Shows: o futuro - pelo menos pros gringos - promete

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: Site do LoKaos Rock Show
Enviar Correções  

Por Mick Wall, traduzido por Nacho Belgrande.

"Eu me vi conversando com alguns figurões do negócio de casas de shows essa semana, ficando pasmo com algumas das histórias deles sobre os negócios que mudam rapidamente, pela perspectiva deles. Houve um tempo em que esses caras estavam envolvidos em somente armar um show de rock à antiga, com pirotecnia e tudo mais. Você sabe, do tipo que você paga o preço do resgate de um rei por um ingresso tão longe do palco que você sente que está monitorando a coisa da Lua enquanto molha a você e aos outros ao seu redor com sua cerveja quente do seu copo vagabundo de plástico rachado

publicidade

Bem, não mais. Começou quando o O2 em Londres iniciou suas atividades e meteu vergonha em todos os outros com suas experiências de ‘imersão’ – lojas, restaurantes, todo o lance de sushi-e-café. Desde então, todas as casas de shows tiveram que enfiar suas meias na boca, e no linguajar deles, ‘acrescentar valor’ a ‘experiência do show’;

publicidade

Bem, bom. Em um negócio que durante toda a minha vida o cliente foi posto em qualquer lugar menos no primeiro, já passa da hora desses caras acordarem. Assim, chega de seguranças brutamontes com cara de cachorro ameaçando jogar você das cadeiras superiores por ousar ficar de pé e dançar; nada de ângulos de visão nojentos por detrás de uma coluna e cadeiras quebradas. E chega da desgraça da cerveja quente.

publicidade

De fato, a coisa evoluiu tanto que agora você pode desfrutar de – outro jargão – ‘várias camadas de entretenimento a todo nível de custo’. Ou seja, fazer uma refeição em um restaurante suíço longe da gentalha, e então sentar em seu próprio camarote privado bebericando champanhe enquanto alguém com uma guitarra toca para seu prazer, assim como o de seus companheiros de negócios.

publicidade

Mas hey, você sabia disso, certo? Mas você já sabia sobre cruzeiros de rock? Por que se incomodar em dirigir em uma noite fria até um elefante branco quando você pode pagar mais dinheiro e acabar em um cruzeiro com o Kiss «Miami a Nassau por menos de 1000 reais» ou com o ZZ Top «Flórida até as Bahamas por cerca de 3200 reais» ou o Best VH1 Cruiser Ever com o Train «Flórida ao México por menos de 1300 reais».

publicidade

O que foi – parece caro? Sem drama. Por que não simplesmente comprar ingressos «o mais barato é em Londres, 40 reais» para o musical ‘Rock of Ages’? Atualmente em exibição nos EUA, Austrália e agora no Reino Unido, essa é a experiência de imersão no rock para bater todas as outras. Qual é, uma penca de mulheres lindas de meia-calça e shortinhos cantando ‘Don’t Stop Believing’, enquanto o ex-‘astro’ do «programa televisivo Britânico» X Factor, Shane Ward requebra com uma peruca loira, tem como não gostar?

publicidade

Tem mais. Ouça a Justin Lee Collins – de peruca preta – assassinar ‘I Want To Know What Love Is’. Assista a vários homens de peito peludo fingirem que sabem o que é rock enquanto eles pulam feito Freddie Mercury fumado de crack. Que fã legítimo de rock não iria querer uma noite dessas?

Eu não estou nem brincando. Eu realmente preferiria ir e sentar em uma bela poltrona sabendo que meus lanches e bebidas do intervalo estarão esperando por mim enquanto eu bato o pé acompanhando Shane e Justin e todas aquelas garotas sexy «de longe» rebolarem do que sofrer outra noite em pé nos cafundós de um show ‘Gigantes do Rock’ aonde temos que agüentar – palavras duras – algo do novo disco, e então ter que esperar até o bis pra ouvir o que eu realmente vim pra ouvir.

publicidade

Imerge-me, querida, enquanto eu pago a você pelo privilégio. Sério, faça isso."




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Jethro Tull: a fúria de Ian Anderson pra cima do Led ZeppelinJethro Tull
A fúria de Ian Anderson pra cima do Led Zeppelin

E-Farsas: Papa Francisco era fã do Black Sabbath?E-Farsas
Papa Francisco era fã do Black Sabbath?


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin