Sexo, drogas e Rock'n'Roll: como funciona o ramo musical

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: Site do LoKaos Rock Show
Enviar Correções  


Por Mick Wall, traduzido por Nacho Belgrande.

Ela tem 29 anos – bem velha, eu achei na época, o que mostra o quão jovem e burro eu era – a esposa de um empresário de rock (muito) famoso. "Você gostaria de voltar para uma bebida?" ela tinha me perguntado.

publicidade

Nós tínhamos sido apresentados em um show de Rory Gallagher. Rory estava em forma naquela noite, mas como de costume, foi depois que toda a diversão pra valer começou. Aconteceu de a garota velha morar num palacete a alguns poucos quilômetros da bem mais modesta residência onde eu vivia com meus pais. A oferta de uma bebida veio com a promessa de me levar de carro pra casa depois. Mal tendo dinheiro pra uma caneca de chopp eu meu bolso e muito menos pra um táxi, eu agarrei o convite.

publicidade

Quando chegamos lá, eu notei o felpudo tapete branco e todos os discos de ouro e prata nas paredes. Parecia exatamente o tipo de lugar que você imaginaria que um famoso empresário de rock vivesse.

Ela me serviu um baita copo de brandy, que eu fingi gostar (na adolescência, eu era mais chegado em cidra e Valium). Daí ela sacou a cocaína, que eu nunca tinha visto e muito menos provado. Tal como com o brandy, eu fingi saber tudo sobre aquilo, enquanto ela me convidava pra um ‘mão dupla’, ou seja, uma carreira cheirada por cada uma das narinas. Eu a observei cheirando e simplesmente a imitei quando chegou minha vez. Meu nariz congelou na hora. Alguns minutos depois, eu notei que eu estava gelado por dentro também; meu cérebro em um iceberg de repente flutuando em alguma grande e inexplorada região do oceano ártico.

publicidade

Nós nos sentamos e conversamos um pouco, ela falando da banda de rock mundialmente famosa do marido dela, como eles eram legais, bla bla bla, e eu tomando o brandy dela e cheirando a cocaína dela, mandando mais a cada minuto, mas sem saber mais o que fazer, apenas tentando não parecer um bobo. Não tava dando muito certo.

Daí ela me olhou nos olhos e disse, sem sorrir: "Bem, agora, eu vou te levar pra casa pra sua mamãe ou você vai me levar lá pra cima e me comer com vontade?"

publicidade

Eu olhei pra ela, chocado, mas ainda tentando não estar. Ela estava brincando? Não estava. Então eu a levei pra cima e fingi gostar daquilo também. Mas foi um trabalho duro. Eu estava tão bêbado e chapado que eu não conseguia ‘subir’. No fim das contas, ela tirou um vibrador de uma gaveta num criado mudo e me deu. Ali ela poderia ter me dado um revólver e eu não teria ficado surpreso. Eu não sei se ela estava fingindo, mas ela fez muito barulho antes de me deixar parar. Em seguida, ela me tocou pra fora, me disse que o marido dela chegaria em casa a qualquer minuto, e me disse pra correr. Eu desci a estrada a pé e fiquei congelando no frio esperando pelo primeiro ônibus.

publicidade

Moral da história? A mesma que tem sido nesse ramo desde o começo dos tempos: se você não quer me foder, então você vai se foder.

Até a próxima, gente…




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Pink Floyd: Perguntas e respostas e curiosidadesPink Floyd
Perguntas e respostas e curiosidades

The Voice: candidato faz power metal cantado em portuguêsThe Voice
Candidato faz power metal cantado em português


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin