth and Nail, quando passei a me concentrar apenas nos vocais. Foi difícil, pois sempre toquei e cantei. Mas isso deu mais liberdade a George para se tornar o grande instrumentista que é. Fizemos grandes trabalhos juntos. Algumas pessoas acham que a tensão colaborou com isso, mas eu discordo.

Jeff nunca teve o crédito que merecia. Ele trabalhava com George nos riffs e letras, já que não conseguíamos lidar um com o outro. Mesmo com todo esse clima, nos tornamos uma banda. Eu consegui todos os contratos nos Estados Unidos e Europa, mas decidi dividir os méritos. Achei que faria com que todos ficassem felizes e acalmasse a tensão, mas nunca aconteceu. Uma pena.

Quando nos reunimos em 1995, achei que tínhamos amadurecido o suficiente para deixar isso para trás. Mas quem assistir o primeiro show da volta, registrado no DVD One Night Live, verá que estávamos com problemas óbvios. George claramente nos ignorou o tempo inteiro. Chegou a um ponto que era impossível continuar. Felizmente, Reb Beach (Winger, Whitesnake) entrou e fizemos um grande disco (Erase the Slate), com o som clássico do Dokken. O resto é história. Quando Jon Levin entrou, alguns anos mais tarde, foi a dose de energia que precisávamos. Nos damos bem, nos divertimos a cada nova apresentação. Esperamos continuar o legado.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

524 acessosGeorge Lynch: músico relembra quando tocou em colônia nudista0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dokken"

Don DokkenDon Dokken
Anos 80, groupies e vida em família

CinemaCinema
As melhores músicas de Rock/Metal em filmes de terror

Baladas HardBaladas Hard
Blog elege o Top 20 de todos os tempos

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Dokken"

NickelbackNickelback
11 razões para respeitar - muito - a Chad Kroeger

NirvanaNirvana
Claudia Ohana faz cover desastroso no Programa do Jô

Legião UrbanaLegião Urbana
O dia em que Renato calou a plateia do Programa Livre

5000 acessosGaleria - Tatuagens em homenagem ao Kiss5000 acessosSlayer: Kerry King acha que Black Metal norueguês é uma merda5000 acessosFotos de Infância: Jon Bon Jovi5000 acessosLed Zeppelin: Bonham, o melhor baterista de todos os tempos5000 acessosJess Greenberg: mais vídeos de covers em voz e violão5000 acessosExodus: "Ninguém é maior que o Maiden na América do Sul!"

Sobre João Renato Alves

27 anos, jornalista formado pela Universidade de Cruz Alta. Kissmaníaco inveterado, um verdadeiro apaixonado pela banda de Gene Simmons e Paul Stanley. Idolatra com quase a mesma paixão Queen, Van Halen e Black Sabbath. Aprecia desde o Rock dos anos 50 (Elvis, Little Richard, Chuck Berry, entre outros) e 60 (Beatles, Rolling Stones, The Who, Led Zeppelin...), Hard Rock dos 70's (AC/DC, Deep Purple, Alice Cooper...) e 80's (Mötley Crüe, Def Leppard, Europe, Talisman...), Metal Tradicional (Judas Priest, Dio, Ozzy...), NWOBHM (Iron Maiden, Saxon, Angel Witch...) e Thrash oitentista (Slayer, Destruction, Kreator...). Já teve um programa de rádio, chamado "Lavagem Cerebral", na Unicruz FM. Solteiro e seguidor das idéias de Gene Simmons em relação ao casamento.

Mais matérias de João Renato Alves no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online